CASOS DA VIDA: A esposa solitária e renegada que descobre como é bom ser desejada - Informativo Atitude

CASOS DA VIDA: A esposa solitária e renegada que descobre como é bom ser desejada 

Uma amiga me ligou depois de ler a respeito da solidão que relatamos de um marido. Ela contou as decepções do casamento e como acordou para a vida.

No início da relação, há 8 anos, só tinha uma coisa que incomodava, o marido dizer que “ajudava” nos afazeres domésticos. A renda era igual, os dois trabalhavam, porém o marido achava que ela tinha que lavar os pratos, colocar a mesa, fazer a faxina. Ele as vezes “ajudava”.

Nos 3 primeiros anos tudo estava maravilhoso, ela engravidou, teve o sonhado filho, no resguardo, estava toda maternal e o marido na farra. Teve um caso com a atendente da clínica.

Ela derrubada, com cheiro de leite e o bonitão sendo o gatão. A solidão tomou conta dela. Tentava ser sensual, o marido nem olhava. Mudou o cabelo, ele não olhou. Esqueceu datas do casamento e namoro, não comprou presente para o dia das mães. No aniversário deu uma máquina de lavar.

No dia que ela comprou uma calcinha fio dental ele reclamou, achou vulgar. Ela colocou silicone, fez uma lipo, mini-abdômen, ficou uma gata. O marido compareceu  2 vezes em 6 meses.

Até que um dia um colega de trabalho começou a fazer elogios, ela em um momento de carência caiu nos encantos. Isso equacionou o casamento dela. Está feliz com o marido e o amante. O marido é o pai do filho e companheiro de moradia. O amante faz ela feliz, a trata bem, coloca ela nas alturas.

Fonte: Blog do Gustavo Negreiros