Coração Valente: Por fim da guerra, Zelensky exige “soberania e garantias de segurança” - Informativo Atitude

Coração Valente: Por fim da guerra, Zelensky exige “soberania e garantias de segurança”

Após a divulgação de um esboço do que seria o acordo de paz entre russos e ucraniano, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, fez um pronunciamento e destacou claramente o que exige para negociar com o líder russo, Vladimir Putin.

Na noite desta quarta-feira (16/3), em pronunciamento gravado, Zelensky afirmou que é preciso “garantias de segurança nacional, soberania, restauração da integridade territorial, garantias de proteção reais para o país”.

O presidente ucraniano ressaltou que suas exigências “são absolutamente claras”, afirmou na gravação.

“Plano”

Representantes russos e ucranianos avançaram nas negociações e têm “desenhado” um possível acordo de paz entre os dois países. O diálogo para pactuar a trégua já contabiliza seis rodadas de conversas. A Ucrânia vive o 21º dia da invasão russa, iniciada em 24 de fevereiro.

O rascunho do cessar-fogo foi revelado pelo jornal britânico Financial Times na tarde desta quarta-feira (16/3). Três fontes que teriam participado da reunião detalharam os termos ao veículo, que chamou o documento de “plano de neutralidade”.

A ideia, segundo o jornal, é que os países firmem acordo para aprovar um plano de 15 pontos – o qual prevê, inclusive, cessar-fogo definitivo.

A Rússia exige que a Ucrânia não ingresse na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e rejeite a proteção dos Estados Unidos e respectivos aliados.

Autoridades russas pedem que a Ucrânia também não receba ajuda militar do Reino Unido e da Turquia, por exemplo. Do lado ucraniano, as demandas são cessar-fogo imediato, retirada das tropas russas e garantias de segurança.

Discussões

Assessor da Presidência e membro da delegação ucraniana, Mykhailo Podoliyak afirmou, no entanto, que os rascunhos citados pelo jornal não são definitivos.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, perguntado por repórteres de agências internacionais de notícias, disse que “redações absolutamente específicas estavam próximas de serem acordadas”.

“Embora Moscou e Kiev tenham dito que fizeram progresso nos termos de um acordo, autoridades ucranianas continuam céticas”, destaca a reportagem do Financial Times.

O jornal completa: “[A Ucrânia teme que] Moscou possa estar ganhando tempo para reagrupar suas forças e retomar sua ofensiva”.

Para o leitor entender o que impede o acordo de paz, o Metrópoles listou as exigências de cada país na negociação de um cessar-fogo.