CULTURA: ‘Loira Suicida’, livro sobre a mulher diante do sexo e das drogas, enfim chega ao país

Publicado em 1992 e lançado agora no Brasil, o romance não pretende escapar à ficção com análises das relações humanas.

© Divulgação

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Há uma teoria para o fracasso dos casamentos heterossexuais nas páginas de “Loira Suicida”, de Darcey Steinke. Um personagem diz à protagonista Jesse, uma americana de 29 anos, que, se os homens ainda caçassem cervos ou ursos, a maioria estaria satisfeita com a esposa.

É que, segue a hipótese, tudo o que sobrou hoje em dia como alvo dos homens são as mulheres. “Eles caçam, eles matam”, explica o libanês hermafrodita Habee. “No momento em que o homem goza, ele já conseguiu o que precisava para se alimentar.

“Publicado em 1992 e lançado agora no Brasil, o romance não pretende escapar à ficção com análises das relações humanas. Se o faz, é puramente consequência da profundidade de Steinke, que, já à época, trazia conhecimento impressionante de psicanálise e feminismo.

O livro se tornou referência para mulheres que lutam por igualdade, e entrou para o rol da literatura transgressora dos anos 1990. “Acho que o sucesso é porque pude conceber uma personagem feminina meio fora de controle. E, mesmo que ela seja autodestrutiva, ela também é livre”, diz Steinke, em entrevista de sua casa, pelo Zoom.

“Como personagens, as mulheres precisam ser tão caóticas quanto os homens, ou os livros não serão interessantes. Tem que ser permitido criar uma personagem feminina com desejos eróticos, que é profundamente solitária, incrivelmente confusa. E não deve ser preciso ter de sempre empurrá-la para o casamento, como Jane Austen.

“Quando publicou “Loira Suicida”, Steinke tinha 30 anos. “Sempre que releio o livro penso: ‘Levem essa mulher para a terapia'”, brinca a escritora americana, hoje com 58.

Formada em escrita criativa, Steinke é filha de um pastor luterano. Ela lembra o dia em que ele leu sua obra mais famosa pela primeira vez. “Aquilo o balançou. Ele deve ter pensado ‘quem é minha filha?’. Tivemos algumas conversas tensas sobre isso.

Fonte: Noticias ao minuto