Pesquisa: 27% dos PMs apoiam “bolsonarismo radical” nas redes sociais - Informativo Atitude

Pesquisa: 27% dos PMs apoiam “bolsonarismo radical” nas redes sociais

Uma pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra que 27% dos PMs (Policiais Militares) do país interagiram de alguma forma com perfis de redes sociais classificados como “bolsonarismo radical” –declaradamente fãs ou militantes do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que atuam “independentemente do jogo político ou das instituições”. Na população em geral, esse o número cai para 17%.

O aumento da adesão ao chamado bolsonarismo radical entre os militares em 2021 saltou 29% em relação a 2020. O crescimento foi maior entre oficiais.

O diretor-presidente do Fórum, Renato Sérgio de Lima, explicou que a análise não foi feita sobre “manifestações cívicas”, mas sim em postagens que faziam “defesa da prisão de ministros do Supremo, do fechamento do Congresso e de outras pautas ilegais”.

Foi constatada maior influência bolsonarista em corporações militares. Na Polícia Civil, a adesão ao bolsonarismo cai consideravelmente, mas registra alta em relação ao ano anterior: de 9% em 2020 para 13% em 2021. Já na Polícia Federal, os apoiadores das pautas defendidas por Bolsonaro eram 13% em 2020 e agora são 17% em 2021.

Outro dado relevante é o fato de 23% dos oficiais da PM terem participado de ambientes radicalizados do bolsonarismo em 2021, ante 17% em 2020. Outros 21% dos oficiais interagiram com páginas consideradas como “políticos de direita, que estão dentro da institucionalidade do jogo político partidário”, descrita pelos pesquisadores como “bolsonarismo orgânico”. Somando os 2 tipos –extremados e orgânicos –, 44% dos oficiais da ativa interagiram com ambientes bolsonaristas.

Entre soldados a subtenentes, a presença em ambientes radicais é de 30%, ante 25% no ano anterior. Já o bolsonarismo orgânico está em 21%, ante 16% em 2020. Isso quer dizer que 51% apoiam as teses do presidente.

Os pesquisadores destacam que a interação de PMs nesses ambientes está relacionada com as manifestações de 7 de Setembro, em que estão sendo defendidos o impeachment de ministros do Supremo, o fechamento do Congresso e a instalação de uma ditadura. “É preciso alertar para os riscos, pois há políticos que exploram sem pudor essa fissura que se abre em busca de palanque para reeleição”, pontuou Lima.

METODOLOGIA
Os dados foram coletados do Portal da Transparência do governo federal e dos Estados. Depois, os pesquisadores selecionaram uma amostra de 651 usuários dos Facebook e do Instagram com cargos em instituições policiais.

Foram consideradas interações: compartilhamento, comentário e curtida em publicações das páginas analisadas.

O nível de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro é de 3%. O resultado do levantamento foi divulgado nesta 5ª feira (2.set.2021) pelo jornal O Estado de S. Paulo.

PROIBIDO
Na semana passada, o coronel da PMSP (Polícia Militar do Estado de São Paulo) Aleksander Lacerda foi afastado por indisciplina. Ele vinha fazendo publicações nas redes sociais convocando seguidores para a manifestação de 7 de Setembro. Em vídeo publicado em 20 de agosto, o militar disse que “o caldo vai entornar” e que “liberdade não se ganha, se toma”.

Lacerda também chamou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de “cepa indiana”; o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM) de “covarde”; e o secretário de Projetos e Ações Estratégicas do Governo de SP, Rodrigo Maia (sem partido), de “mafioso”.

O coronel também postou críticas e ofensas à atuação do STF (Supremo Tribunal Federal), do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e de seus ministros. “Sinto nojo do STF”, disse em uma publicação.

A maior parte dos coronéis da corporação e do Ministério Público afirma que a presença de policiais em manifestações de caráter político-partidário não é permitida pelo regulamento disciplinar. No entanto, bolsonaristas estão convocando os militares para os atos a favor do presidente.

Organizadores das manifestações consideram que o afastamento do coronel Aleksander é uma das motivações desse movimento, uma forma de mostrar repúdio à decisão. Os que defendem a ida ao ato alegam que os PMs têm direito à liberdade de expressão garantida pela Constituição.

“Querem ter o bônus de ser militar e o de ser civil ao mesmo tempo”, analisou Lima.

Poder 360