Categoria: Uncategorized

Depois de fazer uma doação para uma festa infantil, a confeiteira Cida Guilherme foi humilhada pela mãe da criança nas redes sociais. A mulher, que havia feito o pedido alegando que não tinha condições de comprar um bolo, achou a doação ruim e usou a internet para expor suas críticas marcando a benfeitora na publicação.

A confeiteira conta que não conhecia a mulher antes de ver sua postagem com o pedido. Cida disse também que a mãe explicou que ela e o marido estavam desempregados e pediam um bolo para não deixar o aniversário da filha passar em branco, e que só pretendiam cantar parabéns com outras quatro pessoas.

Cida entregou, além de um bolo decorado, 100 salgados e 50 doces para a mãe. No entanto, ao invés de agradecer, a mulher reclamou e disse que esperava um bolo maior e mais comida, já que havia convidado 50 pessoas para a reunião.

Ao verem a postagem, clientes, amigos e familiares de Cida saíram em defesa da confeiteira. A publicação chegou a mais de 7 mil compartilhamentos e 5 mil reações.

Leia também: Novo fragmento de osso é achado em obra na região do Ibirapuera (SP) 

Depois da repercussão, a mulher que fez a publicação já excluiu sua rede social, mudou o número de telefone e não se desculpou. Porém, algumas semanas atrás uma parente dela entrou em contato com Cida para dizer que ela estava arrependida e pedia a doação de outro bolo.

Cida disse que doaria o bolo desde que a mãe levasse a criança na casa dela para que cantassem parabéns lá. A mulher não aceitou.

Rotina de ajuda

A confeiteira demorou para ver a publicação porque na época tinha sofrido três paradas cardíacas e ficou 15 dias em coma.

Cida conta que sempre fez doações e montou um projeto no qual dá aulas de culinária para as crianças da sua comunidade. Atualmente o projeto está parado pois o marido de Cida, quem comprava todos os mantimentos da aula, ficou desempregado.

Portal R7

Na resolução aprovada hoje com regras de uso do fundo eleitoral, o TSE proibiu partidos de repassarem parte do montante que receberem para legendas ou candidatos não coligados.

Esse tipo de transferência chegou a ser defendida pelo ministro Tarcísio Vieira na sessão, porque a lei eleitoral não a proíbe expressamente.

“Eu fico me perguntando se teríamos espaço para em resolução criar norma proibitiva dessa estratégia que em princípio estaria albergada da cláusula da autonomia dos partidos”, afirmou.

Relator da resolução, Luís Roberto Barroso rechaçou essa possibilidade, considerada por ele como um desvio de finalidade.

“A legislação prevê os destinos do fundo. Eu acho que é desvio de finalidade, primeiro porque são os candidatos que têm direito àquele recurso. Portanto, acho que os partidos não têm nem autonomia para retirar dinheiro de seus candidatos para dar para candidatos de outro partido. E segundo, o propósito do fundo é dar recursos para o partido que, pela legislação, fazia jus àquele dinheiro. Se você pode redistribuir, pode fazer acordos extremamente espúrios para receber dinheiro, em troca de comissão ou vantagem. Eu não abriria essa porta”, afirmou.

Barroso foi acompanhado por outros cinco ministros e venceu a discussão.

Antagonista

Seis ruas estão sendo pavimentadas no local, sendo que algumas estão com obras concluídas, entre elas, as ruas Agenor Xavier, São Joaquim e Santa Isabel, além das travessas São Francisco, Santo Amaro, São Raimundo. Na travessa São Paulo as obras estão em andamento. Mais de 900 ml reais foram investidos nas obras.

No Loteamento Santa Rosa, a Rua Antônio Maciel está pavimentada. Mais de 700 mil reais foram investidos na pavimentação da via, que conta com mais de 1 quilômetro de extensão e calçadões para os moradores caminharem.

Investimento da Prefeitura na chamada “Caravana das Obras”, maior conjunto de trabalhos de pavimentação da história do município. Mais de 200 ruas pavimentadas em áreas urbanas e rurais. Nos últimos quatro meses, foram inauguradas obras em Campinas, Porto Feliz, Novo Alecrim, Lagoa do Mato, Riacho do Sangue, Tapará, Tabatinga e Canabrava.

Fotos: Márcio Lucas e Sérgio Silva

Assecom-PMM

Imagem: Divulgação/Polícia Civil

Policiais civis da Delegacia Municipal de Macaíba deram continuidade à 5ª Fase da Operação “Espectros”, nesta segunda-feira (16). Durante a ação, foram presos Josuel Nunes da Silva, 26 anos, e Francisco Barbosa dos Santos, 42 anos, conhecido como “Galego”.

Josuel Nunes foi preso no bairro das Quintas, Zona Oeste de Natal, em cumprimento a mandados de prisão preventiva e por sentença condenatória, pelos crimes de roubo e receptação. Ele foi condenado a uma pena de 6 anos e 4 meses. Francisco Barbosa foi preso na cidade de Macaíba, em razão de um mandado de prisão decorrente de sentença condenatória, pela prática de crime de roubo.

O nome da operação, “Espectros”, faz alusão ao modo de vida adotado pelos suspeitos, que possuíam mandados de prisão em aberto e agiam como “fantasmas” na sociedade. O objetivo era não chamar a atenção da polícia, diante da existência das ordens de prisão em desfavor deles.

A operação continua e a Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima, através do Disque Denúncia 181.

PC/RN-ASSECOM

Foto: (Reprodução)

O caminho da seleção brasileira para garantir uma vaga na Copa do Mundo de 2022, no Catar, foi traçado na manhã de hoje (17) pela Conmebol, que sorteou os confrontos das eliminatórias sul-americanas.  O Brasil estreia em casa contra a Bolívia em março do 2020 e volta a enfrentar os bolivianos na última rodada, na casa do adversário, em novembro de 2021.

Serão 18 rodadas em que todos os países da confederação (Brasil, Uruguai, Chile, Colômbia, Venezuela, Paraguai, Peru, Argentina e Equador) jogam entre si, em jogos de ida e volta. Os quatro mais bem classificados asseguram vaga na Copa do Mundo. O quinto colocado ainda terá chance de brigar por uma vaga: está prevista m uma disputa no formato mata-mata, com jogos de ida e volta, contra uma seleção de outro continente, ainda a ser definida pela Fifa.

Confira a sequência de jogos da seleção brasileira:

Brasil x Bolívia

Peru x Brasil

Brasil x Venezuela

Uruguai x Brasil

Colômbia x Brasil

Brasil x Argentina

Brasil x Equador

Paraguai x Brasil

Chile x Brasil

Brasil x Peru

Venezuela x Brasil

Brasil x Uruguai

Brasil x Colômbia

Argentina x Brasil

Equador x Brasil

Brasil x Paraguai

Brasil x Chile

Bolívia x Brasil

Agência Brasil

Foto: SANDRO MENEZES/ASSECOM/RN

O Governo do Rio Grande do Norte segue trabalhando para destravar investimentos e gerar mais desenvolvimento para o estado. Uma dessas ações é a construção do trecho da Estrada da Produção em São Gonçalo do Amarante, que representa um investimento de R$ 22 milhões em infraestrutura rodoviária.

As medidas necessárias para a execução da obra, que é parte do plano de aplicação do projeto Governo Cidadão, foram discutidas em reunião na manhã desta terça-feira (17), com a participação da governadora Fátima Bezerra e o prefeito de São Gonçalo do Amarante, Paulo Emídio. “Estamos fazendo os encaminhamentos necessários para destravar a obra, assim como já fizemos com várias outras ao longo do ano. O nosso compromisso de construir a estrada segue firme”, afirmou a governadora.

Durante a reunião com a equipe do Governo, formada pelo diretor geral do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema) Leon Aguiar e o diretor geral do Departamento de Estradas de Rodagem do RN (DER-RN) Manoel Marques, o secretário Fernando Mineiro (Gestão de Projetos e Metas), que também integrou a discussão, relatou as ações que estão sendo tomadas. “As demandas ambientais estão sendo fechadas para encaminhar ao Banco Mundial para autorização final da obra”, explicou o secretário Fernando Mineiro.

Para o prefeito, a reunião foi importante pela reafirmação do compromisso da gestão estadual com o investimento. “Nós saímos da reunião satisfeitos, pois o Governo reforçou o compromisso com São Gonçalo do Amarante e temos certeza que a estrada será construída”, disse Paulo Emídio, que esteve acompanhado do vice-prefeito Eraldo Paiva e do secretário municipal Vagner Araújo.

A construção da estrada vai representar um salto no desenvolvimento da região, facilitando o escoamento de produtos e incrementando o turismo do RN, além de ser uma nova conexão entre a Região Metropolitana de Natal e o interior do estado. A Estrada da Produção conta com dois trechos, conectando o centro de São Gonçalo do Amarante ao distrito de Serrinha, a partir do acesso sul ao Aeroporto até a RN-312, e à localidade de Boa Vista.

Informações da ASSECOM/RN

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) retornou ontem (16) à liderança da bancada do PSL na Câmara dos Deputados. O retorno à liderança ocorreu após suspensão, pela Justiça, da decisão da Executiva Nacional do partido que suspendeu 14 deputados, entre eles Eduardo Bolsonaro.

O afastamento dos deputados ocorreu na semana passada, após a Mesa Diretora da Câmara ter recebido a decisão da Executiva Nacional do PSL. O partido puniu os deputados com diferentes penas de suspensão que variam de três a 12 meses.  A sanção também previa o afastamento do exercício de funções de liderança ou vice-liderança, bem como o impedimento de orientar a bancada em nome do partido.

Com o afastamento de Eduardo Bolsonaro, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) assumiu o cargo de líder da bancada na última terça-feira (10). No dia seguinte, uma decisão da Justiça suspendeu a punição aplicada pelo partido.

A divisão do PSL se intensificou no início de outubro quando o presidente Jair Bolsonaro questionou a transparência das contas do partido, dividindo a legenda em dois grupos: os leais a Luciano Bivar, presidente do PSL; e os favoráveis ao presidente Jair Bolsonaro. Ainda em outubro, o grupo leal ao presidente conseguiu fazer a troca na liderança do partido, tirando o Delegado Waldir e colocando Eduardo Bolsonaro.

MOSSORÓ NOTICIAS

Na última sessão de 2019 o plenário do Senado aprovou, nesta terça-feira (17), com 51 votos favoráveis e 15 contrários, a Medida Provisória (MP) 893/19, que transfere o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Economia para o Banco Central (BC). O texto segue para sanção presidencial.

Com a MP às vésperas de perder a validade, os senadores confirmaram o mesmo texto aprovado pelos deputados. Na Câmara, alguns pontos do texto sugerido pelo Executivo foram retirados, como a mudança de nome do Coaf para Unidade de Inteligência Financeira (UIF) e a transformação do plenário (órgão colegiado) em conselho deliberativo. Ainda na Câmara, destaque aprovado por acordo entre os partidos retirou das atribuições do órgão a de produzir informações para o combate ao financiamento do terrorismo.

A favor

Antes da votação, o senador José Serra ( PSDB -SP) defendeu a matéria, afirmando que há uma nova estrutura do Coaf, com 12 conselheiros de áreas específicas do setor público, indicados pelo respectivo ministro de estado. “A direção do Coaf será composta fundamentalmente por servidores efetivos, medida política fundamental para blindar o órgão de indicações políticas. Ou seja, não haverá integrantes do COAF, não haverá conselheiro do COAF que não seja servidor público. Havia ideia de que pudesse vir também da área privada, que nós rejeitamos”.

Ainda segundo Serra, a responsabilização dos envolvidos e aplicação de sanções em caso de vazamentos de relatórios do COAF, com base na Lei de Proteção de Dados é outra medida essencial para evitar interferências políticas no órgão e assegurar o seu caráter técnico e imparcial.

Contrário

Já o senador Álvaro Dias ( Podemos-PR) criticou o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) por, mais uma vez, pautar uma medida provisória na Casa, às vésperas da matéria perder a validade e sem que os senadores discutam amplamente o tema. Dias também disse que de novo o Senado faz o papel de chancelador de propostas vindas dos deputados. “O Senado aprovou novos procedimentos para a tramitação [ mínima] das medidas provisórias [ em cada Casa], e a Câmara dos Deputados nos apequenou, desrespeitando uma decisão desta Casa na esteira de um entendimento celebrado entre os dois presidentes. Portanto, continuamos aceitando a condição de chancelaria. Somos apenas homologadores. Não podemos aprimorar legislação alguma. E quase sempre somos acusados de maus legisladores. A reforma da previdência é o exemplo mais recente”, criticou.

Coaf

O Coaf tem a atribuição de monitorar as atividades financeiras e de produzir informações para prevenir e combater a lavagem de dinheiro, aplicando penas administrativas a entidades do sistema financeiro que não enviarem os dados necessários para esse trabalho de inteligência.

AGÊNCIA BRASIL

Uma mulher de 23 anos morreu de overdose na manhã desta terça-feira (17) em Baía Formosa, litoral sul do Rio Grande do Norte, segundo a Polícia Militar. A PM suspeita que ela tenha engolido cocaína antes de ser abordada por policiais.

De acordo com a corporação, Thalita da Silva Melo e o namorado dela foram abordados por militares na tarde desta segunda-feira (16) na entrada de Baía Formosa e liberados em seguida. A PM disse que na madrugada ela deu entrada no Hospital da cidade e o namorado disse que ela tinha engolido a droga.

De acordo com militares, médicos tentaram fazer a retirada do material mas ela não resistiu. A Polícia suspeita que ela tenha ingerido a droga ao perceber a aproximação da Polícia, na tarde da segunda.

A PM disse que o namorado dela responde a dois processos; um por tráfico de drogas e outro por assalto.

G1

O presidente Jair Bolsonaro sancionou sem vetos o projeto que reestrutura a carreira de militares e traz novas regras para Previdência. O texto, validado pelo presidente sem vetos, foi publicado em edição do Diário Oficial da União desta terça-feira, 17.

Agora convertido em lei, o projeto de reforma dos militares foi enviado pelo Palácio do Planalto ao Congresso no primeiro semestre.

Na semana passada, Bolsonaro disse que sancionaria o texto em breve e exaltou o papel dos militares durante almoço de fim de ano das Forças Armadas.

“Os tempos mudaram. Nós sancionaremos daqui a alguns dias o projeto de proteção social dos militares. E os tempos mudaram porque temos mais do que um presidente, um governo que respeita família, respeita o seu povo, ao qual nós devemos lealdade, um governo que adora a Deus e reconhece o valor de seus militares”, disse na última segunda-feira, 9.

A reforma foi elogiada na ocasião pelo comandante da Marinha, Ilques Barbosa, e pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo.

Os militares, base de forte apoio para eleição de Bolsonaro, conseguiram que na mesma proposta de reforma fosse incluída a reestruturação nas carreiras das Forças Armadas, um pleito antigo da categoria.

A estimativa era que R$ 10,45 bilhões seriam economizados em dez anos considerando as novas regras de aposentadoria e as benesses concedidas a integrantes do Exército, Marinha e Aeronáutica.

Apesar das mudanças feitas no Congresso, técnicos do Ministério da Economia afirmam que o impacto fiscal não sofreu muita alteração para a União. A Câmara aliviou os requisitos para quem ainda vai se aposentar e, em troca, previu um aumento mais rápido da tributação paga pelos militares como forma de bancar as pensões.

Em relação à contribuição, o novo texto prevê que a alíquota suba dos atuais 7,5% para 9,5%, em 2020, e para 10,5%, em 2021. A proposta original previa um escalonamento para chegar em 10,5% em 2022.

A ideia do governo era que, para entrar na reserva, seria necessário completar os 30 anos de contribuição mais um “pedágio” de 17% sobre o tempo restante. O projeto prevê um aumento, de 30 anos para 35 anos, no tempo mínimo de serviço apenas para quem ainda ingressar nas Forças.

Parlamentares ligados à área de segurança pública articularam a inclusão de policiais militares e bombeiros na proposta. O projeto convertido em lei prevê que esses profissionais seguirão as mesmas regras das Forças Armadas e pagarão as mesmas taxas de contribuição.

Essas categorias querem aposentadoria integral e que o benefício seja corrigido de acordo com os aumentos dados a quem está na ativa. Com as mudanças feitas, a previsão de economia de aproximadamente R$ 53 bilhões para os estados, com a reforma para policiais militares e bombeiros, poderá sofrer alteração.

Folhapress