VEJA O VÍDEO: Justiça condena empresário a indenizar PM em R$ 25 mil por chamá-lo de ‘lixo’ em Alphaville - Informativo Atitude

VEJA O VÍDEO: Justiça condena empresário a indenizar PM em R$ 25 mil por chamá-lo de ‘lixo’ em Alphaville


 

O juiz José Maria Alves de Aguiar Júnior, da 2ª Vara judicial de Santana de Parnaíba, na Grande SP, condenou o empresário Ivan Storel ao pagamento de indenização de R$ 25 mil em razão do episódio em que xingou e ameaçou policiais militares que foram até sua residência no Condomínio Alphaville 5, em junho de 2020, para atender uma ocorrência de violência doméstica.

O magistrado se referiu ao episódio como ‘lamentável’ e ‘moralmente execrável’ e ressaltou que a conduta do empresário devia ser repreendida. “Aqui não se tem diligência cotidiana, sujeita a riscos e hostilidades naturais da profissão, para os quais os policiais militares estão treinados e inerentes ao exercício da profissão. Aqui há dano invulgar, de pessoa letrada, com grande poder aquisitivo e que não possuía qualquer justificativa para atacar verbalmente os policiais como atacou”, ressaltou o juiz na sentença.

A decisão foi publicada nessa sexta, 1º, acolhendo parcialmente o pedido de um dos policiais ofendidos por Storel. O PM requeria R$ 50 mil pelos danos morais sofridos em razão do episódio que também é analisado em uma ação penal. Nela, o empresário é acusado de desacato a funcionário público e oposição à execução de ato legal.

Relembre o caso

Morador de Alphaville, condomínio de alto padrão na Grande São Paulo, Storel apareceu em um vídeo que circulou nas redes sociais dizendo que ganha “R$ 300 mil por mês”, ameaçando agredir policiais militares, os xingando de “lixo” e outros palavrões.

Na ocasião, os policiais militares José Edson Ferreira, Daniel Dias do Nascimento e Gesica Marcia de Oliveira Desanti compareceram à residência do empresário para atender ocorrência feita pela esposa dele, que estaria sendo ameaçada. Ao chegarem no local, os policiais foram desacatados e ameaçados pelo denunciado.

Com informações de g1 e Estadão Conteúdo