Realidade: “Lula foi poupado de uma derrota”, diz Moro sobre 2018 - Informativo Atitude

Realidade: “Lula foi poupado de uma derrota”, diz Moro sobre 2018

O ex-juiz e ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, disse à CNN nesta 3ª feira (3.nov.2021) que não acredita que o ex-presidente Lula (PT) teria vencido as eleições de 2018.

“Tanto que [Lula] apresentou um candidato [Fernando Haddad] que usava sua máscara de papel e mesmo assim ele perdeu”, disse, afirmando que havia uma memória da sociedade brasileira sobre os “históricos de corrupção do PT”.

Ao comentar sobre o ex-presidente ser citado como “preso político” por parte da imprensa internacional, Moro chamou a descrição como uma “versão alternativa”.

O ex-ministro explicou, à CNN, que proferiu “uma sentença contra o presidente em 2017, baseado em provas, em fatos e na lei”. Moro afirmou que nunca teve nenhuma animosidade pessoal em relação ao ex-presidente.

“Eu fazia o meu trabalho como juiz. E tomei essa decisão com consciência tranquila. É isso que determinava as provas”.

Moro também descreveu como “erro do Judiciário” a anulação pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), de todas as decisões tomadas pela 13ª Vara de Curitiba nas ações penais contra o petista.

LULA X NICARÁGUA
O ex-ministro também disse que considera “preocupante quando se flerta com o autoritarismo”. Fez referência a declaração de Lula quando comparou no último sábado (20.nov.2021), em entrevista ao El País, o tempo de governo de Daniel Ortega, presidente da Nicarágua, a Angela Merkel, chanceler da Alemanha, e Felipe González, ex-presidente da Espanha.

Lula questionou: “Por que Angela Merkel pode ficar 16 anos no poder e Daniel Ortega não? Por que Felipe González pode ficar 14 anos no poder? Qual a lógica?”.

MORO NO SENADO
Recém filiado ao Podemos, Moro foi nesta 3ª feira (23.nov.2021) ao Senado defender a proposta de congressistas do partido para o pagamento do Auxílio Brasil sem furar o teto de gastos. Segundo o pré-candidato da legenda ao Planalto, é possível conciliar responsabilidade social e responsabilidade fiscal.

O ex-ministro falou também contra a PEC dos Precatórios. O encontro foi em frente à presidência do Senado.

Moro disse que o projeto do governo poderá trazer “efeitos colaterais” para a economia do país. O ex-ministro estava acompanhado da presidente do Podemos, deputada Renata Abreu (SP), e de senadores do partido.

“Não vamos fechar os olhos para as consequências do rompimento do teto de gastos. Vai gerar aumento da inflação, que será respondido pelo BC (Banco Central) com aumento de juros”, declarou.

“O Podemos no Senado é absolutamente favorável ao combate à pobreza. Não há como não ter compaixão pelos brasileiros que infelizmente passam fome por desemprego e política econômica equivocada”, afirmou.

Integrante do governo Jair Bolsonaro por 1 ano e 4 meses, Moro disse que as promessas da política econômica de respeito ao teto de gastos, responsabilidade fiscal e crescimento “não foram realizadas”. Também citou como um equívoco da área a perda da credibilidade fiscal que, segundo ele, leva ao aumento da inflação e diminui o poder de compra da população.

Poder 360