Etna fecha as portas gradualmente e deixará de existir - Informativo Atitude

Etna fecha as portas gradualmente e deixará de existir

A comparação ao vulcão que assombra a Itália há milhões de anos está restrita ao nome. E, guardadas as devidas proporções, os contratempos decorrentes de suas atividades são capazes de tumultuar a vida de muitos cidadãos. No Brasil, a homônimo Etna conquistou o mercado ainda na metade da década de 2000 com a proposta de comercializar móveis e utensílios domésticos. Os anos passaram, a estrutura aumentou e, impactada financeiramente por crise econômica, pandemia e adoção do comércio on-line, a varejista se viu obrigada a fechar gradualmente as lojas e, sem compradores interessados, entrou em erupção. Depois de 17 anos de funcionamento, vai encerrar as atividades até meados do ano, por “decisão estratégica”, que vai custar o emprego dos seus últimos 400 colaboradores.

Pertencente à família Kaufman, também detentora da rede de joalherias Vivara, a Etna chegou a ter 18 unidades distribuídas pelo País em 2015, com faturamento aproximado de R$ 500 milhões, além de 3 mil funcionários. Até então, uma adversária de peso para a TokStok, outra varejista do setor que atende o consumidor desde 1978. Um dos diferenciais da Etna foi o modelo de lojas amplas para facilitar o acesso dos clientes a cada estação onde eram exibidos os produtos. Uma jornada que transportava o consumidor aos ambientes de um imóvel. E a principal estratégia de venda da varejista, no entanto, tornou-se o maior entrave para a continuidade do negócio. Possíveis investidores viram no tamanho das unidades um empecilho, pois a preferência na atualidade é por espaços menores.

Com o advento da pandemia, em 2020, as restrições de circulação provocaram o fechamento temporário dos pontos físicos e impulsionaram a adoção do comércio eletrônico, segmento que não era o foco da bandeira. E nem mesmo o aumento da procura por móveis, principalmente os voltados a escritório, após a adoção do home office, beneficiou a empresa, que se viu em desvantagem em relação às concorrentes que já adotavam as vendas on-line, casos da Mobile e da Westwing, como afirmou à DINHEIRO Alberto Serrentino, CEO da Varese Retail. A crise econômica de 2015-2016 também teria impactado os negócios da Etna, que teve dificuldade para se recompor e inda acabou atingida pela pandemia.

A flexibilização das normas contra a Covid-19 pelo Brasil, segundo a Etna, não implicou no retorno dos consumidores aos estabelecimentos. Com a justificativa de vendas inferiores ao histórico dos últimos anos e da concorrência digital, a empresa optou inicialmente pelo encerramento das atividades das unidades de Belo Horizonte e Campo Grande, em 2020. Já no ano passado, com apenas metade das unidades ainda em funcionamento, pôs fim à atuação no Nordeste com o fechamento das lojas de Fortaleza, Recife e Salvador. A decisão na época resultou na demissão de aproximadamente 150 colaboradores diretos.

No último domingo, a unidade no Rio de Janeiro encerrou as atividades. A rede segue em operação em quatro endereços, três em São Paulo (Capital, Campinas e Sorocaba), além de uma em Brasília. As lojas terão o funcionamento finalizado gradualmente, inclusive o e-commerce, o último a sair do ar. Segundo a empresa, todos os contratos serão honrados, a exemplo de todos os direitos trabalhistas. “A ideia é encerrar bem uma história de 17 anos da Etna com o consumidor brasileiro.”

A concorrente TokStok teria demonstrado interesse na aquisição da Etna. Mas as negociações não avançaram após a empresa desistir de ir à Bolsa para realizar uma oferta inicia de ações, segundo o jornal O Estado de S.Paulo. Para Serrentino, a família Kaufman optou por alocar recursos na Vivara, “que passou por um IPO muito bem-sucedido e é um negócio mais lucrativo, em vez de manter o plano de expansão e crescimento da Etna”, disse ele, ao destacar que a rede não teve escalada digital forte, diferentemente da própria Vivara, que durante a pandemia obteve “um salto digital impressionante”.

MERCADO Apesar das justificativas da Etna para a queda na demanda, em 2021 o setor moveleiro teve alta de 1,4% no volume de vendas no varejo na comparação com 2020. Foi o quinto ano consecutivo de resultados positivos, com número muito próximo aos de anos anteriores, quando foram registrados 1,2 %(2020) e 1,8% (2019). O último ano de perdas em relação ao período anterior foi 2016 (-6,2%). Os dados são do IBGE, que apontou ainda um recuo de 25,8% nos negócios em dezembro passado frente ao mesmo intervalo de 2020. A explicação é que houve estabilização dos números em 2021, diferentemente do boom apresentado no segundo semestre de 2020.

Istoé Dinheiro

Fonte: Blog do Gustavo Negreiros