Em Mossoró, mulher suspeita de ter matado o marido se encontra foragida

Em Mossoró, mulher suspeita de ter matado o marido se encontra foragida

12 de julho de 2018 0 Por Administrador

 

Uma mulher suspeita de ter matado o marido na residência do casal em Mossoró está foragida. De acordo com a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o crime aconteceu no dia (04) de maio deste ano, no bairro Belo Horizonte.

Segundo o delegado Rafael Arraes, titular da DHPP, Fabrícia é suspeita de matar o marido com um tiro na cabeça dentro da residência do casal. Além de atirar e matar o companheiro, a mulher também teria alterado a cena de crime, para um suposto suicídio do marido.

O perito Renildo Marcelino, do Instituto Técnico-Cientifico de Perícia (Itep), responsável pela perícia do local no dia do crime, suspeitou de algumas coisas na cena do crime, onde estariam apenas a vítima e sua companheira.

No dia do crime, Fabrícia apresentou versões desencontrada a equipe de investigação da DHPP. Para o delegado, Fabrícia deve ter utilizado algum pano nas mãos para matar o companheiro, haja vista que exames nas mãos da suspeita com a arma deu negativo.

“No dia ao colher material de suas mãos ela apresentou controversas em suas versões. Como a priore seria suicídio tínhamos que aguardar algum laudos periciais. Ela prometeu se apresentar na semana seguinte ao caso, seu advogado apresentou atestado pedindo mais um prazo de uma semana, até hoje ela não se apresentou e nem o advogado dela nos atende mais”, relatou o delegado.

Sem informações do paradeiro da suspeita, o delegado resolveu expedir um mandado de prisão preventiva. “Vamos divulgar fotos dela, para quem souber paradeiro dela ligar para o 190, ou o telefone Disk denúncia 138”, disse Rafael Arraes .

“A família da vítima sempre nos procura para saber detalhes de quem seria o responsável e até aqui não nos resta mais dúvidas que o caso passou a ser tratado como homicídio, até pela distância do disparo. Iremos afirmar quando sair esse laudo da distância. Pela experiência de Renildo Marcelino, tiro de suicídio ocorreu na parte lateral da cabeça e não frontal em uma pouca distância como foi o caso aqui”. concluiu o delegado.