“ENTRE ASPAS”: Os 100 dias de Desadministração - Informativo Atitude

“ENTRE ASPAS”: Os 100 dias de Desadministração

Foto/Arte: Dejackson

“Passados 100 dias e parece que o caos se instalou em Macaíba, ficou demonstrado que os sistemas de administração ficaram complexos para o gestor como por exemplo: na área do trânsito é um pinta-pinta de faixas nas ruas e uma correria para colocar nas redes sociais onde deveriam estar reestruturando o trânsito de nossa cidade, pois são muitos carros no centro impedindo outros carros de circularem, carros estacionados em esquinas não respeitando os 5 metros, carros estacionados em contra mão, ruas onde deveriam existir apenas um lado para estacionamento, paradas de táxis em esquinas, faixas de pedestres em ruas que não passam 20 carros por dia como mostra a foto abaixo, etc”.

Foto: Dejackson

“Os 100 dias de administração na Cultura foi marcado pelas fotos de macaibenses que existiam no acervo da Secretaria de Cultura jogadas no lixo, assim como o acervo em VHS do falecido cineasta Geraldo Cavalcante e uma secretaria abarrotada de pessoas sem produzirem”.

“Na Educação o golpe foi miserável para quem defendia diuturnamente esta, trouxe uma cooperativa ligada ao deputado Kleber para gerir quase 10 milhões de reais e onde esta mesma cooperativa pagará aos professores pouco mais de 1500 reais, com isso desvalorizando a classe que pesadamente votou com os “Meninos” e que parece que gostaram, pois nenhum deles veio a público denunciar o ato, também sequer o Partido dos Trabalhadores tão ativo nesta área, disseram algo ou foram contra, calaram, mas calaram por 10 mil reais que é o salário de seu presidente”.

“100 de Secretaria de Saúde, onde o caos está instaurado, faltam médicos, colocaram administradores na UPA que não conversam com o público, pois vivem trancados em uma sala papeando, fecharam o laboratório da UPA, entraram atrasados no Consórcio para a compra de vacinas, isso depois que souberam que não existia vacinas para vender, mas quiseram fazer bonito. Toda Posuda ninguém ver, nem sabe por onde anda”.

“E por aí veio, e por aí vai, as outras secretarias não fazem nada mesmo, então nada temos para informar”.

“Sabendo que as organizações aprendem e evoluem por meio da habilidade de processar informações que chegam do ambiente. Apesar de não ter cérebro como os seres humanos, as organizações têm um tipo de aparelho cognitivo formado por sua cultura, história, memória, rotinas, procedimentos e as pessoas que fazem parte dela. Assim como nós, as organizações são capazes de aprender, e o grande desafio é estimular e sistematizar o aprendizado, então esperamos que o mais breve possível esta organização chamada Prefeitura de Macaíba aprenda através dos seus atores (governantes), para que nosso município não venha continuando a sofrer”.