Saúde Arquivo

A Prefeitura de Macaíba tem realizado uma série de reformas nas unidades de saúde nos quatro cantos do município, tanto na zona urbana quanto na zona rural. Um bom exemplo disso pode ser constatado no distrito de Cajazeiras, nas adjacências da Reta Tabajara.

O posto de saúde local está praticamente novo após os serviços realizados por intermédio da Secretaria Municipal de Infraestrutura – SMIN, que variam desde a troca das instalações elétricas e hidráulicas, pintura, acabamento, até a otimização dos ambientes.

Outra melhoria significativa nessa unidade de saúde é a chegada recente de um novo consultório odontológico, acompanhado por diversos equipamentos que irão aprimorar o atendimento dos pacientes da região.

Assecom-PMM

Enquanto o governo faz e refaz contas do orçamento, o setor público segue produzindo exemplos de desperdício de dinheiro.

Da varanda de casa, dá para ver o prédio pronto há quase cinco anos, mas, até hoje, a dona Maria não viu nenhum paciente.

“Eu fico revoltada e triste também. O dinheiro da gente foi ali”, disse a dona de casa Maria Ferreira de Souza.

A Unidade de Pronto Atendimento 24 horas em Votorantim, no interior de São Paulo, custou quase R$ 3 milhões e nunca funcionou. São dez consultórios, salas para enfermagem, vacina, pediatria e até uma UTI. Por mês, mais de 30 mil pessoas poderiam ser atendidas lá.

“Estão destruindo nosso dinheiro, jogou no ralo. A gente precisa do médico e não tem”, contou a dona de casa Maria de Lourdes França Ferreira.

Uma outra UPA também está pronta há quatro anos, mas nada de funcionar. Dona Maria da Luz tem que andar mais de três quilômetros com o pai na cadeira de rodas para conseguir atendimento.

“Dá uma revolta, uma tristeza, ver meu pai assim e ter que correr com ele se arrastando por aí”, disse ela.

A construção das UPAs é uma parceria entre o governo federal e os municípios. O Ministério da Saúde libera o dinheiro para obra e a prefeitura tem que equipar e contratar os funcionários. Em Votorantim, a prefeitura diz que precisaria de R$ 24 milhões por ano para manter as duas UPAs. E já avisou ao ministério que vai usar os prédios apenas como postos de saúde.

“Nós não temos dinheiro hoje, a projeção para 2018 também não nos permite fazer isso. Isso acarreta equipamento, manutenção, custeio em geral e, principalmente, folha de pagamento”, disse o secretário de Planejamento de Votorantim, Carlos Laíno.

Esses casos não são exceção. O Ministério da Saúde confirmou que, no Brasil, 163 unidades de pronto atendimento novinhas não funcionam. Outras 340 estão em obras e sem previsão de quando vão começar a atender a população. Em Jundiaí, também em São Paulo, três UPAs que custaram R$ 17 milhões ainda não estão prontas. As obras estão paradas por problemas estruturais.

“Os projetos estão errados, colocam em risco a vida das pessoas. Assim que nós fizermos a correção desses projetos nós vamos dar sequência à construção dessas UPAs”, disse o prefeito de Jundiaí, Luiz Fernando Machado.

Mas não são só as unidades de pronto atendimento, que deveriam funcionar 24 noras, que estão fechadas. Em todo o país, quase mil unidades básicas de saúde também estão sem atender ninguém; 95 delas só no estado de São Paulo.

Uma delas foi construída pela prefeitura de Araçoiaba da Serra. O prédio está prontinho. Uma das salas da enfermagem tinha duas pias, mas como não tem nenhuma segurança, os vândalos já entraram e levaram. O prédio está abandonado.

Quase R$ 2 milhões do Ministério da Saúde foram gastos com a obra entregue há dois anos. A prefeitura vai ter que fazer uma baita reforma. O teto está cheio de mofo, as portas e vidros quebrados e as instalações elétricas destruídas.

“Queremos ver se num curto espaço de tempo, no máximo até o ano que vem, nós possamos recuperar todo o prédio para ele ser utilizado e atender à população da região”, disse o prefeito de Araçoiaba da Serra, Dirlei Salas.

“Fica triste porque poderiam ter inaugurado, estar funcionando. Tanta gente de idade que precisa e desse jeito aí, tudo quebrado, não inaugura nada”, contou a dona de casa Lázara Carmelina Antunes.

O Ministério da Saúde declarou que notificou todos os estados com obras paradas, e que os governos estaduais e municipais precisam apresentar um programa para pôr as unidades em funcionamento. Segundo o ministério, os administradores que não usarem o prédio vão ter que devolver o dinheiro.

Vídeo da matéria aqui: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2017/08/mais-de-160-upas-no-pais-estao-prontas-sem-funcionamento.html

Ainda temos o alarmante número de 37 milhões de pessoas vivendo com HIV no mundo e 2 milhões de novas infecções a cada ano, de acordo com a IAS, sigla em inglês para Sociedade Internacional de AIDS. E a doença que vem sendo estudada há mais de 30 anos não para de surpreender.

Estudos recentes sugerem que algumas bactérias na vagina podem aumentar o risco de HIV e agora há evidências de que a composição do microbioma do pênis também é importante, segundo estudo publicado no periódico científico mBio.

Os dados são resultados de um estudo maior com duração de dois anos sobre circuncisão. No experimento uma equipe de pesquisadores analisou as bactérias presentes no prepúcio de pacientes na Uganda.

O teste realizado entre 2004 e 2006 incluía 182 pacientes não circuncidados. Entre eles, 46 se infectaram com HIV e 136 não se infectaram. Todos tinham aproximadamente a mesma quantidade de bactérias em seus pênis, mas aqueles que acabaram contraindo o vírus tinham numeros muito maiores de tipos de bactérias que não precisam de oxigênio para sobreviver, organismos anaeróbios.

Os pesquisadores acreditam que embora o sexo seguro seja a melhor forma de prevenção, pode ser que no futuro seja possível controlar bactérias específicas no pênis com um antimicrobiano para dessa forma ajudar a reduzir ainda mais os riscos de infecção por HIV.

Foco no tratamento

A doença que já foi considerada uma sentença de morte hoje traz novas perspectivas de tratamentos, como foi possível observar na nona edição da Conferência de Investigação sobre o HIV, organizada pela Sociedade Internacional contra a Aids, que trouxe novos olhares e expectativas. Entre os destaques está um estudo que pode mudar a forma de tratamentos dos infectados: uma injeção mensal para substituir os comprimidos diários. As doses poderão ser administradas a cada quatro semanas ou a cada oito.

Atualmente o tratamento é feito com um comprimido por dia. Embora ainda não seja possível eliminar o vírus por completo, os antirretrovirais controlam a doença para que os pacientes possam viver mais e melhor, além de diminuir consideravelmente os riscos de transmissão.

Segundo informações divulgadas pelo último relatório da Unaids, Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, mais da metade dos 36,7 milhões de soropositivos estavam recebendo medicamentos contra o vírus em 2016. O equivalente a 53% do pacientes estavam tomando antirretrovirais com melhores expectativas de vida.

O documento também mostra que entre os anos de 2000 e 2016 o número de mortes relacionadas à doença foi reduzido em 12% na América Latina. A nível global a queda foi de 48% entre os anos de 2005 e 2016, passando de 1,9 milhão para 1 milhão. “Estamos no ritmo para se alcançar a meta de ter 30 milhões de pessoas em tratamento em 2020, para a partir daí chegarmos a 2030 com essa epidemia sob controle”, disse em depoimento o vice-diretor executivo do Unaids, Luiz Loures.

Yahoo

Visando oferecer melhor atendimento e otimizar os espaços de suas unidades de saúde, a Prefeitura de Macaíba está realizando uma série de obras de reestruturação. Os primeiros postos a serem contemplados são os localizados nas Campinas, Vilar, Canabrava e Loteamento Esperança.

Os serviços incluem pintura, instalação de novas instalações elétricas e hidráulicas e climatização de ambientes. Em breve, outras unidades serão atendidas, tanto em áreas urbanas quanto rurais.

Além dessas obras que estão sendo realizadas pela Secretaria Municipal de Infraestrutura, vários postos também estão recebendo novos equipamentos como consultórios odontológicos, autoclaves, aparelhos de ar-condicionado, aparelhos de raios X odontológicos, compressores, refrigeradores e televisores.

Assecom-PMM

Créditos: iStock/ilbusca

Sistema Único de Saúde (SUS) incluiu em sua lista de medicamentos o trastuzumabe, usado para tratar um tipo de câncer de mama agressivo, do subtipo HER2+.

O remédio passará a ser fornecido a pacientes em 180 dias, conforme publicado no Diário Oficial da União na última quinta-feira, 3, como informa matéria do G1.

O trastuzumabe chega a dobrar a sobrevida de pessoas em metástase (quando o câncer se espalha para outros órgãos e áreas do corpo). Cada dose chega a custar R$ 10 mil no mercado. Leia matéria completa.

O HER-2 é um gene que pode ser encontrado em todas as células do corpo, sua função é ajudar a célula nos processos de divisão celular, como explica o ginecologista e mastologista Roberto Hegg, ao Minha Vida, parceiro do Catraca Livre.

Via Catraca Livre

O genoma do vírus Zika, coletado no organismo de mosquitos do gênero Culex, foi sequenciado por cientistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Pernambuco. Com o sequenciamento, foi descoberto que o vírus consegue alcançar a glândula salivar do animal, o que indicaria, segundo a instituição, que o pernilongo pode ser um dos transmissores do vírus Zika.

Os resultados foram publicados hoje (9) na revista Emerging microbes & infections, do grupo Nature. O artigo é intitulado “Zika virus replication in the mosquito Culex quinquefasciatus in Brazil” e pode ser encontrado na íntegra na internet.

Os mosquitos do gênero Culex foram colhidos na Região Metropolitana do Recife, já infectados. A equipe do Departamento de Entomologia da instituição conseguiu, então, comprovar em laboratório que o vírus consegue se replicar dentro do mosquito e chegar até a glândula salivar. Foi fotografado por microscopia eletrônica, também pela primeira vez, a formação de partículas virais do Zika na glândula do inseto.

Também foi comprovada a presença de partículas do vírus na saliva expelida do Culex, coletadas pelos cientistas. De acordo com a Fiocruz, o artigo “demonstra” a possibilidade de transmissão do vírus Zika por meio do pernilongo na cidade. Será analisado agora “o conjunto de suas características fisiológicas e comportamentais, no ambiente natural, para entender o papel e a importância dessa espécie na transmissão do vírus Zika”, como informou a instituição em seu comunicado.

O genoma do zika já havia sido sequenciado em 2016 pelo Departamento de Virologia e Terapia Experimental da Fiocruz Pernambuco, em parceria com pesquisadores da Universidade de Glasgow, mas na ocasião foi usada uma amostra humana. Esse sequenciamento é uma espécie de mapa de cada gene que forma o DNA do vírus. Agora, pela primeira vez no mundo, o mapeamento é feito a partir do mosquito.

Agência Brasil

A Secretaria de Saúde de Macaíba começou um novo ciclo de cirurgia de catarata. Nesta segunda-feira (07/08), mais 10 pacientes foram encaminhados para o procedimento.

Desde o mês de abril deste ano a Prefeitura vem realizando mensalmente as cirurgias, representando, até o momento, um total de 80 feitas com sucesso.

O prefeito Fernando Cunha esteve presente na entrega e destacou a importância do serviço para a população. “Fazer a cirurgia significa, acima de tudo, o resgate da autoestima e mais qualidade de vida para os pacientes”.

Via Assecom-PMM

O Ministério da Saúde lançou, nesta sexta-feira (4), um documento voltado a orientar pais e empresas sobre os benefícios da licença-paternidade estendida. Os pais, com a Lei 13.257/2016 (Marco Legal da Primeira Infância), podem prorrogar de 5 para mais 15 dias o período desde que seja comprovado o seu envolvimento no desenvolvimento do bebê.

A maior ligação do homem com a criação do filho e sua aproximação com a mulher é o foco da campanha nacional de amamentação deste ano.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, explica que busca-se apoiar os pais que são motivados a estar mais próximos das crianças, “para que possam cada vez mais auxiliar as mães, criando um ambiente de conforto e condições adequadas para esta prática tão importante, que é a amamentação”, ressaltou. A amamentação é capaz de reduzir em 13% a mortalidade por causas preveníveis em crianças menores de 5 anos.

Para ter direito à licença-paternidade estendida, os pais precisam entregar os seguintes comprovantes: declaração do profissional de saúde informando a participação do pai no pré-natal, nas atividades educativas durante a gestação ou sua visita à maternidade.

Portal Brasil

 

Os novos membros do Conselho Municipal de Saúde tomaram posse para o biênio 2017/2019, nesta quinta-feira (3), na sede da Prefeitura de Macaíba.

Na ocasião também foi eleita a presidente do Conselho, Wanessa Lima de Sousa e o vice-presidente, José Alzair Matias da Silva. O objetivo do Conselho é melhorar a saúde do município, fiscalizando as ações da área junto a Secretaria Municipal de Saúde.

O Conselho Municipal de Saúde é composto por representantes da Prefeitura de Macaíba, da Secretaria Municipal de Saúde, Sindicatos, Associação de comunidades quilombolas, entidades religiosas, associação comunitária urbana e rural, associação de portadores de deficiência, comunidades indígenas, trabalhadores e prestadores de serviço da saúde do município. Para cada segmento foi eleito um titular e um suplente.

O número de mortes relacionadas com a Aids na América Latina diminuiu, em 12% entre os anos 2000 e 2016, apesar dos dados “preocupantes” em países como a Bolívia, Guatemala, Paraguai e Uruguai. O dado foi apresentado pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (Unaids).

No ano 2000 morreram na região cerca de 43 mil pessoas. Já em 2016 esse número caiu para 36 mil, um declínio a partir do aumento da disponibilidade de tratamentos antirretrovirais, segundo o último relatório apresentado em Paris (França) pelo órgão.

Este “progresso significativo” é impulsionado pela redução das mortes relacionadas com a Aids no Peru (62% entre 2000 e 2016), Honduras (58%) e Colômbia (45%), segundo informou a agência EFE.

O número de portadores de HIV na América Latina totalizou 1,8 milhões e as novas infecções seguem estáveis desde 2010, com quase 100 mil casos por ano.

A Unaids revelou que a quantidade de soropositivos com acesso a tratamentos antirretrovirais quase dobrou em seis anos (58%), passando de 511.700 pessoas em 2010 para 1 milhão em 2016, o que coloca a região acima da meia mundial (53%).

O órgão advertiu, no entanto, que “alguns países têm dificuldades em implementar seus programas” de medicação, como a Bolívia, onde apenas 25% das pessoas têm acesso ao tratamento, e o Paraguai, com 35%.

Na Venezuela, a crise econômica provocou a escassez “de muitos medicamentos essenciais, especialmente os antirretrovirais”, acrescentou.

Na Bolívia, Uruguai, Paraguai e Guatemala, a mortalidade por Aids aumentou entre 2000 e 2016. No entanto, nos dois primeiros, os números reduziram nos últimos anos. No caso da Bolívia, desde o pico alcançado em 2012, verificou-se uma queda nas mortes. No Uruguai, os números também diminuíram após 2010.

Já na Guatemala, a taxa de aumento da mortalidade é superior a 4%, após estabilidade entre 2003 e 2011. No Paraguai, também houve um período de estabilidade entre 2005 e 2010, mas desde então ocorre um aumento.

Um dos problemas na América Latina é o elevado custo dos tratamentos “em vários dos países mais afetados pelo HIV”, segundo o órgão, que elogiou as “licenças obrigatórias” promovidas pelo Brasil e o Equador, que permitem reproduzir um medicamento patenteado se não for para uso comercial.

O relatório aponta ainda que cerca de um terço dos soropositivos são diagnosticados em um estado avançado da doença, o que afeta “negativamente os esforços” médicos, segundo o relatório.

O HIV, classificado como ameaça para a saúde pública pela ONU, afeta um total de 36,7 milhões de mulheres e homens em todo o planeta, e desde a sua descoberta, em 1981, provocou 36 milhões de mortes.

Agência Brasil

Nesta quinta (20), a Prefeitura de Macaíba começa a promover o 3º grande mutirão contra o Glaucoma de 2017. A ação ocorre no Pax Club no horário das 8h às 16h, se estendendo até a sexta-feira (21), no mesmo horário e local. Assim como nas edições anteriores, para participar, a pessoa deverá ter um encaminhamento médico (caso seja a 1ª vez) e apresentar os originais e as cópias de seu RG, CPF, Cartão do SUS de Macaíba e comprovante de residência de Macaíba.

O público-alvo do mutirão é formado por pessoas acima dos 30 anos, com histórico de Glaucoma na família, pressão intraocular (PIO) elevada, diabéticas, com alto grau de miopia, que fazem uso prolongado de esteroides e com histórico de trauma ocular.

O objetivo é combater, através da identificação precoce, essa doença silenciosa capaz de causar cegueira irreversível. O paciente que participar do mutirão será cadastrado com vistas a passar por uma avaliação de seu quadro clínico.

Quando diagnosticada alguma anormalidade relacionada à doença, ele é medicado e passa a receber acompanhamento oftalmológico. A cada três meses, ele será submetido a uma nova consulta, recebendo então nova medicação antiglaucomatosa. Cirurgias também poderão ser feitas em caso de necessidade.

Inicialmente, esse mutirão estava programado para os dias 19 e 20. Todavia, por recomendação do Ministério da Saúde, foi reprogramado para os dias 20 e 21, informou a Secretaria Municipal de Saúde de Macaíba.

O município de Macaíba teve quatro trabalhos aprovados para o XI Congresso da SBDST (Sociedade Brasileira de Doenças Sexualmente Transmissíveis) e VII Congresso Brasileiro de AIDS, que neste ano ocorreu nos dias 12 e 13 de julho em conjunto com o STI&HIV World Congress, no Rio de Janeiro/RJ.

Tratou-se de uma oportunidade única para mostrar o trabalho que a gestão municipal de Macaíba está realizando nesse sentido e também para a troca de experiências com os mais importantes pesquisadores do mundo da área de DST/HIV.

É a primeira vez que a reunião conjunta envolvendo esses dois grandes eventos vem para a América do Sul. Autores e co-autores (Carlos Frank Prudêncio Bezerra, Watuzzi Tulipa Teixeira Ferreira e Rodolfo Alves de Farias) foram representar e apresentar os trabalhos aprovados no congresso, que foram selecionados para publicação no periódico científico DST – Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis.

Na oportunidade do congresso, os servidores da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Macaíba tiveram um momento com o presidente do congresso, Dr. Mauro Romero Leal de Passos, que parabenizou os trabalhos aprovados e selecionados, informando que esses trabalhos serão publicados também em língua inglesa no referido periódico para que todo o mundo tenha conhecimento do trabalho realizado no Brasil acerca da temática em questão.

Assecom-PMM

Nesta sexta-feira (14), a atuação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Macaíba, mais precisamente do setor de planejamento com o trabalho, está sendo destacada para o público presente no XXXIII Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde – Conasems, que tem como tema “Diálogos no Cotidiano da Gestão Municipal do SUS”.

De acordo com Patrícia Emannuely, representante da SMS de Macaíba que está em Brasília/DF, sede do Conasems, os avaliadores elogiaram bastante a atuação do órgão (apresentada através de um trabalho selecionado para exposição no evento) e sinalizaram que a sua equipe deve persistir nesse planejamento. O tema do trabalho apresentado é “Planejamento Estratégico com foco na Governabilidade”.

Segundo o site oficial do evento, o XXXIII Conasems reúne no Centro de Convenções Ulisses Guimarães, em Brasília, durante os dias 12 e 15 de julho, milhares de trabalhadores do cotidiano do SUS, dentre eles secretários municipais de saúde de todo o país, profissionais de saude, dirigentes estaduais e do Ministério da Saúde.

A equipe de delegados de Macaíba, composta por gestores e prestadores de serviços, trabalhadores e usuários da rede de saúde municipal, marcou presença na 1ª Conferência de Saúde das Mulheres do RN, realizada entre os dias 10 e 12 deste mês de julho num hotel da Via Costeira de Natal, sendo presidida pelo Conselho Estadual de Saúde (CES), por intermédio de sua presidente, Mayara Acipreste, com a participação da Secretaria Extraordinária de Políticas Públicas para as Mulheres (SPM), e prestigiada pelo titular da Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (SESAP/RN), George Antunes.

Antes da conferência estadual, foram realizadas conferências municipais e regionais. A conferência de Macaíba foi realizada no dia 11 de abril, quando foram escolhidos 16 delegados, sendo 8 do segmento dos usuários da rede municipal de saúde, 4 do segmento dos gestores e prestadores de serviços do setor de saúde e 4 do segmento dos trabalhadores de saúde.

Segundo o site oficial do Governo do Estado, o tema dessa conferência foi “Saúde da Mulher: desafios para Integralidade com Equidade”. A conferência foi presidida pelo Conselho Estadual de Saúde (CES), com a participação da Secretaria Extraordinária de Políticas Públicas para as Mulheres (SPM).

Os eixos temáticos trabalhados foram: I – O papel do Estado no desenvolvimento socioeconômico e ambiental e seus reflexos na vida e na saúde das mulheres; II – O mundo do trabalho e suas consequências na vida e na saúde das mulheres; III – Vulnerabilidades e equidade na vida e na saúde das mulheres e IV – Políticas públicas para as mulheres e a participação social.

A conferência estadual aconteceu com a participação dos delegados municipais de todo o estado, com a intenção de propor diretrizes para a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres e efetivação do Controle Social no SUS.

Os delegados que representaram Macaíba no ensejo foram:

Representantes dos gestores e prestadores de serviço de saúde: Jane Suely de Melo Nóbrega e Getúlio Fernando Leal.

Representantes dos trabalhadores de saúde: Jocelino Nascimento Mendes, Ana Karolyne Andrade Morais, Raimundo Ventura do Nascimento e Francisco Rafael dos Santos.

Representantes dos usuários de saúde: Ana Maria da Silva, Francisca de Fátima Bezerra, Maria de Lourdes de Moura, Maria de Lourdes Firmino, Maria José Bezerra da Silva, Maria Lúcia de Lima Dantas e Severina do Ramo Moura Gomes.

Assecom-PMM

Considerada uma das melhores do RN, unidade realizou mais de 300 mil atendimentos neste período

Referência no atendimento em saúde em todo o Rio Grande do Norte, a UPA de Macaíba completou no último dia 28 de junho quatro anos de excelentes serviços prestados à população. Quatro anos salvando vidas de Macaíba e de cidades vizinhas como São Gonçalo do Amarante, Parnamirim, Natal, entre outros municípios.

Destaque em campanha publicitária do Governo Federal, a Unidade, classificada pelo Ministério da Saúde como de Porte I, realizou desde o início de seu funcionamento em 2013 mais de 300 mil atendimentos, uma nova realidade para os macaibenses que antes da inauguração da UPA 24h tinham que se deslocar até Natal e as cidades vizinhas para receber atendimento, enfrentando sérias dificuldades de deslocamento, com risco de agravamento de doenças ou até mesmo de morte.

Enquanto mais de 400 UPAs estão fechadas ou com obras inacabadas, sem perspectiva de quando serão entregues à população em todo o Brasil, Macaíba há quatros anos mantém com eficiência os serviços de sua Unidade com um investimento mensal de aproximadamente R$ 900 mil, sendo que R$ 550 mil deste valor são investidos pela Prefeitura de Macaíba, totalizando cerca de R$ 25 milhões em quatro anos, investidos na saúde da população macaibense. Valores que equivalem a construção de mais de 20 quadras poliesportivas cobertas ou outras obras como 15 creches, 15 escolas ou a pavimentação de mais de 100 ruas.

A UPA de Macaíba é a marca de uma gestão comprometida com a saúde da população, que sabe administrar bem seus recursos em tempos de crise e que tem uma visão sensível e humanizada, pensando no futuro do povo.

Enquanto isso, pelo Brasil afora, muitas UPAs são fechadas ou são “construídas”, mas permanecem sem atender à população das cidades às quais pertencem. Vejamos alguns exemplos, inclusive em cidades consideradas ricas:

São Carlos (SP):

http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/upa-segue-fechada-7-meses-apos-conclusao-das-obras-em-sao-carlos-sp.ghtml

Serrinha (BA)

http://www.bahiaja.com.br/politica/noticia/2017/06/28/upa-de-serrinha-inaugurada-com-gato-de-energia-continua-fechada,101677,0.html

Caçador, Videira e Criciúma (SC)

http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/upas-inauguradas-continuam-sem-atender-pacientes-em-sc.ghtml

Araguaína (TO)

http://g1.globo.com/to/tocantins/noticia/moradores-reclamam-que-predio-de-upa-esta-sendo-usado-como-deposito.ghtml

 

 

A Prefeitura de Macaíba realizou o encaminhamento de vinte pacientes para a realização de cirurgias de catarata, na manhã desta sexta-feira (16), na sede da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). O prefeito Fernando Cunha esteve presente na ocasião.

A administração municipal deu início a um novo ciclo de cirurgias de catarata em março deste ano. Mensalmente estão sendo encaminhados pacientes para a realização dos procedimentos. Em 2016 centenas de pacientes foram submetidos a esse tipo de cirurgia em clínicas conveniadas com a Prefeitura.

Mangabeira e Guarapes também receberão novos equipamentos de saúde bucal

O distrito de Cajazeiras ganhou um novo consultório odontológico com novos equipamentos na última sexta-feira (9). O consultório está localizado na Estratégia de Saúde da Família da comunidade, que funciona de segunda a quinta, das 7h30 às 12h e das 13h às 17h. Nas sextas-feiras, a unidade funciona das 7h30 às 13h30.

A Prefeitura de Macaíba continua investindo em novos consultórios para atendimentos em odontologia nas unidades de saúde do município. No início deste mês, a comunidade As Marias, na zona rural recebeu novos equipamentos. O distrito Mangabeira e a comunidade Guarapes também receberão novos equipamentos na próxima semana.

Referência em saúde bucal no Rio Grande do Norte, Macaíba também conta com dois centros de excelência em atendimento odontológico: o Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) e o Pronto Atendimento Odontológico (P.A), localizados no Centro do município.

Créditos: iStock/xrender

No ano que vem será feito o experimento conclusivo para o desenvolvimento da vacina terapêutica contra tumores de mama mais agressivos, do qual participarão vários centros de pesquisa internacionais, entre eles o Instituto Nacional do Câncer de Nápoles Fundação Pascale.

A vacina anti Globo H-KLH será administrada após intervenções cirúrgicas nos seios como um tratamento auxiliar em pacientes que desenvolveram tumores triplo-negativo (os mais perigosos deste tipo de câncer) e deve aumentar as taxas de cura.

 “O objetivo da vacina que testaremos é desencadear uma resposta imunológica específica contra o tumor nos seios”, afirmou o diretor da Divisão de Oncologia Médica de Mastologia do Pascale, Michelino De Laurentiis, segundo matéria do R7.

A vacina revolucionária desencadeia reações imunológicas especificamente contra o tumor, mais especificamente contra moléculas e antígenos específicos presentes em células cancerígenas, o que a torna mais eficaz e diminui os efeitos colaterais.

De acordo com De Laurentiis, existem vários subtipos de tumores de mama, porém espera-se que a imunoterapia possa ser efetiva para combater vários deles.

O tratamento já vem sendo usado no combate a tipos graves de câncer com resultados eficazes e positivos.

Catraca Livre

Quem ainda não se vacinou contra a gripe tem até hoje (9) para procurar os postos de saúde e garantir a imunização. Nesta última semana, o Ministério da Saúde orientou estados e municípios a ofertar a vacina para toda a população, pois ainda havia um estoque de 10 milhões de doses disponíveis. Entretanto, cada estado ou município tem autonomia para estender ou não a vacinação.

Prevista para terminar em 26 de maio, a campanha já tinha sido prorrogada com o objetivo de alcançar a meta de vacinação para o grupo de risco que, neste ano, é de 90%. Segundo o último balanço do Ministério da Saúde, divulgado no último dia 2, 76,7% do público-alvo tinham sido vacinados, de um total de 54,2 milhões de pessoas.

Fazem parte do grupo de risco crianças de 6 meses a menores de 5 anos, pessoas com 60 anos ou mais, trabalhadores da área de saúde, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional e pessoas com doenças crônicas não transmissíveis ou com outras condições clínicas especiais, além de professores.

O ministério alerta sobre a importância da imunização para evitar a gripe e seus possíveis agravamentos. A vacina disponibilizada nos postos de saúde protege contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela Organização Mundial da Saúde para este ano (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B). Segundo a pasta, estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

Agência Brasil

A ocorrência do casos de Zika, dengue e chikungunya no país e de modo particular no Rio Grande do Norte, levou pesquisadores do Centro de Biociências (CB) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) a buscarem alternativas para minimizar os problemas causados pelo Aedes aegypti. Como proposta, o grupo analisará as relações entre o inseto, ambiente, o vírus e humanos, além de testar extratos de plantas na mortalidade do inseto e, também, discutirá ações educativas voltadas ao esclarecimento da população.

O projeto Culicídeos e vírus Zika: Bioecologia, prevenção e controle do Aedes aegypti no Rio Grande do Norte – Ações integradas de pesquisa, ensino e extensão está entre os selecionados pelo Ministério da Saúde, na chamada pública para apoiar projetos de pesquisa no combate ao vírus Zika e no combate ao mosquito Aedes aegypti. Todos os trabalhos selecionados receberão investimento específico do Governo Federal.

A pesquisadora Maria de Fátima Freire de Melo Ximenes, coordenadora do projeto aprovado defende o investimentos em pesquisas que possam apresentar novas alternativas de controle de mosquitos. “Os inseticidas são importantes, mas causam problemas às pessoas e ao ambiente. Alguns produtos vegetais, bactérias e fungos vêm mostrando resultados promissores e instigam novas pesquisas e testes”, reforçou.

Dentre os resultados obtidos em laboratório, o uso de extrato de sementes de plantas da caatinga e outras plantas têm mostrado bons efeitos na mortalidade de larvas, pupas e na forma adulta do Aedes aegypti.

A ampliação do conhecimento acerca das relações bioecológicas no caso do Aedes, ou seja, entre vírus e hospedeiro é determinante para que as medidas a serem adotadas para o controle do mosquito sejam adaptadas e efetivas. Por essa razão, os pesquisadores querem estudar mais a fundo o Aedes aegypti e seu ambiente, respeitando as características do semiárido brasileiro. Assim, podem contribuir para que outras formas de controle, mais eficazes e duradouras, por meio da educação e cultura, em regiões com características diferentes, sejam ao mesmo tempo adotadas pela gestão pública. O projeto ainda prioriza a análise e discussão das condições de  saneamento básico e a prevenção de doenças.

“O projeto apresenta-se como um conjunto articulado de ações de caráter interdisciplinar a serem desenvolvidas. Os conhecimentos científicos e tecnológicos colocados ao alcance da população por meio da pesquisa e formação de pessoas podem promover seu emprego nas atividades cotidianas e na prevenção”, reforça a pesquisadora. A coordenadora do projeto, Maria de Fátima Freire de Melo Ximenes, acredita na reversão do quadro atual.

O projeto será concluído em quatro anos e conta com a participação de pesquisadores da UFRN, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (SESAP-RN) e estudantes de cursos de graduação, mestrado e doutorado.

Investimento

O Governo Federal divulgou a relação dos 71 estudos sobre prevenção, diagnóstico e tratamento do vírus zika e doenças correlacionadas. O objetivo é potencializar a produção de conhecimento científico e tecnológico para o enfrentamento da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) declarada em função da alteração do padrão de ocorrência de microcefalia no Brasil, decorrente da infecção pelo vírus zika.

Portal UFRN