fevereiro 25, 2024

Após deixar a sede do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quarta-feira (24), o senador Rogério Marinho (PL-RN) afirmou que pediu ao presidente do STF, Roberto Barroso, a saída do ministro Alexandre de Moraes dos inquéritos que investigam o 8 de janeiro.  Acompanharam o líder da oposição no Senado, durante a audiência, os senadores Márcio Bittar (União-AC), Hamilton Mourão (Republicanos-RS) e Izalci Lucas (PSDB-DF). Eles pediram ao tribunal que demostra sua imparcialidade afastando Moraes.

Marinho disse que na conversa com Barroso abordou o “tom político” de Moraes sobre os casos e que incluiu na pauta de discussões a busca e apreensão feita contra o líder da oposição na Câmara, Carlos Jordy (PL-RJ).

“A busca e apreensão que foi feita não foi contra o deputado Carlos Jordy. Foi contra a Câmara Federal. Nós esperamos que isso não seja um padrão e nem haja banalização dessa situação. Nós não acreditamos que ninguém está acima da lei. O que nós estamos discutindo é a forma. a Constituição precisa ser cumprida”, afirmou. 

Ao questionar a imparcialidade do Ministro Alexandre de Moraes, Marinho recorreu às declarações recentes dadas à uma emissora de TV, em que o ministro disse que havia uma ameaça de matá-lo ‘em praça pública’. “Nós achamos que ele deveria abrir mão de conduzir o processo para que no futuro não haja nulidade”, completou. 

Os  inquéritos de ofício, chamados de ‘infinitos’, como o inquérito das ‘fake news‘ e ‘atos antidemocráticos’, também foram abordados. “Vivemos uma situação de excepcionalidade. Não há sentido nessa perpetuação de um inquérito que não termina nunca”, ponderou o líder da oposição no Senado. Ainda de acordo com a declaração, a preocupação agora é voltar à normalidade política para que “a própria política resolva a situação do país”

Marinho disse ainda que há uma ‘hipertrofia’ do judiciário sobre o legislativo e disse que Barroso se comprometeu em levar o pleito dos parlamentares aos demais ministros. O Senador ainda disse que a fala de Moraes sobre negar anistia aos presos do 8 de janeiro é ‘política’ e descontextualizada. “Vamos lembrar que Dilma Rousseff foi anistiada, José Genoino foi anistiado, Brizola, Arrais e Prestes voltaram ao Brasil em uma reconciliação nacional”. 

Por Debirah Sena Diário do Poder 

About The Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *