Queiroz e preso no Rio, mas assessores dos deputados do PT e PDT que movimentaram milhões continuam impunes

Segundo informações do G1, ele estava no imóvel do advogado do parlamentar, Frederick Wassef. Os mandados de busca e apreensão foram expedidos em uma desdobramento da investigação do esquema de “rachadinhas” na Assembleia do Rio de Janeiro.

A prisão foi feita numa operação da Polícia Civil e o Ministério Público de São Paulo.

De acordo com o relatório do Coaf, o então assessor movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e o mesmo mês de 2017. Da mesma conta, saíram R$ 24 mil depositados em uma conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Relembre movimentações
Fabrício trabalhou por mais de dez anos como segurança e motorista de Flávio Bolsonaro. Ele recebia da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) um salário de R$ 8.517 e acumulava rendimentos mensais de R$ 12,6 mil da Polícia Militar. Queiroz foi exonerado do gabinete de Flávio na Alerj em outubro de 2018.

Uma análise na movimentação financeira de Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-assessor do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL) na Assembleia Legislativa do Rio, mostrou indícios de que pelo menos uma funcionária pode ter depositado em sua conta o equivalente a quase tudo que recebeu na Casa no período agora sob investigação. Foi esse o caso de Nathalia Melo de Queiroz, filha do ex-servidor que, no período investigado, repassou a ele R$ 97.641,20, hipotético crédito mensal médio de R$ 7.510,86.

A quantia equivale a 99% do pagamento líquido da Alerj a Nathalia em janeiro de 2016, segundo a folha salarial do Legislativo fluminense. Como não há dados sobre a movimentação financeira total de Nathalia, não é possível dizer com certeza que o dinheiro teve como origem exclusivamente os pagamentos da Alerj.

A LEI NÃO FUNCIONA PARA  ELES

No gabinete do presidente em exercício da Alerj, deputado André Ceciliano (PT), quatro servidores movimentaram R$ 49 milhões. São eles: Elisangela Barbieri; Carlos Alberto Dolavale, Benjamim Barbieri e Ana Paula Pereira Alves. 30 vezes mais do que Fabricio Queiroz.

PAULO RAMOS

Já no gabinete do depoutado Paulo Ramos (PDT), a movimentação chegou a R$ 30 milhões em contas de cinco servidores:Edson Fortes Rangel; Luiz Felipe Conde; Alba Lil Porto Pinkusfeld; Eduardo Travassos Correa e Letícia Domingos de Assis.