Morre atendente de lanchonete atacada com ácido sulfúrico

Depois de 21 dias internada no Hospital da Restauração (HR), a atendente de lanchonete Mayara Estefanny Araújo, de 19 anos, vítima de uma ataque com ácido no bairro de Nova Descoberta, Zona Norte do Recife, faleceu na noite da quinta-feira (25). Segundo familiares o enterro do corpo de Mayara deve acontecer em Limoeiro, no Agreste do estado, mas ainda sem horário marcado.

Mayara sofreu queimaduras graves em 38% do corpo. As lesões foram provocadas por uma substância corrosiva — provavelmente ácido sulfúrico — lançada pelo ex-companheiro dele, William César dos Santos Júnior, de 30 anos. Ele teve a ajuda de um amigo, identificado como Paulo Henrique Vieira dos Santos, 23 anos, que segurou a mulher. O crime ocorreu no dia 4 de julho.

Os dois suspeitos passaram por audiência de custódia e receberam ordem de prisão preventiva decretada pela Justiça. Ambos foram indiciados por tentativa de feminicídio contra a atendente mas, com a morte de Mayara, o enquadramento agora será convertido para crime consumado. Os dois seguem no Centro de Observação e Triagem Everaldo Luna (Cotel).

No boletim mais recente divulgado pelo HR, a unidade havia afirmado que Mayara apresentava boa evolução clínica, com bom nível de consciência quando retirada a sedação e cicatrização satisfatória dos tecidos lesionados.

No entanto, a traqueostomia — cirurgia que ajudaria a mulher a respirar sem a ajuda de aparelhos — ainda não havia sido realizada. O procedimento não foi possível porque o tecido da região do pescoço, gravemente afetado — ainda não permitia a operação.