DEMOCRACIA: Cortes na internet viram ‘tática de guerra’ de governos autoritários

Em 2020, 21 países suspenderam conexão; bloqueios serviriam para reprimir protestos e oposição, diz relatório

Jornalistas voluntários entrevistam vítimas da violência na comunidade de vila em Gujarat, na Índia, em dezembro de 2014 (Foto: Video Volunteers/Suzanne Lee)

Os estados birmaneses de Rakhine e Chin, que concentram a minoria étnica rohingya, sofreram seguidas interrupções na conexão desde junho de 2019.

Em Belarus, na Europa oriental, a internet ficou “fora do ar” por 61 horas após a sexta reeleição de Aleksander Lukashenko – presidente desde 1994, em agosto.

Na região indiana de Jammu e Caxemira, a internet ficou fora do ar por cerca de 18 meses em meio a manifestações contra o fim do status semiautônomo da região, de histórico separatista e maioria muçulmana.

O governo da Índia também tentou impedir protestos de agricultores, que reúnem milhões em todo o país, ao cortar a conexão de áreas da capital, Nova Délhi.

Também são comuns interrupções em Uganda e na Etiópia, ambos na África. Enquanto o presidente ugandês Yoweri Museveni, no poder desde 1986, reage contra a oposição após as eleições que lhe deram um novo mandato, a região etíope de Tigré segue ilhada por conflitos regionais que já se espalham por todo o país, comandado pelo premiê Abiy Ahmed.

Violações cresceram na pandemia

Além dos cortes de internet, 83 governos em todo o mundo usaram a pandemia para justificar violações aos direitos humanos, segundo levantamento da organização Human Rights Watch, da última quinta (11).

Houve ataques, detenções arbitrárias e assassinatos de jornalistas dissidentes em meio a protestos pacíficos. Na maioria dessas nações, meios de comunicação foram fechados e leis foram criadas para criminalizar o discurso de oposição.

Um exemplo é o Zimbábue, que introduziu a chamada Lei de Ordem da Saúde Pública ainda em março de 2020. O texto ameaça com 20 anos de prisão quem “noticiar informações falsas” sobre questões de saúde pública, informou a emissora Voice of Africa.

Outros países como China, Cuba, Egito, Rússia, Turquia, Venezuela, Vietnã e Bangladesh também geram preocupação por conta das crescentes violações registradas durante a pandemia.

Fonte: A Referência – Notícias Internacionais