“Nordeste é solução para Brasil”, diz presidente da FIERN

O presidente do Sistema FIERN, Amaro Sales de Araújo, fez uma enfática defesa dos interesses da indústria potiguar e do Nordeste, durante solenidade da Confederação Nacional da Indústria, que homenageou o presidente da República, Jair Bolsonaro, nesta quarta-feira (11), em Brasília. Bolsonaro foi agraciado com o Grande Colar da Ordem do Mérito Industrial – a mais importante homenagem prestada a autoridades pela indústria brasileira. O encontro reuniu cerca de 650 empresários, integrantes de federações e associações setoriais da indústria, na sede da CNI.

A comenda foi entregue pelo presidente da CNI, Robson Braga, e a chancela pelo presidente Amaro Sales, que também é secretário geral da CNI.

Falando em nome da região Nordeste, o presidente da FIERN e da Associação Nordeste Forte, defendeu a retomada de investimentos públicos em projetos estruturantes de segurança hídrica, como a transposição das águas do Rio São Francisco, de infraestrutura logística, como a ferrovia Transnordestina, e um novo olhar para os negócios da região. E ressaltou a importância da articulação institucional do Sistema Indústria com a Presidência da República, sobretudo, quando o País retoma o esforço do desenvolvimento econômico.

“O Nordeste não é problema. O Nordeste é solução para o Brasil”, frisou o presidente do Sistema FIERN, em seu discurso. Apenas cinco presidentes de Federações da Indústria, cada um representando sua região, apresentaram os pleitos ao presidente da República.

Para Amaro Sales, alternativas que passam pelas reformas, privatizações, concessões públicas e outros instrumentos de parceria público-privada são decisivas para consolidar o crescimento econômico e merecem apoio e empenho da classe empresarial e da sociedade. “O aparelho estatal precisa respirar e investir; a iniciativa privada precisa ter segurança jurídica para também investir. Juntos, Estado e empreendedores, revigoram o ciclo virtuoso da economia”, afirmou.

A indústria nordestina, explica o presidente da FIERN, reconhece o esforço do governo federal para desburocratizar procedimentos que inibem a atividade produtiva. “São procedimentos burocráticos que travam a produtividade das empresas e nada colaboram para o desenvolvimento social do País. Esperamos que continuem”, afirmou.

ROBSON PIRES