A Reforma de Providencia de Fátima em uma estratégia que não deu certo

Fátima Bezerra e o PT traçaram uma estratégia para aprovar o reforma da previdência. O plano era o menor desgaste possível da “chefa” do poder executivo com os servidores. Para isso, duas coisas eram importantes, transferir o desgaste para a Assembleia Legislativa e escalar alguém para negociar que não tivesse a cara do partido, o secretário de tributação Carlos Eduardo Xavier, o Cadú, que tem bom trânsito.

A AL percebeu a manobra e Cadú não tinha o poder da caneta, deu tudo errado. Deputados exigem que a governadora Fátima Bezerra defenda a ideia, além das lideranças do partido na AL, a estridente Isolda Dantas e o apático Francisco.

O ex-deputado Mineiro teve que entrar na parada, tenta ganhar prestígio com Fátima e sobreviver até 2022.

Conversei com alguns deputados, se Fátima quer mesmo a reforma da previdência vai ter que defender. Dizer ao RN a necessidade, porque é importante aumentar a alíquota de contribuição dos servidores.

Fátima ainda tem esperança que Mineiro resolva sem a participação efetiva dela, para isso deu carta branca para o companheiro negociar na AL.