MPF cobrou Anac por irregularidades na empresa do avião que caiu com Marília Mendonça - Informativo Atitude

MPF cobrou Anac por irregularidades na empresa do avião que caiu com Marília Mendonça

Foto: reprodução/Twitter

A Procuradoria da República em Goiás enviou, em junho deste ano, uma notícia de fato – uma espécie de procedimento administrativo – à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), solicitando ao órgão que se manifestasse sobre a omissão em fiscalizar supostas irregularidades da empresa PEC Táxi Aéreo, proprietária do avião que caiu em Caratinga-MG nesta sexta-feira (05), no acidente que causou a morte da cantora Marília Mendonça.

De acordo com a denúncia anexada ao documento (veja aqui), a empresa não estaria respeitando a jornada de trabalho e regulamentação de descanso dos pilotos e da tripulação; estaria operando com equipamentos de segurança em desacordo com as normas; teria obtido vantagens por meios ilícitos em licitações nos estados de Rondônia e Roraima e a aeronave que caiu em Caratinga, de prefixo PT-ONJ estaria com problemas no para-brisas, o que causava prejuízo visual em pousos e decolagens.

O documento, assinado pelo Procurador da República Marcello Santiago Wolff, foi enviado em 14 de junho e o Ministério Público Federal deu 20 dias à Anac para prestar esclarecimentos. A CNN aguarda respostas da Anac, do Ministério Público Federal e da PEC Táxi Aéreo, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

CNN Brasil