Bastidores da Política Interacional em…”Ditadura Cubana em Risco” - Informativo Atitude

Bastidores da Política Interacional em…”Ditadura Cubana em Risco”

Paraíso da esquerda brasileira, Cuba amarga pobreza, racionamentos de alimentos e muita repressão. O domingo foi de protestos na ilha comunista, porém a população é desarmada, fica muito mais fácil de ser reprimida.
Na torcida para que possam derrubar o regime de Miguel Días-Canel, sucessor dos irmãos Castro.

O POVO CONTRA O COMUNISMO 

Manifestantes foram às ruas em Cuba aos gritos de “liberdade” e “abaixo a ditadura” neste domingo (11). O agravamento da pandemia da Covid-19 e a situação econômica, a pior em 30 anos, motivaram as marchas que ocorreram na capital Havana e em outras cidades.

CORTE DE ENERGIA E RACIONAMENTO DE COMIDA 

Moradores também têm relatado cortes de eletricidade na ilha, severamente prejudicada pela redução do turismo. Outro fator que deixa o povo inconformado é o racionamento de comida é a falta de liberdade que o povo tem.

PEGOS DE SURPRESA 

Pegos de surpresa o governo cubano diz que a mobilização é de setores ligados aos Estados Unidos, interessados em desestabilizar o país.

Os protestos, divulgados nas redes sociais, começaram de forma espontânea pela manhã. Trata-se de um fato incomum no país governado pelo Partido Comunista, onde as únicas concentrações autorizadas costumam ser as do partido. As informações são da Agência France Presse.

PÁTRIA É VIDA

Gritando principalmente “Pátria e vida”, nome de música que distorce o lema castrista “Pátria ou morte” (veja mais abaixo), e também “Abaixo a ditadura” e “Não temos medo”, milhares de manifestantes marcharam pelas ruas de San Antonio de los Baños, uma pequena cidade de 50 mil habitantes a cerca de 30 km da capital Havana.

“Liberdade”, entoavam outras centenas em Malecón, na costa de Havana.

Outros protestos foram relatados e transmitidos ao vivo pelo Facebook ou Twitter, em todo o país, onde a internet móvel só chegou no fim de 2018.

COLOCADO A CULPA NOS ESTADOS UNIDOS

 

O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, fez um pronunciamento em que acusou os manifestantes de serem financiados pelos Estados Unidos e convocou militantes do Partido Comunista a enfrentá-los. O que o presidente cubano não enxerga, é o fato que seu regime já caiu em desgraça a muito tempo. Neste momento deve ter um monte de esquerdistas se roendo todo lendo essa matéria.