Ministério Público investiga uso de carne de cachorro em pastelarias no Rio de Janeiro

k02370vsb_ols3n9rbx_file

Durante uma investigação sobre trabalho escravo de imigrantes chineses, agentes do MPT (Ministério Público do Trabalho) encontraram carne que seria de cachorro congelada em uma pastelaria do Rio. A notícia foi parar no noticiário internacional. De acordo com o site britânico Daily Mail, os cães teriam sido mortos a pauladas e a promotoria investiga se a carne seria usada para fazer pastéis

Segundo o site, o proprietário do estabelecimento também seria o dono de uma pastelaria de Copacabana, na zona sul do Rio, que mantinha três chineses em condições análogas à escravidão. Ao contrário dos trabalhadores brasileiros, eles não tinham carteira de trabalho, direito a folga e salário. O MPT (Ministério Público do Trabalho) do Rio de Janeiro chegou até o local após uma denúncia anônima.

Junto com o MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) inspecionaram o estabelecimento para regularizar a situação dos estrangeiros. Eles deveriam receber um salário de R$ 1.000, mas o pagamento era retido pelos donos da lanchonete, que também eram chineses. Além de dividir as camas com o estoque de alimentos, havia cadeados no local.

O promotor do trabalho Marcelo José destaca que os empregadores evitam expor os trabalhadores no estabelecimento.

— Esses trabalhadores nunca atendem no balcão, sempre ficam no interior dos estabelecimentos para que não tenham contato com os clientes.

Os donos da pastelaria concordaram em pagar as verbas rescisórias e regularizar a situação trabalhista dos imigrantes, caso eles quisessem continuar trabalhando no local. Os jovens receberam CPF, carteira de trabalho e abriram uma conta para receber os valores. A pastelaria comprometeu, ainda, a depositar o Fundo de Garantia aos jovens.

R7

Blog do BG

Detran

Administrador

Deixe uma resposta