Trinta famílias são retiradas de área de proteção ambiental

Cerca de 30 famílias tiveram que deixar o local onde estavam morando, na manhã desta quarta-feira (7), após decisão judicial. O grupo que estava no assentamento Comuna Marisa Letícia, numa área de proteção ambiental às margens da BR-406, em São Gonçalo do Amarante, teve que deixar as residências às 5h.

Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal, Secretaria de Urbanismo, Corpo de Bombeiros e Guarda Municipal de São Gonçalo estiveram presentes para cumprir a determinação da Justiça. As famílias estavam morando em barracos no local havia 45 dias. A ordem era que dentro do prazo de uma hora fosse desocupado todo o terreno.

O Ministério Público do Estado afirmou que a desocupação da área foi determinada pelo Poder Judiciário, a pedido do MPRN. De acordo com o órgão, a ocupação no local é ilegal, sendo uma agressão ao meio ambiente. “A prática de queimadas e desmatamentos na área são danos concretos tanto para a vegetação quanto para a nascente do Rio Golandim”, explicou o Ministério Público em nota.

A ordem judicial é pela desocupação da área denominada de Parque Natural Municipal das Nascentes do Rio Golandim. Segundo o MP, também foi determinada a retirada de todos os barracos e a demolição de quaisquer construções ilegalmente realizadas. Segundo a determinação judicial, o Município de São Gonçalo do Amarante deverá providenciar a fiscalização da área de preservação permanente para evitar novas invasões.

OP9