Consumo de cigarro eletrônico cresce no Brasil, enquanto o tradicional perde espaço - Informativo Atitude

Consumo de cigarro eletrônico cresce no Brasil, enquanto o tradicional perde espaço

Foto: FREEPIK

As taxas de tabagismo no Brasil caíram em relação ao período pré-pandemia. De acordo com o Covitel 2022, inquérito telefônico de rastreamento de doenças crônicas não-transmissíveis, a redução da prevalência foi de 2,5 pontos percentuais, comparando os níveis antes da Covid-19 e o primeiro trimestre de 2022.

Organizado pelas entidades Vital Strategies Brasil, Umane, Instituto Ibirapitanga, Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva) e UFPel (Universidade Federal de Pelotas), o Covitel teve uma amostragem de 9.000 pessoas, e foi publicado em março de 2023.

A prevalência do consumo de cigarros tradicionais foi de 14,7% antes da pandemia, para 12,2% no começo de 2022. A redução foi mais expressiva entre os homens.

No pós-pandemia, 7,3% dos entrevistados relataram ter experimentado cigarro eletrônico, mesmo percentual dos que também disseram ter provado narguilé, a maioria jovens adultos, com idades entre 18 e 24 anos (17% e 19,7%, respectivamente).

A pneumologista Suzianne Lima, da Comissão Científica de Tabagismo da SBPT (Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia) afirma que a redução do consumo de cigarros tradicionais ocorre desde 2005.

Em contrapartida, os cigarros eletrônicos tiveram um “boom” de consumo nos últimos três anos.

“Os jovens, fechados em casa durante a pandemia, sob as fake news de que o cigarro eletrônico não faz mal, não tem nicotina ou que ajudaria a parar de fumar, aumentaram seu consumo”, explica.

R7

About The Author