A LEI DO RETORNO: Ataque com drones matou dois membros do Estado Islâmico e deixou um terceiro ferido no Afeganistão afirma exército dos EUA - Informativo Atitude

A LEI DO RETORNO: Ataque com drones matou dois membros do Estado Islâmico e deixou um terceiro ferido no Afeganistão afirma exército dos EUA

Inicialmente, os EUA afirmaram que haviam atacado um “planejador” no Afeganistão. Militares norte-americanos disseram, logo após o ataque, que havia indicações de que eles haviam conseguido matar a pessoa que tinham como alvo.

Moradores da cidade de Jalalabad, capital de Nangarhar, afirmaram ter ouvido explosões de um ataque aéreo por volta da meia-noite, mas não era possível dizer qual era a origem.

Um comandante do Talibã afirmou que alguns membros do Estado Islâmico-Khorasan foram presos em conexão com o ataque em Cabul.

EUA vão atacar quando quiserem

Os líderes do Pentágono disseram aos repórteres na sexta-feira que estavam preparados para qualquer ação de retaliação que o presidente ordenasse.

“Temos opções lá agora”, disse o Maj. Gen. Hank Taylor, do Estado-Maior Conjunto do Pentágono.

Também na sexta, o governo norte-americano pediu a seus cidadãos que deixem “imediatamente” os portões do aeroporto de Cabul. O Pentágono disse que a arriscada operação de evacuação dos americanos e aliados afegãos seguia enfrentando “ameaças específicas e confiáveis”.

“Os cidadãos americanos que estão agora no portão de Abbey, no portão Leste, no portão Norte ou no portão do Novo Escritório do Interior devem sair imediatamente”, informou a embaixada dos Estados Unidos em Cabul em um alerta de segurança.

Estado Islâmico-K x Talibã

O Estado Islâmico-Khorasan , também conhecido por sua sigla em inglês, Isis-k, é o braço afegão do Estado Islâmico. “Khorasan” é um nome histórico da região que inclui partes de onde ficam atualmente Paquistão, Irã, Afeganistão e Ásia Central.

O EI-K reivindicou alguns dos ataques mais violentos dos últimos anos no Afeganistão e no Paquistão.

O grupo massacrou civis nos dois países em mesquitas, santuários, praças e até hospitais, além de ter executado ataques contra muçulmanos de alas que considera hereges – em particular os xiitas.

Embora o EI-K e os Talibãs sejam militantes islâmicos sunitas de linha dura, também são rivais e divergem em temas de religião e estratégia. Cada um diz representar a verdadeira bandeira da Jihad.

As divergências provocaram confrontos sangrentos, dos quais os talibãs geralmente saíram vitoriosos desde 2019, quando o EI-Khorasan foi incapaz de controlar um território como fez seu grupo parente no Oriente Médio.

Em um sinal de inimizade entre os grupos jihadistas, os comunicados do EI se referem aos talibãs como apóstatas

G1