TRAIÇÃO OU ESPIÃO? Israel vai apurar como Hamas descobriu segredos do Exército antes de ataque - Informativo Atitude

TRAIÇÃO OU ESPIÃO? Israel vai apurar como Hamas descobriu segredos do Exército antes de ataque

Documentos de planeamento do Hamas, vídeos do ataque e entrevistas com responsáveis de segurança mostram que o grupo tinha uma compreensão surpreendentemente sofisticada de como os militares israelenses operavam, onde estacionavam unidades específicas e até mesmo do tempo que demoraria a chegar os reforços a partir do momento que lançassem uma ofensiva terrorista como a de 7 de outubro.

Os militares israelenses dizem que, uma vez terminada a guerra, irão investigar como o Hamas conseguiu violar as suas defesas tão facilmente.

Mas quer as forças armadas tenham sido descuidadas com os seus segredos ou infiltradas por espiões, as revelações já enervaram responsáveis e analistas que questionaram como é que os militares israelenses puderam inadvertidamente revelar tanta informação sobre as suas próprias operações.

O ataque destruiu a aura de invencibilidade de Israel e provocou um contra-ataque a Gaza que matou mais de 1.900 palestinos numa semana. Também derrubou as suposições de que o Hamas, há muito designado como grupo terrorista por Israel e por muitas nações ocidentais, tinha gradualmente ficado mais interessado em governar Gaza do que em usá-la para lançar grandes ataques contra o estado judeu.

O Hamas fez os israelenses pensarem que estava “ocupado em governar Gaza”, disse Ali Barakeh, um líder do Hamas, numa entrevista televisiva na segunda-feira. “O tempo todo, por baixo da mesa, o Hamas preparava-se para este grande ataque”, acrescentou.

As imagens das câmaras montadas na cabeça dos homens armados, incluindo o vídeo do ataque ao centro de inteligência, mostraram extremistas do Hamas destruindo as barricadas de várias bases na primeira luz da manhã.

Após a invasão, eles foram impiedosos, atirando em alguns soldados que estavam em suas camas, com roupas íntimas. Em diversas bases, eles sabiam exatamente onde estavam os servidores de comunicações e os destruíram, segundo um alto oficial do exército israelense.

Com grande parte dos seus sistemas de comunicação e vigilância desligados, os israelenses muitas vezes não conseguiam ver os comandos se aproximando. Foi mais difícil pedir ajuda e montar uma resposta. Em muitos casos, não conseguiram proteger-se a si próprios, muito menos às aldeias civis vizinhas.

‘Mapa complexo, código de cores’


Dez homens armados de Gaza sabiam exatamente como encontrar o centro de inteligência israelense – e como entrar nele. Depois de entrarem em Israel, dirigiram-se para leste em cinco motocicletas, com dois homens armados em cada veículo, disparando contra carros civis que passavam enquanto avançavam.

Dezesseis quilômetros depois, eles saíram da estrada e entraram em um trecho de floresta, desmontando do lado de fora de um portão não tripulado que levava a uma base militar. Eles explodiram a barreira com uma pequena carga explosiva, entraram na base e pararam para tirar uma selfie em grupo. Depois mataram a tiros um soldado israelense desarmado, vestido com uma camiseta.

Por um momento, os terroristas pareceram incertos sobre o próximo passo. Então um deles tirou algo do bolso: um mapa do complexo com código de cores.

Reorientados, eles encontraram uma porta destrancada para um edifício fortificado. Uma vez lá dentro, eles entraram em uma sala cheia de computadores – o centro de inteligência militar. Debaixo de uma cama no quarto, encontraram dois soldados abrigados. Os pistoleiros mataram os dois a tiros.

Essa sequência foi capturada por uma câmera montada na cabeça de um atirador que mais tarde foi morto. O New York Times revisou as imagens e depois verificou os acontecimentos entrevistando autoridades israelenses e verificando também o vídeo militar israelense do ataque.

Os registros fornecem detalhes de como o Hamas, a milícia que controla a Faixa de Gaza, conseguiu surpreender e enganar os militares mais poderosos do Oriente Médio no último sábado – invadindo a fronteira, invadindo mais de 77 mil quilômetros quadrados, fazendo mais de 150 reféns e matando mais de 1.300 pessoas no dia mais mortal para Israel nos seus 75 anos de história.

Com um planeamento meticuloso e uma consciência extraordinária dos segredos e fraquezas de Israel, o Hamas e os seus aliados dominaram toda a extensão da frente de Israel com Gaza pouco depois do amanhecer, chocando uma nação que há muito considera a superioridade dos seus militares como um artigo de fé.

Utilizando drones, o Hamas destruiu torres importantes de vigilância e comunicação ao longo da fronteira com Gaza, impondo vastos pontos cegos aos militares israelense. Com explosivos e tratores, o Hamas abriu brechas nas barricadas fronteiriças, permitindo a passagem de 200 homens na primeira onda e outros 1.800 mais tarde naquele dia, dizem as autoridades. Em motociclos e em camionetas, os agressores invadiram Israel, dominando pelo menos oito bases militares e realizando ataques terroristas contra civis em mais de 15 aldeias e cidades.

Documento de planejamento do Hamas


Um documento de planeamento do Hamas – encontrado pelas equipas de emergência israelenses numa aldeia – mostrou que os atacantes estavam organizados em unidades bem definidas, com objetivos e planos de batalha claros.

Um pelotão designou navegadores, sabotadores e motoristas – bem como unidades de lançamento de morteiros na retaguarda para fornecer cobertura aos invasores, mostra o documento.

O grupo tinha um alvo específico – um kibutz – e os atiradores foram encarregados de atacar a aldeia de ângulos específicos. Eles tinham estimativas de quantas tropas israelenses estavam estacionadas em postos próximos, quantos veículos tinham à sua disposição e quanto tempo levariam as forças de socorro israelenses para alcançá-los.

O documento é datado de outubro de 2022, sugerindo que o ataque estava planejado há pelo menos um ano. Em outros lugares, outros agressores foram destacados para entroncamentos rodoviários importantes para emboscar reforços israelenses, de acordo com quatro oficiais superiores e autoridades.

Algumas unidades tinham instruções específicas para capturar israelenses para utilização como moeda de troca em futuras trocas de prisioneiros com Israel.

“Tomar soldados e civis como prisioneiros e reféns para negociar”, dizia o documento.

O Globo com The New York Times

 

 

About The Author