UM GRITO DE LIBERDADE: Em carta escrita na cadeia, Roberto Jefferson compara Judiciário a “forças satanistas” - Informativo Atitude

UM GRITO DE LIBERDADE: Em carta escrita na cadeia, Roberto Jefferson compara Judiciário a “forças satanistas”

O ex-deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB, escreveu uma carta na cadeia criticando integrantes do Judiciário, chamados por ele de “abutres”, e mandou mensagens veladas ao STF (Supremo Tribunal Federal). O político está preso preventivamente desde 13 de agosto.

Lembrando a prisão de autoridades, Jefferson diz que a Operação Lava Jato criou nos brasileiros o sentimento de que todos são iguais perante a lei. Segundo ele, “houve um momento de absoluta fé na lei e na ordem democrática” até que “forças satanistas” passaram a atuar no país.

“Os abutres traíram o povo honrado da pátria amada. Anularam, isto mesmo, anularam as sentenças e condenações dos poderosos, apanhados na Lava Jato. Soltaram corruptos, destruíram no coração de nossa gente o credo na Justiça”, diz a carta.

Não há menção direta a Alexandre de Moraes, responsável por ordenar a prisão de Jefferson, ou a outro ministro da Corte. O deputado só usa a palavra “Supremo” em um momento do texto.

“Traíram nossa nação. Traíram a pátria amada. Escarneceram do Espírito Santo, pois desfraldaram a nossa fé. Supremo é o povo. Sete de setembro ressurgirá a nossa indignação”, afirma.

Jefferson está no presídio Bangu 8, no Rio de Janeiro. Na mesma cadeia estão o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, condenado a 392 anos de prisão na Lava Jato, e o ex-vereador Jairo Souza Júnior, o “Dr Jairinho”, preso em abril por suspeita de matar seu enteado Henry Borel, de 4 anos.

PRISÃO


Ao decretar a preventiva, Alexandre de Moraes disse que Jefferson faz parte de uma organização criminosa que busca “desestabilizar as instituições republicanas”. A detenção foi solicitada pela PF (Polícia Federal).

“O representado pleiteou o fechamento do Supremo Tribunal Federal, a cassação imediata de todos os Ministros para acabar com a independência do Poder Judiciário, incitando a violência física contra os Ministros, porque não concorda com os seus posicionamentos”, escreveu Moraes. “A reiteração dessas condutas, por parte de Roberto Jefferson Monteiro Francisco, revela-se gravíssima, pois atentaria ao Estado Democrático de Direito e às suas Instituições republicanas”, disse o ministro.

A investigação contra a suposta organização criminosa foi aberta em 1º de julho por Moraes ao mesmo tempo em que arquivou o inquérito dos atos com pautas antidemocráticas.

Ao começar a nova apuração, Moraes disse ter “fortes indícios da existência de uma organização criminosa voltada a promover diversas condutas para desestabilizar e, por que não, destruir os Poderes Legislativo e Judiciário a partir de uma insana lógica de prevalência absoluta de um único poder nas decisões do Estado”.

A investigação da PF mira núcleos de produção, publicação e financiamento de conteúdo “contra a democracia” semelhantes “àqueles identificados” no inquérito das fake news, que também está sob a relatoria de Moraes.

Eis a íntegra da carta:

“Reflexões de um preso político

A elite tecnocrática nomeada e vitalícia, destruiu a crença de nosso povo na democracia. Qual o principal sentimento, a principal convicção, a principal certeza de fidúcia e confiança no regime da lei e da ordem? A correta, diligente e honesta aplicação da lei. Essa é a garantia da existência da justiça e sua aplicação. Segurança jurídica, igualdade, igualdade. O orgulho causado de brios e felicidades do povo brasileiro decorreu de saber que os poderosos foram alcançados pela espada da Justiça. A operação Lava Jato e suas consequências gerou expectativas, mais, convicções, de que todos são iguais perante a lei. Orgulho: igualdade perante a lei.

Políticos, juízes e empresários corruptos sendo presos e condenados à prisão e obrigados a devolver o fruto do malfeito. A papuda virou pensão dos papudos. Houve um momento de absoluta fé na lei e na ordem democrática. Até que forças satanistas, empalmadas pela sedução dos corruptores e nos comunistas, apascentou o ninho mórbido dos urubus. Os urubus abomináveis que têm se banqueteado com o pão de sangue do nosso povo, e saciado sua sede voraz de poder com as lágrimas de frustração das famílias cristãs do Brasil.

Os abutres traíram o povo honrado da pátria amada. Anularam, isto mesmo, anularam as sentenças e condenações dos poderosos, apanhados na Lava Jato. Soltaram os corruptos. Destruíram no coração de nossa gente o credo na Justiça. O que dizer a nossos filhos? O que? Traíram a boa fé do povo. Acumpliciaram-se aos gatunos. Desonraram a sagrada balança e a varonil espada. O que dizer a nossos filhos e netos? Basta! Há que haver um ponto final a esse estado tematológico de monstruosidades jurídicas. Xô urubus! Vocês traíram o povo do Brasil. Traíram nossa nação. Traíram a pátria amada. Escarneceram do espírito santo, pois defraudaram a nossa fé. Supremo é o povo. Sete de setembro rugirá a nossa indignação. Xô urubus! Vão pousar noutra comarca.

Roberto Jefferson”

Poder 360