ACUSADO DE MATAR EX-MULHER GRÁVIDA É CONDENADO A 31 ANOS DE PRISÃO EM MOSSORÓ

O júri popular do Fórum Municipal Desembargador Silveira Martins em Mossoró, condenou nesta quinta-feira (12), Fredson Daizio de Freitas Silva, de 26 anos, a 31 anos e dois meses de prisão pela morte da ex-mulher grávida, Paula Cristina, em novembro de 2018.
 
Segundo a sentença, Fredson foi condenado pelos crimes de homicídio qualificado, sem chances de defesa da vítima e feminicídio, aborto doloso e modificação da cena do crime. Paula Cristina foi morta com 45 facadas. 
De acordo com o Ministério Público o crime teria acontecido após uma discussão e o réu simulou o suicídio da ex-companheira. O corpo dela foi encontrado em casa no bairro Belo Horizonte. A vítima foi achada com uma faca na mão, o que indicaria a hipótese de suicídio.
 
Mas essa tese foi logo descartada porque os técnicos do Instituto Técnico-Cientifico de Perícia (Itep) identificaram que as facadas tinham pouca chance de terem sido causadas pela própria vítima. O principal sinal disso eram as lesões nas mãos e nos braços, indicando que ela tentou se defender de quem a atacou. As investigações revelaram que na realidade Fredson Daizio de Freitas Silva teria cometido o crime. Após o assassinato, ele “plantou” a arma do crime na mão da ex-companheira.
 
Na manhã após o assassinato, o suspeito ainda fingiu procurar a vítima e avisou à família dela sobre uma suposta intenção de suicídio. Depois disso ele ainda foi ao enterro da ex-mulher. Passados dois dias, ele confessou o crime.