RN envia militares, helicóptero e barcos para ajudar em buscas e salvamentos na Bahia - Informativo Atitude

RN envia militares, helicóptero e barcos para ajudar em buscas e salvamentos na Bahia

Helicóptero Potiguar I, do Rio Grande do Norte, participa de buscas e salvamentos na Bahia — Foto: Cedida

O Governo do Rio Grande do Norte enviou neste domingo (26) equipes de salvamento e resgate, além de equipamentos, para se somarem aos profissionais de outros estados nas operações de ajuda às vítimas dos alagamentos causados pelas fortes chuvas na Bahia.

De acordo com o Executivo estadual, militares do Corpo de Bombeiros e militares da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) já estão em Ilhéus.

Foram enviados 10 policiais do Ciopaer e 8 bombeiros militares, além do helicóptero Potiguar 01, três picapes e dois botes equipados com motor para salvamento.

Segundo a Secretaria Estadual de Segurança Pública do Rio Grande do Norte, o helicóptero, com cinco tripulantes, saiu no início da manhã deste domingo (26), fez uma parada no estado de Alagoas para reabastecer e seguiu para Ilhéus.

Outros cinco policiais do Ciopaer embarcaram na madrugada de domingo, em uma caminhonete, levando parte dos equipamentos para operações de salvamento. E outras duas caminhonetes do Corpo de Bombeiros Militar do RN também levaram dois botes de alumínio.

Segundo o governo da Bahia, mais de 430 mil pessoas foram afetadas pelas enchentes nos últimos dias. Até a noite de domingo (26), o estado também registrava 16.001 desabrigados, 19.580 desalojados, dois desaparecidos e 18 mortos.

O governador da Bahia, Rui Costa, assinou neste domingo (26) um decreto que incluiu 47 cidades na lista de municípios em situação de emergência em decorrência das chuvas intensas que atingem a Bahia. Com isso, o estado passou a ter 72 com a medida vigente.

As chuvas que atingem o estado nordestino causaram o rompimento de duas barragens e a morte de mais uma pessoa neste fim de semana.

Segundo o governador do estado, 37 dos 417 municípios do estado têm comunidades inteiras debaixo d’água.

G1 RN