Magistrados ainda recebem pagamento acima do teto mesmo com retirada do auxílio-moradia

Uma pesquisa realizada pelo partido Novo, aponta que, mesmo após o fim do pagamento generalizado do auxílio-moradia, 65% dos magistrados no país ainda recebem acima do teto em 2019. Ainda, em 13 de setembro deste ano, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou mais um “penduricalho” para aumentar salários dos servidores e magistrados.

Com o auxílio-saúde, juízes no Brasil ficarão muito próximos de ganhar o teto, que é de R$ 39,3 mil mensais, mais do que o salário do presidente da República, de R$ 30.900,00. O dinheiro poderá ser usado para pagar médicos, hospitais, planos de saúde, dentista, psicólogo e até os remédios comprados na farmácia.

O levantamento do Novo analisou mais de 200 mil contracheques, inclusive de juízes estaduais. A pesquisa exclui os meses de janeiro e julho deste ano para evitar resultados inflado por quem “furou” o teto com o terço de férias. Em relação aos juízes estaduais, 77% ultrapassam o teto de R$ 35,5 mil.

O porcentual da pesquisa já considera uma margem de R$ 1 mil, para excluir aqueles que passam do limite por auxílios menores, como o de alimentação. Na advocacia pública, que inclui advogados da União e procuradores federais, o percentual é bem menor, de 15%.

O Estado de S. Paulo