Dilema: A difícil relação das escolas e universidades com os pais

Escolas e faculdades não estão querendo negociar com os pais uma nova pactuação nos contratos para diminuição das parcelas referentes as mensalidades. Na letra do contrato, o consumidor contrata um serviço e divide em 12 meses. Mesmo com as aulas por vídeos, os custos das escolas e faculdades diminuíram muito, não sendo justo cobrar as mesmas mensalidades.

Por outro lado, já teve caso da justiça determinar a suspensão do pagamento das mensalidades por seis meses. Isso inviabiliza completamente a manutenção das instituições de ensino.

A melhor fórmula é o diálogo, baixar as mensalidades pelo período, algo mais justo. Porque se tiver uma onda de ações na justiça, muito provavelmente às instituições terão imensas dificuldades para própria manutenção.
A arrogância das primeiras negativas das escolas e universidades, dever ceder lugar a um largo sorriso e a sentar para negociar a redução. Assim, fica bom para os pais e as instituições sobrevivem.  Nem as parcelas cheias e muito menos suspensão de pagamentos.

Uns 30% de desconto está de bom tamanho.

Gustavo Negreiros