Categoria: Uncategorized

Um jovem de 13 anos morreu em Montes Claros, cidade de Minas Gerais, após utilizar o celular enquanto carregava o aparelho na tomada.

Wender Santos Bezerra, disse a família à Polícia Militar local, continuou usando o aparelho para ouvir músicas, acoplando nele um fone de ouvido e tendo se sentado em uma cadeira próxima. Uma descarga elétrica acabou derrubando-o. Segundo as informações da PM, ele chegou a ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de de Urgência e Emergência (Samu), mas não resistiu.

O corpo de Wender foi velado na manhã do último sábado, 7. O Instituto Médico Legal registrou o caso em sua autópsia preliminar como “morte por causa indeterminada”, mas uma necrópsia contendo os detalhes exatos deve sair em até 30 dias.

O caso serve como conto de cautela para o uso do celular enquanto o aparelho se encontra em recarga. Em outubro de 2019, um homem morreu na Tailândia, também eletrocutado, após dormir com diversos smartphones em sua cama, todos plugados na tomada. Na Rússia, também houve o caso de uma jovem que morreu após seu celular, que estava carregando, cair na banheira enquanto ela se banhava.

O consenso dos especialistas em aparelhos eletroeletrônicos é o de evitar o uso do smartphone quando este se encontra conectado à tomada. Em caso de necessidade de uso, é bom desconectá-lo antes, usá-lo e depois reconectá-lo. Mais além, é praxe que se recomende apenas o uso de carregadores originais, assegurar-se da qualidade das tomadas e fiações elétricas onde se pretende carregar o aparelho, não utilizá-lo caso ele esteja esquentando demais ou rapidamente, além de evitar carregá-lo em ambientes úmidos como banheiros, para que ele não seja casualmente usado durante o banho.

AGORA RN

Num final de ano de seguidas altas da carne bovina, suína e de frango, por conta do aumento das exportações brasileiras para a China, a única proteína que ainda continua com os preços intocados é o peixe. Valorizado apenas na Semana Santa, pescados como a tilápia, o meca, o atum e a corvina, sem falar do salmão, mantiveram os mesmos preços de meses anteriores, mas continuarão frequentando pouco as ceias natalinas.

“É tradição, as pessoas querem carne bovina e suína, sem se dar conta que os peixes e crustáceos são uma excelente opção para ir às mesas no Natal e Ano Novo”, lembra Allan Dantas, atacadista-distribuidor da Ceasa, presidente do Sindicato dos Permissionários da Central.

Com um giro anual superior a R$ 70 milhões por ano, a Central Estadual de Abastecimento comercializa no atacado e no varejo 60% de seus estoques em hortifrúti, mas o valor grosso em dinheiro vem dos 25% da venda de carnes em geral pelo valor agregado em diferentes cortes.

Só que este ano, os preços da proteína animal estão um teste para o bolso dos consumidores. Segundo Allan Dantas, em termos de varejo, o contrafilé, a carne mais procurada nas festas de Natal a Ano Novo, pelo menos na Ceasa, custa em média R$ 42,00 o quilo; a picanha, a segunda na predileção dos consumidores, entre R$ 40 e R$ 42 o tipo B e a R$ 50 o tipo A.

Em terceiro lugar vem o colchão mole, que sai por R$4 39 a R$ 41 o quilo, seguido pelo patinho (R$ 34 a R$ 36). Já a costela, uma carne muito procurada para os churrascos de Natal e Ano Novo, custa entre R$ 16 a R$ 18.

Mesmo com uma margem de lucro bruto de 15%, ainda de acordo com Allan, as oito lojas de carne da Ceasa conseguem girar entre R$ 500 a R$ 600 mil por semana. “Se considerarmos que dentro dessa margem os comerciantes tiram o custo dos funcionários, impostos, energia e impostos, mesmo assim o volume movimentado é interessante”, diz ele.

Segundo o varejista, com 60% de hortifrúti, 20% de carnes, 15% de cereais e 5% de embalagens descartáveis, os negócios neste fim de ano para os mais de 400 permissionários do Ceasa será ligeiramente melhor do que ano passado.

“Temos aqui uma movimentação média diária entre a R$ 20 mil a R$ 30 mil e não foi muito diferente do ano passado por causa das altas da carne bovina e do frango no segundo semestre”, ele afirma.
Subprodutos como os ovos também acompanharam. “Uma dúzia de ovos que eu pagava na semana passada R$ 6,50, já comprei esta semana por R$ 7,70. Isso deve ter atingido muitos produtos à base de ovo”, conclui.

Comerciantes do Ceasa ouvidos nesta segunda-feira pelo Agora RN disseram que a grande a esperança dos varejistas da Ceasa é que o Governo do Estado pague o 13º salário dos servidores.

“Não que eles (servidores) venham aqui gastar diretamente, mas o dinheiro deles irrigar o comércio de alimentos e supermercados que reabastecem seus estoques aqui”, diz Cleyton Cruz, gerente de uma das lojas mais tradicionais da Ceasa, com mais de sete mil itens nas prateleiras.

“Com a chegada das festas de fim de ano, 60% do que vendemos são frutas secas, temperos culinários que comercializamos à granel e artigos como vinagre, salsa e queijos”, diz ele.

“Pagamentos com o 13º dos servidores estaduais, liberação do FGTS, tudo isso sempre faz uma grande diferença para melhorar as vendas no atacado e no varejo”, acrescenta.

Criminosos roubaram quatro carros na noite desta segunda-feira (9) na BR-304 entre os municípios de Parnamirim e Macaíba, na Grande Natal. A rodovia liga Natal ao acesso sul do Aeroporto Internacional Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, também na região metropolitana, bem como ao interior do estado.

De acordo com o Inspetor Alexandre Magnos, da Polícia Rodoviária Federal (PRF), pelo menos quatro homens armados e encapuzados participaram do crime. “Eram assaltos em sequência. Eles roubavam veículos, deixavam no local e tomavam outros”, disse.

De acordo com Magnos, a PRF recuperou três dos quatro automóveis roubados pelos suspeitos. Um Pálio branco que, segundo o Inspetor, foi o primeiro carro a ser tomado pelos criminosos, ficou com duas portas danificadas.

Em um dos crimes, duas mulheres foram abordadas em um veículo Corolla de cor prata. Elas contaram que os criminosos as abordaram e tomaram o veículo. Elas foram levadas para a Central de Flagrantes da Zona Sul de Natal para prestar queixa.

G1

A Receita Federal do Brasil exigirá, a partir de 1º de janeiro de 2020, que todas as encomendas e remessas internacionais possuam a identificação do CPF/CNPJ/Número do Passaporte do destinatário para ter o despacho aduaneiro iniciado. A falta dessa informação poderá acarretar a proibição da entrada da encomenda e sua devolução ao exterior ou destruição, nos casos em que a devolução não seja possível.

Essa informação deve ser prestada na hora da compra on-line e encaminhada juntamente com a encomenda em seu transporte. Caso não seja informado no momento da compra, ou o remetente não os encaminhe o dado juntamente com a remessa, os Correios possuem uma ferramenta para prestação dessa informação na página da internet, por meio do rastreamento ou do portal “Minhas Importações”.

Será necessário realizar o cadastro no Portal, informando o CPF (pessoa física), CNPJ (pessoa jurídica) ou Número do Passaporte (estrangeiro), bem como definir login e senha.

Após o cadastro, informa a Receita, basta realizar a pesquisa por encomendas e fazer a vinculação das remessas no ambiente “Minhas Importações”. Somente após a prestação dessa informação, as encomendas poderão ser apresentadas à fiscalização aduaneira.

 Agência Brasil

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) ainda não iniciou o processo para licenciamento de implantação da planta piloto de geração eólica offshore, a cerca de 20 km da costa de Guamaré, no Rio Grande do Norte. Em entrevista Portal No Ar, o órgão informou que aguarda que a Petrobras proceda com os procedimentos para iniciar o processo de licenciamento para a construção de torres eólicas no Campo de Ubarana, na costa potiguar.

“Embora a Petrobras tenha publicado a entrega dos estudos ambientais e a solicitação de licença no Diário Oficial da União, a empresa (Petrobras) ainda não efetuou os procedimentos administrativos necessários à formalização do requerimento da licença”, informou o Ibama. O requerimento da estatal data de 4 de outubro, publicado no Diário Oficial da União (DOU) três dias depois. O Ibama disse ainda que encaminhou, na última sexta-feira, 6, ofício informando à Petrobras os direcionamentos para a continuidade do processo de licenciamento ambiental.

Na publicação do DOU, a companhia não detalha o projeto, mas o potencial eólico em alto mar (offshore). “Instalaremos até 2022 a primeira planta eólica do Brasil em alto-mar, no polo de Guamaré, no Rio Grande do Norte. A nova planta, em fase de projeto, será um piloto e ampliará a nossa capacidade de geração eólica. A escolha da região não é casual: considerando também o Ceará, o potencial eólico offshore dos dois estados é de cerca de 140 GW (gigawatts). Isso equivale a mais de dez vezes a capacidade — e 90% da potência total — instalada hoje no Brasil”,  anunciou a Petrobrás ao apresentar sua planta offshore em agosto de 2018 na nona edição do congresso Brazil Windpower, no Rio de Janeiro.

O Campo de Ubarana foi o primeiro a ser descoberto na bacia potiguar em operação desde 1976 e a ideia é instalar as torres de geradores ao lado das plataformas já construídas. Para chegar ao projeto das produção no mar, foi elaborado um atlas que retratou o potencial eólico nos litorais potiguar e cearense e foram firmadas parcerias com as universidades federais do Rio Grande do Norte (UFRN), de Juiz de Fora (UFJF) e do Rio de Janeiro (UFRJ).

A instalação de uma torre de 80 metros em plataforma demanda um ano em licenças, de 3 a 8 meses de montagem e tem uma estimativa de investimento para instalação que pode chegar a 20 milhões de euros, além do alto custo para operação e manutenção no mar. Uma vantagem do nosso país é que os litorais do Rio Grande do Norte e do Ceará contam com uma vasta área com profundidades inferiores a 50 m — em alguns casos, a distâncias de até 70 km em relação à costa — condição que permite a utilização de subestruturas mais simples para a geração eólica offshore.

Com campos em águas rasas e campos terrestres, a região de Rio Grande do Norte está entre as maiores produtoras de petróleo onshore (em terra) do Brasil. O estado potiguar lidera a produção dessa matriz energética no país e alcançou a capacidade instalada de 4 gigawatts de produção, em março desse ano, conforme dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a partir da operação de dois parques da Copel, em São Bento do Norte. Ao todo, já são 151 parques instalados e mais de 1,5 mil aerogeradores em operação. Cada 1 GW é suficiente para abastecer entre 1,5 e 2 milhões de pessoas.

Portal no Ar

Uma pesquisa realizada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado mostrou o Whatsapp como principal fonte de informação dos entrevistados: 79% disseram receber notícias sempre pela rede social.

O ambiente possui mais de 136 milhões de usuários no Brasil, sendo a plataforma mais popular juntamente com o Facebook.

Depois do Whatsapp, outras fontes foram citadas, misturando redes sociais e veículos tradicionais na lista dos locais onde os brasileiros buscam se atualizar. Apareceram canais de televisão (50%), a plataforma de vídeos Youtube (49%), o Facebook (44%), sites de notícias (38%), a rede social Instagram (30%) e emissoras de rádio (22%). O jornal impresso também foi citado por 8% dos participantes da sondagem e o Twitter, por 7%.

No caso da televisão, o percentual foi maior entre os mais velhos: 67% dos consultados com mais de 60 anos disseram se informar sempre por esse meio, contra 40% na faixa entre 16 a 29 anos.

Já o Youtube apareceu como mais popular entre os mais jovens. Os que afirmaram ver vídeos sempre na plataforma chegaram a 55% na faixa de 16 a 29 anos, contra 31% entre os com 60 anos ou mais.

No caso do Instagram, a diferença é ainda maior. Entre os jovens, 41% relataram buscar informações sempre na rede social. Já na faixa dos 60 anos ou mais, o índice caiu para apenas 9%.

A pesquisa também avaliou os hábitos dos entrevistados nas redes sociais. O tipo de ação mais comum foi a curtida de publicações, ato realizado sempre por 41% dos participantes da sondagem. Em seguida, vieram compartilhamento de posts (20%), publicar conteúdos (19%) e comentar mensagens de outros (15%).

Método

A pesquisa ouviu 2.400 pessoas com acesso à internet em todos os estados e no Distrito Federal. As entrevistas foram realizadas por telefone no mês de outubro.

A amostra foi composta de modo a buscar reproduzir as proporções da população, como as de gênero, raça, região, renda e escolaridade. Segundo os autores, o nível de confiança é de 95%, com margem de erro de dois para mais ou para menos.

Agência Brasil

A Caixa começa a pagar, nesta terça-feira (10), o benefício Abono Natalino do Programa Bolsa Família, um pagamento adicional que permite às famílias beneficiárias receberem, no total, o dobro do benefício do mês de dezembro.

A ação de pagamento atende à Medida Provisória nº 898/2019, editada pelo Governo Federal em outubro de 2019.

ROBSON PIRES

Entre o dia 25 de novembro e 2 de dezembro, 550 quilos de cocaína foram interceptados na Holanda dentro de caixas de frutas exportadas através do Porto de Natal. A quantidade é a soma de três operações das autoridades holandesas e foi confirmada pela Receita Federal nesta segunda-feira (09). A informação é destaque na Tribuna do Norte desta terça (10).

Com isso, entre novembro do ano passado e o início de dezembro deste ano, o Rio Grande do Norte movimentou ao menos 15,8 toneladas de cocaína. No último sábado (07), a Polícia Federal apreendeu 1,2 tonelada de cocaína dentro de um contêiner, a caminho do porto, e em galpões de Parnamirim. O terminal marítimo da capital potiguar ainda opera sem escâner de carga, aparelho capaz de identificar a presença da droga.

TN