O sinal analógico de TV começa a ser desligado hoje (5) em municípios das regiões Nordeste, Norte, Centro-Oeste, Sul e Sudeste. A medida vai atingir cerca de 80 municípios. De acordo com o Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (Gired), responsável por acompanhar o desligamento do sinal analógico no país, o prazo vai até o dia 12 deste mês no caso de alguns municípios.

O grupo decidiu estender os prazos onde ainda não foi atingido o percentual mínimo de 90% dos domicílios com sinal digital. Segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que coordena o Gired, “a análise da curva de tendência dos municípios que ainda não atingiram a condição para o desligamento permite concluir que o percentual necessário poderá ser alcançado em poucos dias”.

Entre as cidades que terão o sinal analógico de TV desligado estão: Campina Grande (PB), Feira de Santana (BA), Uberaba (MG) e Vitória da Conquista (BA), com desligamento no dia 5; Blumenau (SC), Caruaru (PE), Imperatriz (MA), Rondonópolis (MT), Santa Maria (RS), Uberlândia (MG), Jaraguá do Sul (SC), Joinville (SC) e Juiz de Fora (MG), onde o desligamento termina 17; Dourados (MS), Governador Valadares (MG), Mossoró (RN), Marabá (PA), Parnaíba (PI) e Petrolina (PE), cujo desligamento termina no domingo (09).

No último dia 28, foi desligado o sinal analógico no oeste do Paraná e sul do Rio Grande do Sul. Na mesma data, teve início o desligamento no interior do Rio de Janeiro e no interior de São Paulo, cujo término está marcado para 12 de dezembro.

Com o desligamento do sinal analógico, haverá a liberação da faixa de 700 MHz, atualmente ocupada por canais de TV aberta. Essa frequência será utilizada para ampliar o serviço de telefonia e internet de quarta geração (4G) no Brasil.

Antes da liberação, será feita uma campanha de mitigação para informar a população sobre como agir em caso de interferência do sinal da banda larga móvel na TV aberta digital. O período de mitigação dura, em média, 30 dias. Após o término desse processo, a Anatel libera o uso da faixa de 700 MHz.

Informações e foto da Agência Brasil

Assecom/GovernoCidadão – Novos equipamentos informática estão sendo entregues às unidades de delegacia móvel do Estado. Todas as 23 unidades receberam um kit com lanterna, notebook, monitor, moldem para internet e tablet. Os investimentos somam das 23 bases móveis somam 5,9 milhões mais R$ 125 mil dos equipamentos de informática, ambos são oriundos do Governo Cidadão, por meio do Acordo de Empréstimo com o Banco Mundial.

As bases móveis foram entregues em abril deste ano às entidades de segurança pública dos municípios de Natal, Parnamirim, Mossoró, Caicó, Pau dos Ferros, Nova Cruz, Assú e Macaíba.

“Primeiro adquirimos as bases móveis das polícias, agora equipamos com tecnologia. Esses investimentos em segurança preventiva permite um policiamento na rua capaz de resolver os problemas da população”, comenta Vagner Araújo- sec. de Gestão Metas e Projetos e coordenador do Projeto Governo Cidadão.

Além de tratar das questões policiais, as unidades também servem como ponto estratégico para o contato com outras unidades de segurança pública. A partir delas, é possível entrar em contato com o corpo de bombeiros, SAMU, STTU, entre outras instituições.

Segundo o Cap. Couceiro, coordenador da Ronda Cidadã, as bases móveis são uma nova ferramenta para substituir as delegacias fixas. “Dessa forma, a polícia se aproxima da população e consegue garantir uma melhor atividade na manutenção da segurança das ruas”, explica.

Com os novos equipamentos de TI, as vans terão acesso às câmaras de monitoramento, internet, arquivo e tudo o que for necessário para agilizar a atividade dos policiais e o acesso da população.

“As bases são multifuncionais e se localizam em localidades inteligentes, sejam pela quantidade de fluxo de pessoas, sejam pela quantidade de ocorrências policias. Esses novos equipamentos, unidos à estrutura oferecida pela unidade móvel, ajudaram as bases na hora de cumprir seu dever para com a sociedade”, completa o secretário da Sethas e coordenador do Projeto Governo Cidadão Vagner Araújo.

SESED/ASSECOM – Policiais civis da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM) de Mossoró com o apoio da Polícia Militar prenderam em flagrante, na manhã desta terça-feira (04), Douglas Henrique da Silva Galdino, de 21 anos, natural de Mossoró. Ele foi preso por praticar violência doméstica contra sua ex-companheira, que é menor de idade, no bairro das Malvinas.

Além de cometer os crimes de lesão corporal e ameaça, Douglas também descumpriu as medidas protetivas determinadas pelo juizado de Violência Doméstica. Devido aos fatos, a autoridade policial não arbitrou fiança e determinou a prisão preventiva do homem.

Após a lavratura do auto de prisão, Douglas foi conduzido para a Cadeia Pública de Mossoró, onde ficará à disposição da justiça.

Governadores eleitos da região Nordeste se reuniram nesta terça-feira (4) com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para debater a possibilidade de votação de propostas que reduzam a crise fiscal dos estados.

Um dos projetos discutidos é o que trata da securitização das dívidas estaduais, mecanismo que permitiria aos governadores receber dinheiro dos bancos agora, mas dando às instituições financeiras em troca o direito de cobrar quem deve impostos, taxas, multas e outros compromissos com os governos estaduais e municipais (PLP 459/17).

O texto autoriza a União, os estados, o Distrito Federal e os municípios a cederem, com ônus, os direitos originados de créditos tributários e não tributários, inclusive inscritos em dívida ativa, ou seja, permite que os estados vendam os créditos que têm a receber.

A proposta já foi aprovada pelo Senado e aguarda inclusão na pauta do Plenário da Câmara, onde tramita em regime de urgência.

Agência Câmara Notícias

Autoridades de 30 municípios do RN participaram do evento.

O município de Macaíba sediou o segundo encontro do Núcleo de Apoio aos Municípios para a Educação Integral (NAMEI), nesta terça-feira (4). O evento foi realizado no auditório da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ) e teve como objetivo discutir a educação integral, orientações sobre a implantação desta política e o planejamento para os próximos encontros do tema.

Representantes de 30 municípios potiguares estiveram presentes no encontro, entre eles Tangará, Parnamirim, Macau, Monte Alegre, João Câmara entre outros. O prefeito Fernando Cunha prestigiou o evento ao lado dos secretários municipais de Educação, Domingos Sávio de Oliveira e de Cultura e Turismo, Marcelo Augusto Bezerra; da diretora da Fundação SM, Marília Lacerda e de Jeane Dantas, presidenta da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime Regional).

Durante o evento, o prefeito destacou as ações que a Prefeitura de Macaíba está promovendo no município relacionadas à área da Educação, como a Vila Olímpica, o maior complexo poliesportivo do Rio Grande do Norte e a Escola Municipal de Música. O secretário Marcelo Augusto apresentou informações sobre a Vila e a história do museu Solar Ferreiro Torto, patrimônio que guarda a história de Macaíba em seu acervo. Após o encontro, os participantes tiveram a oportunidade de conhecer o Solar.

Fotos: Sérgio Nascimento

Assecom-PMM

A campanha “Mulheres Diferentes, Violências Iguais” continua levando informações para a população de Macaíba sobre o enfrentamento da violência contra às mulheres.

No último sábado (1), a equipe da Semtas realizou mais um ato da campanha na feira livre de nosso município. Panfletos informativos sobre os tipos de violência e canais de denúncia foram distribuídos para a população. Violência contra a mulher é crime. Denuncie! Disque 180.

Prefeitura de Macaíba (Facebook)

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Em pronunciamento nesta segunda-feira em Plenário, o senador José Agripino (DEM-RN) comemorou decisão da subcomissão de limites da Organização das Nações Unidas (ONU) de aceitar, para futura análise, proposta brasileira de ampliação da plataforma continental.

Se for posteriormente aprovada, a proposta do Brasil permitirá que o país amplie sua zona econômica exclusiva em 965 mil quilômetros quadrados, o que significa, segundo o senador, aumento de algumas atividades nessa região, como a exploração de minérios, de petróleo e da pesca.

— A minha alegria, como brasileiro, de ver esse trabalho realizado por técnicos da Petrobras e por experts da Marinha — e também pelo esforço da Marinha — em, ao longo de mais de dez anos, realizar um trabalho que pode render para o futuro, maravilhosos ou fantásticos resultados como os que colheram a Austrália, a Nova Zelândia e a Noruega com trabalho semelhante ao que foi feito, e que produziu a autonomia ou a propriedade desses países sobre uma plataforma continental riquíssima, o que oportuniza empregos, renda e riqueza para essas nações — elogiou Agripino.

Representante do Senado na 73º Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, o senador José Agripino também destacou o reconhecimento internacional que o Brasil tem no exterior por causa de suas participações em missões de paz da ONU.

Segundo ele, a atuação mais emblemática ocorreu, recentemente, no Haiti, mas outras também são reconhecidas. A maior operação em curso, na República Democrática do Congo, é comandada por um general brasileiro — disse o senador, ao lembrar que das 71 operações atuais, o Brasil participa de 41.

José Agripino defendeu ainda o respeito do Brasil às resoluções da ONU que desautorizam a instalação de embaixadas na cidade de Jerusalém. Para ele, o trabalho de equilíbrio, entendimento e articulação da diplomacia brasileira na região, ao longo de mais de 70 anos, deve ser preservado.

Agência Senado

A proposta de reforma da Previdência elaborada pela equipe do presidente eleito, Jair Bolsonaro, prevê que servidores públicos que ingressaram na carreira antes de 2003 só poderão se aposentar com integralidade (recebendo o último salário) e paridade (tendo direito ao mesmo reajuste salarial que os ativos) se atingirem idade mínima de 65 anos. Ainda não se sabe se haverá diferença de idade para homens e mulheres. Essa regra já fazia parte da reforma que foi apresentada pelo presidente Michel Temer ao Congresso e sofreu forte resistência do lobby do funcionalismo. No entanto, a nova equipe econômica avalia que é preciso manter o discurso de combate aos privilégios para ganhar apoio à reforma.

A exigência da idade mínima tornaria mais igualitários os regimes dos servidores e dos trabalhadores do setor privado. Isso, no entanto, não impactaria quem está na ativa e já  atingiu os requisitos mínimos para aposentadoria. Essas pessoas já têm direitos adquiridos.

Ao mesmo tempo, a proposta prevê a desvinculação das aposentadorias do salário mínimo e a antecipação do benefício para idosos e deficientes da baixa renda que não contribuem para o regime previdenciário e são enquadrados na Lei Orgânica de Assistência Social (Loas). Hoje, esse grupo tem direito a um salário mínimo quando atinge 65 anos de idade.

A ideia é que a partir de 55 anos esses beneficiários já possam ter alguma renda. Uma possibilidade é receber R$ 150 com 55 anos, R$ 200 com 57 anos e R$ 250 com 60 anos. Os valores vão crescendo gradualmente até que a pessoa chegue aos 65 anos. O valor cheio, no entanto, pode acabar ficando abaixo do salário mínimo, pois também seria desvinculado. Essa modalidade, chamada de assistência fásica (por etapa), seria opcional e só valeria para os benefícios assistenciais.

‘Não tem açodamento’

A desvinculação do salário mínimo está dentro do plano geral de desindexação da economia que a equipe de Bolsonaro pretende implementar. A avaliação é que isso ajuda a derrubar o argumento de que a aposentadoria não pode ser inferior ao piso nacional por ser considerada cláusula pétrea da Constituição.

Segundo fonte a par das discussões, o presidente já deu as linhas gerais: não quer mudanças abruptas nem deixar alguns segmentos em “grande desconforto” para votar a matéria. Será a reforma possível, disse a fonte, acrescentando que a proposta precisa ter consistência técnica para dar uma resposta ao mercado.

O futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou ontem que a ideia do novo presidente é fazer a reforma da Previdência sem correria. Segundo ele, o governo não quer um remendo, mas um modelo que dure 30 anos.

– O governo não tem açodamento – disse o ministro, durante entrevista coletiva no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de Brasília, onde a equipe de transição se reúne.

Ele disse que a meta é aprovar a reforma em 2019, mas admitiu que será preciso convencer tanto o novo Congresso quanto a sociedade, e que isso leva tempo:

– A tramitação congressual vai estar pari passu com o convencimento dos parlamentares e da sociedade. Para conseguir isso, não dá para ser no afogadilho. Queremos aprovar no primeiro ano, mas temos que reconhecer que nossa dificuldade passa por um Congresso que vem bastante renovado.

Os técnicos que estão trabalhando no desenho da reforma pretendem fechar o texto ainda em janeiro para apresentá-lo ao Congresso na abertura do ano legislativo. Nesse momento, explicou uma fonte, “estamos pinçando pontos comuns em várias propostas”. A reforma de Temer não seria aproveitada integralmente porque estaria contaminada e “dificilmente, seria aprovada”.

Segundo um interlocutor do governo de transição, a nova proposta “não será a de A, B, C ou D”, mas uma nova proposta, com pontos positivos de todas elas. O que muda é a dosagem e a duração da fase de transição para a entrada em vigência das regras mais duras.

Isso significa que será definida uma idade mínima progressiva até 65 anos, mas que ela poderá subir ainda mais de acordo com o aumento da expectativa de vida. Há possibilidade ainda de ser fixada uma idade diferenciada para mulheres com filhos. Além disso, mudanças no valor da pensão e no cálculo da aposentadoria farão parte da proposta.

Custos da capitalização

Para novos trabalhadores, a ideia é criar um regime de capitalização em que cada um contribuirá para uma conta individual de aposentadoria. No regime atual, de repartição, os trabalhadores na ativa financiam a aposentadoria dos mais velhos. A capitalização será acompanhada de mudança no regime de contribuição previdenciária, baseado atualmente na folha de pagamento, considerada deteriorada por causa da informalidade e das novas modalidades no mercado de trabalho. A ideia é arrumar uma fonte de recursos segura para arcar com o custo do regime atual, que perderá receitas com a capitalização.

O diretor executivo da agência de classificação de risco Fitch Ratings, Rafael Guedes, disse que o país tem poucas condições de arcar com os custos de eventual adoção do regime de capitalização na Previdência. Segundo ele, o sistema é caro porque seca a fonte de financiamento do regime de repartição. Ao separar recursos captados hoje para aposentadorias do futuro, reduz-se as verbas que financiam os benefícios do presente. Em sua opinião, a transição só seria possível se a reforma do atual regime for mais agressiva:

– A capitalização tem custo alto. As contas fiscais do país não permitem esse gasto inicial.

Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instaurou um procedimento na última sexta-feira (30) para regulamentar o pagamento do auxílio-moradia para casos específicos, como juízes removidos para outro estado, por exemplo.

Na semana passada, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), revogou o benefício do auxílio-moradia de todos os integrantes de Judiciário, Ministério Público, defensorias públicas e tribunais de contas.

Na decisão, o ministro determinou ao CNJ e ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) que regulamentem o benefício nos casos de juízes e procuradores que, por exemplo, se mudem de cidade ou de estado.

A revogação do benefício foi negociada com o Palácio do Planalto a fim de permitir a sanção, pelo presidente Michel Temer, do reajuste de 16,38% nos salários dos ministros do STF. A avaliação é que o custo seria muito elevado se mantido o auxílio e também o reajuste, que é automático para a magistratura federal e o Ministério Público, além de estar previsto para estados por meio de leis locais.

Fux estipulou que o auxílio deixe de ser pago quando o aumento chegar à folha salarial dos juízes e integrantes do MP.

Integrantes da magistratura e procuradores têm defendido que a decisão do ministro não tornou o benefício inconstitucional, por isso, ainda há a possibilidade de que o auxílio seja pago.

No CNJ, o procedimento aberto será relatado pelo presidente do conselho, ministro Dias Toffoli, que também preside o STF e participou da negociação para a derrubada do auxílio.

No Supremo, juízes já apresentaram pedido para tentar reaver o benefício. Nesta segunda-feira (3), as Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (Anamages) entrou com recurso contra a decisão de Fux, dizendo que o ministro não fundamentou, ou seja, apresentou “motivação jurídica” para a revogação do auxílio no caso dos juízes estaduais.

“Não se sabe qual foi motivação jurídica para a revogação deste benefício, considerando que o auxílio-moradia possui natureza indenizatória, de modo que o reajuste legal e constitucional no subsidio dos magistrados estaduais, não autoriza, por si só, o entendimento de novo cenário remuneratório a excluir o benefício de caráter indenizatório”, diz a entidade.

Na última sexta (30), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, também recorreu da decisão de Fux para tentar assegurar que integrantes do Ministério Público continuem com o benefício.

Segundo a procuradora, a decisão de Fux “extrapolou os limites” ao ampliar os efeitos da decisão a todas as carreiras jurídicas.

“Sem adentrar propriamente no mérito, na legalidade ou na constitucionalidade do recebimento de auxílio-moradia, fato é que esta ação restringe-se ao pagamento ou não do benefício em causa para os juízes, nos termos da legislação que rege a magistratura judicial brasileira, limitando-se o julgado àquelas carreiras”, argumentou Raquel Dodge.

Ao derrubar o benefício, o ministro Luiz Fux frisou que era necessário ser pragmático porque o momento atual financeiro impede pagamento de reajuste e continuidade do auxílio. E afirmou que garantiu auxílio a todos os magistrados em 2014 em razão da simetria, uma vez que alguns magistrados tinham o benefício e outros não, excluindo apenas aqueles que tivessem residência oficial.

G 1

O ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT), que apoiou Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno presidencial, tem mantido conversas com o deputado federal eleito Girão Monteiro (PSL), correligionário do presidente eleito. Impedido de disputar a Prefeitura do Natal em 2020, Carlos Eduardo pode apoiar Girão nas eleições municipais.

Tanto Carlos Eduardo quanto Girão tiveram votação expressiva em Natal nas eleições deste ano. Enquanto o ex-prefeito foi o mais votado para o Governo do Estado nos dois turnos (tendo mais de 60% dos votos válidos no 2° turno), Girão foi o segundo deputado federal mais votado na cidade – teve mais de 36 mil votos.

AgoraRN

Um guarda municipal de Natal foi baleado na cabeça, no tórax e em um dos braços durante uma tentativa de assalto na Praia de Pirangi, no litoral Sul potiguar, na Região Metropolitana da capital. Ele estava acompanhado de uma mulher, que também foi atingida por um tiro na cabeça. O caso aconteceu nesta segunda-feira (3). Os assaltantes foram detidos.

De acordo com a polícia, o guarda e a mulher estavam em um carro quando foram abordados por dois homens armados. O guarda municipal teria reagido à ação dos criminosos e eles atiraram. A polícia chegou e houve troca de tiros. Um dos bandidos também foi atingido e socorrido ao hospital.

O outro tentou fugir por uma área de mangue, contudo foi detido pelos policiais e levado preso. O guarda e a mulher que estava com ele no veículo estão internados no Hospital Walfredo Gurgel, na Zona Leste de Natal, e o quadro de saúde grave.

Com uma programação diversificada, o “Só Toca Top” é sucesso nas tardes de sábado da Rede Globo, onde as principais bandas e cantores do país se apresentam todos os finais de semana. No próximo sábado (8), Fernanda Souza e Luan Santana recebem os artistas das paradas de sucesso do momento, entre eles, a Banda Saia Rodada que está estourada em todo o Brasil.

Saia Rodada, que tem no vocal o cantor Raí Soares, tem emplacado um sucesso atrás do outro nos últimos tempos, e por onde tem passado levanta multidão, sem contar na maratona de shows puxado pela música “Filho do Mato”, sendo hoje a carro-chefe em todos os shows da Saia. Para se ter uma ideia, este mês de dezembro serão 37 shows realizados em 07 (sete) brasileiros.

Como publicamos mais cedo, Jair Bolsonaro bateu o martelo sobre a estrutura de seu governo – que terá 22 ministérios.

Nos próximos dias, o presidente eleito deve anunciar os nomes para as pastas de Meio Ambiente e Família/Direitos Humanos.

Confira os nomes definidos até aqui e o poder de cada um: Justiça (Sergio Moro); Economia (Paulo Guedes); Casa Civil (Onyx Lorenzoni); Secretaria Geral da Presidência (Gustavo Bebianno); Secretaria de Governo (General Santos Cruz); GSI (General Heleno); Cidadania (Osmar Terra); Desenvolvimento Regional (Gustavo Canuto);  Defesa (General Azevedo e Silva); Educação (Ricardo Vélez Rodriguez); Saúde (Luiz Henrique Mandetta); Relações Exteriores (Ernesto Araújo); Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Marcos Pontes); Infraestrutura (Tarcísio Gomes de Freitas); Turismo (Marcelo Antonio); Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Tereza Cristina); Minas e Energia (Almirante Bento Albuquerque Júnior); CGU (capitão Wagner Rosário); AGU (André Luiz de Mendonça), além de Banco Central (Roberto Campos Neto).

O Antagonista

O ex-presidiário Edcharles de Oliveira foi novamente preso na cidade de São Rafael acusado de estupro contra uma criança de 8 anos de idade. Ele já responde a outras duas acusações, e o crime é o mesmo, estupro de vulnerável.

De acordo com o Sargento Galdino, comandante do DPM de São Rafael, o criminoso ainda tentou raptar outras três crianças, que seriam vítimas do mesmo crime. Os policiais passaram a noite em campana para prendê-lo.

O corpo de uma mulher foi encontrado na manhã desta segunda-feira (03) em um área de viveiros de camarões no bairro do Igapó, zona norte de Natal. A mulher foi identificada como Juliana ela estava desaparecida desde a última quinta-feira (29) quando teria saído de casa até a cidade de Macaíba.

O corpo foi removido a sede do ITEP.

Na manhã desta segunda-feira (03), o prefeito Fernando Cunha prestigiou a confraternização de fim de ano dos apenados que trabalham na horta comunitária de Macaíba, na sede do projeto que serve meio alternativo de pagar suas penas após condenação na instância local e também como fator de ressocialização.

Além do gestor municipal, diversas autoridades políticas, militares, judiciárias e religiosas estiveram presentes, entre as quais: Gelson Lima (presidente da Câmara Municipal de Macaíba); Felipe Barros, (juiz titular da Vara Criminal de Macaíba); Marlon de Góes, comandante do 11º Batalhão da Polícia Militar; Padre Francisco de Assis, Pároco da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição; Luiz Lacerda, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Macaíba e vice-presidente do Sistema Fecomércio/RN.

O projeto da horta comunitária é resultado de articulações entre a Prefeitura de Macaíba, por meio da Secretaria da Agricultura, da Pecuária e da Pesca), Câmara Municipal, que aprovou o projeto após requerimento do Fórum Municipal, Poder Judiciário, representado pela 1ª Vara Criminal de Macaíba, e o Ministério Público.

Os produtos lá produzidos e colhidos são entregues as instituições filantrópicas da própria cidade como Fundação Lar Celeste Auta de Souza, Abrigo Deus e Caridade e o CAPS-AD (Centro de Atenção Psicossocial para usuários de Álcool e outras Drogas).

Assecom-PMM

O programa esportivo Três Toques entrevista a equipe de futebol feminino do Cruzeiro de Macaíba, campeã estadual de 2018, a partir das 19h30 desta segunda-feira (3). A transmissão será feita ao vivo pela página do programa no Facebook https://www.facebook.com/programatrestoques/ e contará com comentários do jornalista Sérgio Nascimento e de Rodrigo Sena.

O Espantalho do interior, como é conhecido o time macaibense, venceu o time Parnamirim por 8 a 0, no último domingo (2), em casa, no estádio José Jorge Maciel (Campo do Cruzeiro) e conquistou o título inédito.

O prefeito Fernando Cunha e Gelson Lima, presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Macaíba, visitaram as obras do Centro de Educação Profissional Tecnológica, em Mangabeira, nesta segunda-feira (3). Uma grande obra para a população de Macaíba, que integra o programa Brasil Profissionalizado. O vereador João de Damião e o líder comunitário Zizo de Mangabeira também visitaram o local.

Com estrutura ampla e moderna, o espaço terá 12 salas de aula, auditório para 200 pessoas, seis laboratórios, ginásio com vestiários e arquibancada, biblioteca, um teatro de arena, pavilhão administrativo com sala para professores e corpo diretor, banheiros, cozinha, cantina, refeitório, área de convivência, estacionamento e guarita. A nova unidade de ensino vai beneficiar os estudantes de toda a Macaíba. Uma reivindicação do prefeito Fernando Cunha juntamente com o presidente da Câmara Municipal, vereador Gelson Lima.

Assecom-PMM

Foto: José Cruz/Arquivo/Agência Brasil

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, disse hoje (3) que o país vive um momento de crescimento econômico – lento e gradual, mas de crescimento – e deve o fechar o ano com expansão de 1,4% no PIB. De acordo com Goldfajn, no próximo ano, o Produto Interno Bruto poderá chegar 2,4% no próximo ano.

Ao participar do seminário Reavaliação do Risco Brasil, promovido nesta segunda-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV), Goldfajn ressaltou que a inflação está sob controle e deverá fechar este ano em 3,94% e que a taxa básica de juros da economia (Selic) vem-se mantendo no patamar histórico de 6,5%.

Goldfajn ressaltou o fato de que este cenário foi atingido em momento em que o mundo, e o próprio país, viveu momentos de turbulência. “Eu diria que há três grandes fenômenos [a se destacar]. Em primeiro lugar, a consolidação da inflação em torno das metas. Uma vez a inflação consolidada, e as expectativas ancoradas, nós este ano tivemos a satisfação de manter a taxa de juros básica mínima histórica, que é os 6,5% [ao ano].”

“Isso ocorre em um ano em que tivemos um desafio relativamente importante, com uma conjuntura externa mais difícil e um cenário interno também mais turbulento. E, dado isso, a inflação na meta e taxa de juros histórica, nós temos hoje uma recuperação. Ela é gradual, mas é consistente – já temos sete trimestres de crescimentos positivos”, enfatizou Goldfajn.

Ao falar sobre a inflação, o presidente do Banco Central lembrou que, em 2015, a taxa estava em torno de 10,6%, vindo a cair para 6,29% no final de 2016, até fechar o ano passado em 2,95% – abaixo da meta em fixada pelo próprio BC e devendo encerrar 2019 em 4,12%, ligeiramente abaixo da meta de 4,25%.

“Começar o ano de 2018 com a inflação abaixo da meta se provou útil porque este foi um ano em que enfrentamos muitos desafios. Tivemos um choque externo relevante, um ambiente desafiador para economias emergentes. Houve depreciação da moeda de todas as economias emergentes. Desde as mais até as menos vulneráveis: eu diria em torno de 10%”, acrescentou.

Informações da Agência Brasil