Estacionamento precário afasta clientela e preocupa empresários no Alecrim

Apesar de concentrar 4.600 empresas ativas – 40% de todo o comércio varejista e 31% de toda a atividade empresarial de Natal -, o bairro do Alecrim sofre com o trânsito sempre congestionado e com a falta de estacionamentos.

Embora todos os bairros importantes da cidade estejam interligados ao Alecrim por linhas de ônibus e centenas de alternativos do interior tenham ali seu ponto de chegada e partida, os comerciantes estabelecidos calculam uma perda progressiva de faturamento nos últimos anos.

Não era para ser assim, já que existe um mix variado de comércio ao lado de ruas inteiras de varejo especializado. Só a feira do Alecrim, que funciona há mais de 90 anos, é a maior do Estado e desperta interesse até de turistas estrangeiros.

“Nos últimos anos o bairro vem sofrendo com a ausência de políticas públicas e o abandono das últimas gestões que deram as costas ao bairro, permitindo que ruas fossem ocupadas de forma desordenadas e sem estrutura de estacionamento, afugentando clientes que buscam nos shoppings, melhores condições para realizar suas compras”, explica Pedro Campos, presidente da Associação dos Empresários da Alecrim.

Desde que assumiu, Campos tem buscado um melhor diálogo com ambulantes e a prefeitura e o primeiro sinal de boa vontade foi a reforma da Praça Gentil Ferreira, mais conhecida como praça do relógio, um importante ponto de referência do bairro.

Ele lamenta, no entanto, que a implantação já anunciada de um estacionamento rotativo se encontre com seu processo licitatório parado na STTU, quando, segundo ele, deveria ter sido homologado quatro meses atrás.

“Alegaram atraso no processo de licitação do estacionamento a um novo enquadramento, e o processo havia voltado para o jurídico do município opinar”, explica.

Outra questão que, de acordo com Pedro Campos, não andou, foi a construção de um espaço para realocar os camelôs, proposta já encaminhada ao prefeito Álvaro Dias, mas que não prosperou.
“A melhoria do trânsito no bairro, objeto de reuniões com técnicos da STTU, já deveria estar funcionando, pelo tempo que esse processo vem acontecendo”, estranha o empresário.

Para tentar amenizar o problema da falta de estacionamento nos bairros comerciais, entre eles o Alecrim, a prefeitura estuda implantar estacionamentos rotativos de duas horas, renováveis no máximo por mais duas, que seriam implantados em duas etapas.

A primeira etapa abrangeria 41 ruas dos bairros de Alecrim, Cidade Alta, Ribeira e Tirol. Na segunda etapa, o sistema chegaria a 28 ruas nos bairros de Petrópolis, Cidade Alta, Ponta Negra, Lagoa Nova e Lagoa Seca. Ambas as etapas somariam mais de 4 mil vagas.

Mas Pedro Campos tem uma boa notícia: a inauguração de um novo acesso pela Bernardo Vieira em direção ao Alecrim deve ser liberada nos próximos dias, faltando somente a conclusão de instalação do semáforo na Avenida. O novo acesso vai interligar a Rua dos Tororós com a avenida Presidente Gonçalves.

AGORA RN