Caso Karol: investigação aponta para participação de dois suspeitos

A Polícia Civil da Paraíba trabalha em conjunto com os agentes potiguares para descobrir os responsáveis pelo assassinato da adolescente Karolina Oliveira, 16 anos. As investigações apontam para a participação de pelo menos duas pessoas. O corpo da vítima foi encontrado sem roupas, na cidade paraibana de Capim, com marcas de estrangulamento e perfurações por faca.

A polícia analisa imagens de câmeras de segurança para tentar elucidar o crime. As imagens mostram um caminhão baú parando em um trecho de uma via pública, onde a adolescente passaria cinco minutos depois. O motorista desce do veículo e aparece nos vídeos como se estivesse procurando por alguém. Segundo a polícia, ele é considerado suspeito.

“A gente acredita na possibilidade de haver mais uma pessoa envolvida no crime porque quando nós encontramos o cadáver, nós observamos marcas no pescoço denotando que havia uma pessoa segurando a vítima pelo pescoço e outra possivelmente a violentando sexualmente”, afirma o delegado paraibano Tiago Cavalcanti.

As polícias do Rio Grande do Norte e da Paraíba somam esforços para concluir o inquérito do crime em até 30 dias e chegar aos suspeitos. A população pode contribuir fornecendo informações anônimas pelo Disque-Denúncia 181.

Estudante desapareceu na segunda-feira à noite

Na noite da terça-feira (6), a estudante Karolina Oliveira, 16 anos, que morava na cidade de Goianinha, distante 54 quilômetros de Natal, foi encontrada morta e despida em uma região de mata, no município de Capim, no estado da Paraíba.

Segundo a mãe da adolescente, Ednilda Fernandes, a filha saiu de casa na noite da segunda-feira (5) para imprimir um trabalho da escola em uma lan house e não voltou mais. O corpo de Karolina estava com diversas marcas de violência.

OP9