Ex-estagiária do STF é alvo de buscas e presta depoimento na PF - Informativo Atitude

Ex-estagiária do STF é alvo de buscas e presta depoimento na PF

A ex-estagiária do STF (Supremo Tribunal Federal) Tatiana Garcia Bressan foi alvo de buscas e apreensões pela PF (Polícia Federal) nesta 5ª feira (7.out.2021). A diligência foi autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, que na 4ª feira (6.out) havia determinado que agentes ouvissem a ex-funcionária. Tatiana presta depoimento nesta tarde na Superintendência da PF em Brasília.

Mensagens obtidas pela Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado da PF e reveladas pelo jornal Folha de S.Paulo apontam que Tatiana Bressan teria atuado como “informante” do blogueiro Allan dos Santos, investigado no inquérito das fake news.

A ex-estagiária trabalhou no gabinete do ministro Ricardo Lewandowski de 19 de julho de 2017 a 20 de janeiro de 2019, período que antecede a abertura das investigações que miraram Allan dos Santos.

As mensagens foram colhidas a partir da quebra de sigilo telefônico de Allan dos Santos e são conversas do blogueiro com Tatiana que datam de 23 de outubro de 2018 a 31 de março de 2020.

O contato inicial é realizado por Tatiana, que fala com o blogueiro demonstrando interesse em trabalhar na equipe da deputada Bia Kicis (PSL-DF). Na 1ª conversa, ela diz que é estagiária de Lewandowski. “Fique como nossa informante lá”, escreveu Allan dos Santos. A estagiária então respondeu: “Será uma honra. Estou lá kkk”.

No mesmo diálogo, o blogueiro questionou a Tatiana o que ela via de mais “espantoso” no gabinete. A estagiária disse que os ministros do STF “decidem o que querem e como querem”. “Algumas decisões são modificadas porque alguém importante liga para o ministro”, disse Tatiana no complemento à resposta.

O Poder360 apurou que nos corredores do tribunal, há a preocupação com a proximidade entre uma ex-funcionária com o blogueiro, que é hoje investigado no inquérito das fake news. No entanto, as conversas divulgadas foram classificadas como “esdrúxulas” e “bobagem”. O motivo é simples: estagiários não possuem acesso a decisões, atos ou reuniões relevantes da Corte.

Tatiana Garcia Bressan disse à Folha de S.Paulo que nunca atuou como informante de Allan dos Santos. Segundo ela, a ligação com o blogueiro se deu porque ambos foram alunos do escritor Olavo de Carvalho. Ela disse que entrou em contato com Allan porque queria um emprego.

O gabinete do ministro Lewandowski afirmou, em nota, à Folha de S.Paulo que todas as decisões proferidas por ele “têm fundamentação constitucional e a eventual modificação delas ocorre por meio de recursos cabíveis, apresentados nos autos e julgados individual ou coletivamente”.

Ainda segundo a nota, “Lewandowski atende os telefonemas institucionais, principalmente vindos de autoridades da República. Na época mencionada, o general Villas Bôas era comandante do Exército Brasileiro”. O gabinete informou que a seleção de estagiários ocorre sob supervisão da Secretaria de Recursos Humanos do Tribunal.

Poder 360