Primeira advogada trans do RN é presa por furtar queijo Polenguinho e castanha do Pará

A primeira advogada transgênero do Rio Grande do Norte, Maitê Ferreira Nobre, de 24 anos, foi presa em flagrante nesta terça-feira, 17, após furtar um queijo Polenguinho e um saco de castanha do Pará, em um mercado de Mossoró, no Oeste potiguar. Esta é a segunda vez que Maitê é detida pela polícia. Em novembro, ela foi autuada por tráfico de drogas, por ser pega com uma pequena quantidade de maconha e dois pés da erva em sua residência.

Maitê Ferreira fez compras no estabelecimento, quando ao passar no caixa, o segurança percebeu atitude suspeita da advogada e decidiu chamar a Polícia Militar. Ao chegar no local, os policiais encontraram os itens furtados na bolsa de Maitê.

De acordo com a Polícia Civil, a advogada foi encaminhada para a Delegacia Especializada em Furtos e Roubos, mas pagou a fiança, no valor de R$ 340 e foi liberada.

Maitê ficou conhecida por ser a primeira advogada trans do quadro de defensores da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no RN. Além deste feito, ela também foi a primeira mulher trans a obter o bacharelado em Direito da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa), a primeira a ingressar num curso de pós-graduação em Direito na instituição e a primeira a ingressar num Mestrado em Direito no interior do Nordeste.

Após ser liberada, a advogada fez uma postagem em tom de ironia em suas redes sociais, com uma fotografia com a legenda “Eu digo é valha” e respondeu comentários pedindo para as pessoas “não acreditarem em tudo que lerem”.

AGORA RN