Categoria: Uncategorized

A história do ex-goleiro e ídolo das torcidas do América-RN, Fortaleza e Remo, Fabiano Bolla Lora, será retratada em “Fabiano, o Paredão”, a ser lançado no próximo dia 13 de junho pela Editora Primeiro Lugar. Na obra, o jornalista Tiago Menezes passeia por vários momentos da carreira do ex-jogador, explora os fatos mais marcantes da trajetória de Fabiano e desvenda o ser humano além do atleta e ídolo.

O livro narra as dificuldades na infância, o início no futebol amador em São Paulo, a faculdade de Odontologia, o apoio da família na ascensão ao profissional, mágoas e alegrias. Além, é claro, das defesas importantes, atuações memoráveis, títulos e grandes conquistas. A publicação ainda dedica capítulos especiais sobre a relação afetiva de Fabiano com os clubes por onde passou, especialmente o América, onde alcançou grandes conquistas e criou um laço que persiste mesmo após a aposentadoria dos gramados.

“É uma história inspiradora pela determinação e superação de uma criança que perseguiu o sonho e se tornou um grande ídolo do futebol. Fabiano é dono de uma trajetória de desafios, mas também de muito amor pelas camisas que vestiu e respeito pelas pessoas que fizeram parte dessa história. A entrega e raça dele em campo são frutos do ser humano que ele é. Um camisa 1 quase intransponível, mas essencialmente humano, e o livro mostra isso de maneira sensível e íntima”, descreve o jornalista Tiago Menezes.

O livro conta com depoimentos exclusivos de grandes personagens na trajetória de Fabiano, como o ex-jogador do América-RN, Flamengo, Corinthians e Seleção Brasileira, Souza, o médico Maeterlinck Rêgo, dentre outros. A obra conta ainda com a participação do ex-zagueiro americano Robson, assinando a orelha do livro.

“Em quase todos os clubes pelos quais Fabiano passou, seja em São Paulo, Fortaleza ou Belém, ele foi peça importante, protagonista de conquistas e títulos. No América então, ele esteve presente em campo numa das fases mais vitoriosas da história centenária do Alvirrubro. Assim, o livro se torna um registro histórico, uma oportunidade de resgatar com detalhes momentos inesquecíveis do nosso futebol e de um grande personagem”, afirma o autor.

“Fabiano, o Paredão” será lançado no dia 13 de junho, no Real Botequim, Shopping Cidade Jardim, na Avenida Engenheiro Roberto Freire. Enquanto isso, o leitor pode adquirir seu exemplar, durante a pré-venda, através do site da editora (www.edprimeirolugar.com.br).

Coleção Grandes Craques RN

O livro-reportagem dá sequência à coleção #GrandesCraquesRN, série de obras publicadas pela editora Primeiro Lugar que tem como proposta resgatar fatos relevantes do futebol potiguar, através de relatos das carreiras e vidas de grandes personagens que ajudaram a escrevê-la. A publicação “Fabiano, o Paredão” é o livro 3 da coleção. Em junho e julho de 2018, respectivamente, a editora lançou “Ivan, o Terrível” e “Moura, o Príncipe Negro”, que narram as histórias de outros ídolos do futebol potiguar e tantas outras torcidas do futebol brasileiro.

Sobre o autor

Tiago Menezes é potiguar, nascido em Natal, e jornalista formado pela UFRN. Possui especialização em Assessoria de Comunicação pela UnP e MBA em Marketing Estratégico pelo UNI-RN. Atuou como repórter nos jornais Tribuna do Norte e Novo Jornal, além do Globoesporte.com, participando de coberturas como a Copa do Mundo 2014. Também foi assessor de comunicação no UNI-RN. Atualmente é vereador em Ielmo Marinho-RN e estudante de Direito. Em 2018, publicou o livro “Eu, repórter: pautas, aspas e crônicas esportivas”.

Portal No Ar

O ex-ministro e presidiário José Dirceu desistiu do pedido para cumprir pena no presídio da Papuda, em Brasília, onde estaria próximo a sua família. Alegou “falta de segurança”.

Ele já sinalizava a desistência na noite em que se despedia de amigos em Brasília, antes de seguir de carro para se entregar em Curitiba: “A Papuda já não é a mesma onde cumpri a primeira sentença . Não há segurança”, disse.

Uma tonelada de cocaína foi apreendida numa embarcação de pesca no oceano Atlântico no âmbito de uma operação da Polícia Judiciária em colaboração com a Marinha, a Força Aérea e a Polícia Federal do Brasil, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a PJ adianta que através da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes desenvolveu, nos últimos dias, uma complexa operação de combate ao tráfico transnacional de estupefacientes por via marítima, que levou ainda à detenção de sete pessoas.

Durante a Operação “Areia Branca”, as autoridades localizaram e interceptaram “em pleno Oceano Atlântico uma embarcação de pesca de pavilhão brasileiro relativamente à qual se suspeitava estar a ser utilizada no transporte de elevada quantidade de cocaína com destino final ao continente europeu”.

A embarcação foi conduzida à Base Naval de Lisboa, onde foi alvo de busca por parte da PJ tendo sido encontrados no interior, em compartimento de difícil acesso especialmente criado para o efeito, um total de 1.102 quilos (mil cento e dois quilogramas) de cocaína acondicionados em cinquenta sacos de serapilheira.

Na embarcação, que foi apreendida, seguiam “sete homens estrangeiros com idades compreendidas entre os 36 e os 64 anos, que foram detidos” e irão ser presentes a tribunal.

A investigação em curso, que tem o apoio do MAOC-N, da Drugs Enforcement Administration dos Estados Unidos e da National Crime Agency do Reino Unido, iniciou-se na sequência de troca de informações com a Polícia Federal do Brasil.

Michel Temer pediu ao juiz Marcelo Bretas que exclua do bloqueio de bens R$ 111 mil que recebe por mês de aposentadorias e locação de um imóvel para um banco de investimentos.

A defesa disse que a renda é necessária para manter a família do ex-presidente, que tem gastos médios de R$ 96,7 mil por mês.

“A não incidência de constrição sobre estes valores não tem como escopo o custeio/manutenção de despesas com luxos e, portanto, supérfluas, mas tão somente assegurar que o Peticionário tenha condições de arcar com as suas despesas domésticas mensais habituais”, diz o pedido.

Em março, o Banco Central bloqueou R$ 8,2 milhões de três contas de Temer, por determinação de Bretas — o valor total do confisco era de R$ 62,5 milhões.

O Antagonista

Nova advogada no caso Neymar, Maira Fernandes é conhecida por ser defensora dos direitos das mulheres e apoiar o feminismo. A potiguar, de 37 anos, foi convidada pelo escritório que já defende Neymar, através dos advogados Davi Tangerino e Salo de Carvalho para ajudar, e usou as redes sociais, na tarde desta quinta-feira, para explicar os motivos da sua decisão. “Pedi para analisar os autos e me convenci, absolutamente, de que se trata de uma falsa acusação de estupro. De modo geral, a advocacia criminal prescinde desse tipo de análise, por amor ao direito de defesa. Mas, no meu caso, pela minha trajetória como feminista, na defesa dos direitos das mulheres, essa análise era importante”, escreveu em sua página no Facebook.

Maira disse que analisou as imagens e confia que Najila Trindade Mendes mentiu na acusação de estupro, que teria acontecido no dia 15 de maio, em Paris, na França. A advogada ainda afirmou que “um registro falso não contribui em nada para diminuir ou combater esse crime”. “O que vi me deixou em tudo confortável para exercer a defesa do cliente, por compreender que uma acusação criminal injusta destrói a vida de uma pessoa e por entender que uma falsa acusação de estupro não ajuda a causa feminista. Uma mulher é estuprada a cada 11 minutos no país. Um registro falso de estupro não contribui em nada para diminuir ou combater esse crime”, continuou.

Foto: José Aldenir/Agora RN

Um princípio de rebelião na Penitenciária Estadual Rogério Coutinho Madruga, conhecida como o pavilhão 5 do Presídio de Alcaçuz, em Nísia Floresta, foi iniciado na manhã desta quarta-feira, 5, por volta das 10h, de acordo informações da Secretaria de Segurança Pública (Sesed).

No entanto, a ação rápida dos agentes penitenciários lotados na unidade foi primordial para conter o avanço do motim. Ainda segundo da Sesed, um helicóptero foi utilizado para fazer o monitoramento do presídio nas horas seguintes de modo a tentar evitar possíveis sinistros.

O pavilhão 5 de Alcaçuz conta atualmente com 905 detentos, mas sua capacidade máxima é de 402, segundo informações do último boletim divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O déficit carcerário é um problema antigo do Rio Grande do Norte.

Agora RN

Quase uma semana depois, a autora de denúncias de estupro contra Neymar não só quebrou o silêncio, como revelou sua identidade. Najila Trindade Mendes de Souza disse ao SBT que violência teve início por falta de camisinha.

A jovem confirmou que teve passagens e hospedagem pagas pelo atleta, mas que ao recebê-lo no quarto, Neymar estava agressivo. Durante troca de carícias, Najila perguntou sobre o preservativo, ele respondeu que não tinha trazido. Ela, então, afirmou que não ia acontecer nada além de troca de carinho.

“Eu disse que não ia acontecer nada além disso e continuamos. Então, ele me virou e praticou o ato”, revela.

Najila explica que começou a sentir dores e pediu para que Neymar parasse. O atleta, segundo ela, respondeu, “desculpa, linda”.

“Ele estava agressivo, totalmente diferente do cara que conheci nas mensagens. Como eu tinha muita vontade de ficar com ele, pensei em manejar, após beijos e carícias. Como não tinha camisinha, não quis concluir. E foi quando ele me despiu. Daí começou a me bater. Quando machucou, eu falei: ‘Para, está doendo’. Ele disse: ‘Desculpa, linda’. Disse que não ia acontecer nada por falta de preservativo. Ele me virou, cometeu o ato, ele me bateu. Eu falei: ‘Para, não’. Eu falei. Ele não se comunicava. Só agia”, descreveu.

A mulher ressalta que mandou uma fotografia com hematomas nas nádegas. Trecho divulgado pelo próprio Neymar em que ela diz “vai ter volta”. Ele responde, “vai ter volta nada”.

A modelo afirma que manteve conversas com o jogador depois do suposto estupro para garantir provas e realizar a denúncia. Najila explica ainda que só se deu conta da violência quando Neymar saiu.

“Quando me levantei e fui para o banheiro, não acreditei. Não consegui falar nada. Fiquei em estado de choque. Ele levantou, foi para o banheiro. Quando ele entrou por uma porta, eu saí por outra. Ele foi embora e eu entendi o que tinha acontecido, então eu quis fazer justiça. Quero que ele pague pelo que fez”.

O pai de Neymar esteve em programas de TV no início da semana e acusou o então advogado de defesa da modelo de extorsão. Najila nega. “Não houve tentativa de extorsão como o pai dele diz. Eu tenho uma dívida de R$ 4 mil na escola onde estudo, mas não queria dinheiro. Eu não iria me expor dessa forma para arrancar dinheiro do Neymar. Desculpa, eu não preciso disso”, concluiu.

A íntegra da conversa será exibida pelo SBT na segunda-feira (10).

Tem mais, circula nas redes sociais um vídeo que teria sido gravado por Najila no quarto de hotel em Paris. Nas imagens é possível ver os dois iniciando uma discussão na cama e na sequência, trocas de empurrões e tapas.

“Você me agrediu ontem e me deixou aqui sozinha”, acusa a modelo. Neymar parece tentar contê-la. O conteúdo dura apenas 40 segundos.

Hypeness

Pelo menos dois assaltantes morreram e um terceiro ficou gravemente ferido após trocarem tiros com policiais militares na manhã desta quinta-feira (6) na Zona Norte de Natal. Outros dois criminosos foram presos. Um deles, também ferido.

Segundo a Polícia Militar, os cinco estavam em um Citroen branco, roubado logo cedo na Avenida Jaguarari, no bairro de Lagoa Seca, na Zona Sul da cidade.

Após os criminosos realizarem outros assaltos utilizando o veículo roubado, viaturas da PM conseguiram localizar os bandidos.

Ainda de acordo com a PM, houve perseguição e os criminosos atiraram contra as viaturas. No revide, os bandidos perderam o controle do Citroen e acabaram subindo no canteiro de uma ciclofaixa na Avenida Moema Tinoco.

Uma das guarnições também foi atingida pelos disparos, mas nenhum policial foi atingido.

Fonte: G1RN

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, disse nesta quinta-feira (6) que o projeto de lei da Câmara que altera a Lei Geral de Telecomunicações (Lei 9.472, de 1997) deve voltar a ser discutido em breve. A senadora Daniella Ribeiro (PP-PB) é relatora da proposta (PLC 79/2016) na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) e está analisando o texto.

— A senadora Daniella está avaliando e tenho falado repetidamente a vocês sobre o PLC 79. Ela está fazendo as reuniões, conversando, tratando do tema e em breve vocês terão notícias — declarou Davi a jornalistas.

A proposta altera o regime de concessão da telefonia fixa, permitindo que seja feita por autorização à iniciativa privada. O projeto também transfere a infraestrutura de telecomunicações da União para as concessionárias que exploram o serviço desde a privatização do setor, em 1998.

Quando perguntado sobre a possibilidade de o projeto ser aprovado no Senado ainda no primeiro semestre, Davi não quis marcar prazo:

— A fé é a esperança das coisas não vistas.

Agência Senado

A Lei nº 13.840, de 5 de junho de 2019, que prevê, entre outras medidas, a internação involuntária de dependente de drogas, está publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (6). Ela foi sancionada ontem (5) pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e dispõe sobre o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas e as condições de atenção aos usuários ou dependentes e para tratar do financiamento das políticas sobre drogas.

No seu artigo 23-A, o texto diz que o tratamento do usuário ou dependente de drogas deverá ser ordenado em uma rede de atenção à saúde, com prioridade para as modalidades de tratamento ambulatorial, incluindo “excepcionalmente formas de internação em unidades de saúde e hospitais gerais nos termos de normas dispostas pela União e articuladas com os serviços de assistência social e em etapas”.

Entre essas etapas, está a que trata da internação do dependente, que somente deverá ser feita em “unidades de saúde ou hospitais gerais, dotados de equipes multidisciplinares e deverá ser obrigatoriamente autorizada por médico devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina (CRM) do estado onde se localize o estabelecimento no qual se dará a internação”.

De acordo com a lei, serão consideradas dois tipos de internação: voluntária e involuntária. Na internação involuntária, o texto diz que ela deve ser realizada após a formalização da decisão por “médico responsável e indicada depois da avaliação sobre o tipo de droga utilizada, o padrão de uso e na hipótese comprovada da impossibilidade de utilização de outras alternativas terapêuticas previstas na rede de atenção à saúde”.

O documento indica que a internação involuntária deverá ocorrer no prazo de tempo necessário à desintoxicação do paciente, “no prazo máximo de 90 dias, tendo seu término determinado pelo médico responsável; e que a família ou o representante legal poderá, a qualquer tempo, requerer ao médico a interrupção do tratamento”.

A lei prevê também que todas as internações e altas deverão ser informadas, em, no máximo, de 72 horas, ao Ministério Público, à Defensoria Pública e a outros órgãos de fiscalização, por meio de sistema informatizado único”.

Agência Brasil