Blog Arquivo

REJEIÇÃO EM ALTA

Carlos Augusto Montenegro, dono do Ibope, disse a Merval Pereira que “a rejeição a Lula e ao PT é tão grande que, se o ex-presidente fosse candidato hoje, poderia perder a eleição”.

Lula é Haddad. Contra Jair Bolsonaro, ele teria os mesmos 40% dos votos de seu poste.

APERTEM OS CINTOS, LULA SUMIU!

No primeiro programa de rádio de Fernando Haddad, Lula não foi citado uma única vez.

O PT também desapareceu. Fernando Haddad disse que “essa campanha não é de um partido. Quero contar com todos que são a favor da democracia”.

CARA NOVA NO STF

São Paulo – O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, participa do V Forum Nacional Criminal dos Juízes Federais (Fonacrim) que discute “Corrupção e lavagem de dinheiro”, no Hotel Renaissance, região central (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Jair Bolsonaro, em seu mandato, poderá indicar dois nomes para o STF.

O primeiro que ele pretende convidar, segundo a Veja, é Sergio Moro. Depois, João Pedro Gebran Neto ou Marcelo Bretas.

RECONHECENDO A DERROTA!

Lula está pronto para a derrota de Fernando Haddad. Ele mandou plantar na Folha de São Paulo que o importante é o PT “qualificar a derrota”, apontando “a tragédia que virá”.

Ele disse também: “O tsunami vai e volta”.

O ex-ministro Antonio Palocci entregou à Justiça 19 tipos distintos de documentos para comprovar o que foi relatado em sua colaboração premiada. Em petição preparada por sua defesa, ele pede os benefícios concedidos a delatores — que incluem a redução da pena. O documento foi endereçado ao desembargador João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, responsável pela segunda instância da Lava Jato.

No processo, que teve o sigilo de alguns anexos derrubado nesta quarta-feira (10), os advogados de Palocci listam 19 provas entregues às autoridades para corroborar tudo o que delatou à Polícia Federal. Entre eles estariam dois contratos fictícios, notas fiscais, emails, extratos bancários, comprovantes de rastreadores veiculares e agenda virtual de sete anos com mais de 7.000 páginas.

A defesa ainda ressalta que o ex-ministro, que já foi um dos homens fortes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, saiu da cela 63 vezes e ficou à disposição da PF por 141 horas durante o período de comprovação das provas.

Preso desde setembro de 2016, o ex-ministro foi inicialmente condenado a 12 anos e dois meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele se encontra detido na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, mesmo prédio onde se encontra Lula. O recurso da condenação será julgado no dia 24 deste mês.

Em 1º de outubro, o juiz federal Sergio Moro, responsável pela Lava Jato no Paraná, quebrou o sigilo de parte do acordo de colaboração de Palocci com a PF. Em um dos anexos, o ex-ministro relata que Lula estava ciente de esquemas de corrupção na Petrobras desde 2007 e que as campanhas que elegeram Dilma Rousseff à Presidência em 2010 e 2014 teriam custado mais que o dobro do valor declarado ao Tribunal Superior Eleitoral.

Folhapress

O prefeito Fernando Cunha e o secretário municipal de Esportes e Lazer, Flaubert Benício apresentaram a Vila Olímpica de Macaíba para representantes do Ministério da Defesa, na tarde desta quarta-feira (10). Na oportunidade foram discutidos projetos nas áreas da educação e do esporte que podem ser realizados no local, em uma parceria da Prefeitura com as Forças Armadas.

As autoridades também estiveram presentes na cerimônia de encerramento da 1ª Olímpiada do Programa Forças do Esporte (PROFESP) 2018, em Natal, no Sest/SENAT, na manhã desta quarta-feira (10). A Vila Olímpica foi sede da disputa na última segunda-feira (8).

Os representantes do Ministério que visitaram a Vila foram Leandro Joése de Andrade Bandeira, comandante do 3º Distrito Naval; Jorge Antônio Smicelato, general de divisão e diretor do departamento de Desporto Militar; Ricardo Machado Vieira, chefe do Estado-Maior da Aeronáutica e tenente Brigadeiro do Ar e José Ferreira de Barros, comandante da Marinha e coordenador Geral do PROFESP.

O comandante José Barros declarou sobre o complexo poliesportivo:”Já sabia que o prefeito e o secretário de Esportes são muito envolvidos em projetos sociais. Eu me surpreendi quando eu cheguei aqui na Vila Olímpica porque eu não imaginava que tinha uma maravilhosa estrutura para as crianças e adolescentes e o que mais me dexiou feliz foi a presença das crianças, brincando, se alimentando. Verdadeiramente é um lugar que a região precisa. As oportunidades estão sendo dadas e tenho que certeza que serão grandes cidadãos. Me maravilhei com a infraestrutura em prol da sociedade”, afirmou.

Assecom-PMM

Fernando Frazão/Agência Brasil

Utilizando as redes sociais, o candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, rebateu as críticas sobre sua ausência e suposta fuga dos debates com o candidato do PT, Fernando Haddad. Segundo ele, após um novo exame a que será submetido no dia 18, deverá ser liberado pelos médicos para os debates e demais atividades de campanha.

“[Para] quem acha que estou fugindo de debates, estou cuidando da minha saúde. Não adianta eu debater, ter uma recaída e voltar para o hospital”, disse o candidato, que informou estar disposto a participar de pelo menos dois debates.

A resposta foi dada durante uma entrevista ao vivo ao empresário Luciano Hang, em vídeo divulgado pelo Facebook, ao comentar a acusação de que estaria fugindo de debates. A entrevista foi ontem (10). Mais uma vez, o candidato reiterou sua determinação de reduzir para 15 o número de ministérios.

Também no Facebook, Bolsonaro, em sua página, postou cinco colagens, reunindo títulos e links de reportagens antigas, de 2006 e 2009, informando que os então candidatos do PT Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff não participaram de debates. A reação é uma resposta a Haddad que tem cobrado dele a participação nos eventos.

Propostas

Após reunião com a bancada ruralista, o candidato deu a entender que pretende fundir as pastas da Agricultura e do Meio Ambiente e que o nome do ministro será sugerido pelo setor produtivo. “Tem que ser uma pessoa competente, com autoridade e que tenha iniciativa”, afirmou.

Na entrevista, Bolsonaro afirmou também que definirá o décimo terceiro salário para beneficiários do Bolsa Família e que investigará financiamentos internacionais do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Questionado sobre o programa Mais Médicos, o candidato afirmou que os estrangeiros que quiserem ingressar e tiverem a intenção de permanecer atuando no Brasil, deverão passar pelo processo de revalidação dos diplomas.

Assim como fez após o primeiro turno das eleições, Bolsonaro voltou a questionar a lisura das urnas eletrônicas e pediu a volta do voto impresso. Ontem (10), em visita a Lisboa, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, destacou a confiabilidade das urnas e do processo eleitoral brasileiro.

Informações e foto Agência Brasil

Cerca de 8 mil outros casos estão em investigação. País enfrenta dois surtos, no Amazonas e em Roraima

Balanço divulgado nesta quarta-feira (10) aponta o registro de 2.044 casos de sarampo e cerca de 8 mil em investigação no País. As informações foram consolidadas a partir de dados enviados pelas secretarias estaduais ao Ministério da Saúde até terça-feira (9). De acordo com a pasta, existem dois surtos da doença: no Amazonas (1,7 mil casos e 7,8 mil em investigação) e em Roraima (330 casos confirmados e 94 em investigação).

Ainda foram identificados casos isolados em São Paulo (3); Rio de Janeiro (18); Rio Grande do Sul (36); Rondônia (2); Pernambuco (4); Pará (17); Sergipe (4); e Distrito Federal (1). Medidas de bloqueio de vacinação, mesmo em casos suspeitos, estão sendo realizadas em todos os estados.

Até o momento, no Brasil, 10 pessoas morreram por sarampo. Quatro em Roraima (3 em estrangeiros e 1 em brasileiro); outros quatro no estado do Amazonas (todos brasileiros, sendo 2 do município de Manaus e 2 do município de Autazes); e dois no Pará (indígena venezuelano).

Informações do Portal Brasil

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Morreu, aos 92 anos, em São Paulo, a escritora Zibia Gasparetto. Ela lutava contra um câncer no pâncreas. O enterro será às 15h no Cemitério de Congonhas. O velório começa de manhã. Há cinco meses, ela perdeu um dos filhos, o apresentador Luiz Gasparetto, de 68 anos, que morreu de câncer no pulmão.

Em 68 anos dedicados ao espiritismo, Zibia Gasparetto publicou 58 obras e teve mais de 18 milhões de livros vendidos. Os livros dela fazem uma espécie de ponte entre os vivos e os que já morreram. Nas redes sociais, a equipe da escritora confirmou a morte.

“O astral recebe com amor uma de suas representantes na Terra.”, diz o texto. “Zibia Gasparetto, 92 anos, completou hoje sua missão entre nós e parte para uma nova etapa ao lado de seus guias espirituais, deixando uma legião de fãs, amigos e familiares, que foram tocadas por sua graça, delicadeza e por suas palavras sábias.”

Em várias entrevistas, Zibia Gasparetto dizia ser médium consciente, quando recebia mensagens como se fosse alguém a sussurrar no ouvido dela sobre o que deveria ser escrito. Ela costumava escrever quatro vezes por semana, utilizando o computador.

“Esse legado será eterno e os conhecimentos de Zibia sobre as relações humanas e espirituais serão transmitidos por muitas e muitas gerações. Ela segue em paz ao plano espiritual, olhando por todos nós”, diz a equipe da escritora.

EBC Notícias

Foto: Biblioteca Santos Dumont/Governo Santa Catarina

Uma galinha chamada Betina de Diamante, de 1,04 metro de altura, bateu o recorde de preço para fêmeas da raça índio gigante. Ela foi vendida por R$ 74 mil durante um leilão de aves gigantes, em Jaguariúna, interior de São Paulo. O negócio foi realizado no dia 29 de setembro, mas seu criador, Haroldo Poliselli, recebeu a confirmação de que o valor foi recorde na última terça-feira (9/10). A galinha foi adquirida por um criador de Franca (SP). Em média, uma ave desta raça vale de R$ 500 a R$ 6 mil.

Com um ano de idade, Betina é filha de outro recordista, o galo Voodoo da Diamante, que mede 1,26 m, a maior altura já alcançada por um galo índio. O alto preço alcançado no leilão é explicado, em parte, pela questão genética, que demanda altos investimentos. Apesar disso, o mercado vem crescendo, garantem criadores.

Globo Rural

Foto: Reprodução/Youtube

Neste domingo (14), 21.985 estudantes em todo Rio Grande do Norte devem fazer prova para o Exame de Seleção do IFRN. O processo seletivo é referente aos cursos técnicos de nível médio integrado ao ensino médio. Os estudantes inscritos concorrem a um total de 3.148 vagas para cursos em 20 campi do Instituto.

HORÁRIO

A prova será aplicada à tarde, das às 17h. Os candidatos devem chegar até as 12h45, horário em que os portões serão fechados.O processo seletivo é formado por uma prova de Língua Portuguesa e uma de Matemática, cada uma com 20 questões de múltipla escolha, e uma produção textual.

O QUE LEVAR

O candidato deve, obrigatoriamente, levar o documento original com foto usado no ato de inscrição. O cartão de inscrição, disponível no portal do candidato<https://processoseletivo.ifrn.edu.br/>, deve ser levado para verificação do local de prova. As folhas de respostas devem ser preenchidas com caneta esferográfica azul ou preta fabricada em material transparente.

O gabarito das questões objetivas deve ser divulgado na página do processo seletivo na segunda-feira (15).

Portal do Candidato (para checagem do local de prova)<https://processoseletivo.ifrn.edu.br/>

Na primeira pesquisa Datafolha sobre o segundo turno das eleições 2018 para Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL) aparece com 58% dos votos válidos contra 42% de Fernando Haddad (PT). O levantamento, divulgado nesta quarta, 10, desconsidera eleitores que pretendem votar nulo ou em branco.

A vantagem de Bolsonaro é a maior na largada do segundo turno presidencial desde 2002. Naquela oportunidade, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tinha 64% dos votos válidos, contra 36% de José Serra (PSDB).

ESTADÃO CONTEÚDO

Pesquisa Datafolha mostra que a maioria dos eleitores de Ciro Gomes (PDT) votarão em Fernando Haddad (PT) no segundo turno, enquanto mais da metade dos que votaram em Geraldo Alckmin (PSDB) migram para Jair Bolsonaro (PSL).

O levantamento foi feito nesta quarta-feira (10), com 3.235 entrevistas presenciais em 227 municípios. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

O recorte, que leva em consideração apenas os votos válidos, mostra que 75% dos eleitores de Ciro preferem Haddad no segundo turno, contra 25% que optam por Bolsonaro.

Entre os eleitores de Alckmin, 58% votarão em Bolsonaro e 42%, em Haddad.

No caso de João Amoêdo (NOVO), a maioria (73%) prefere Bolsonaro, contra 27% que opta pelo petista no segundo turno. Já os eleitores de Marina Silva (REDE) são majoritariamente favoráveis a Haddad -67% escolhem o petista e 33%, o militar.

A pesquisa mostra que, no quadro geral, Bolsonaro tem 16 pontos percentuais de vantagem sobre Haddad. O militar tem 58% das preferências de voto, contra 42% de Haddad.

No primeiro turno, Bolsonaro teve 46,03% dos votos e Haddad, 29,28%. Isso mostra que ambos tiveram subidas parecidas –o militar 12 pontos percentuais e Haddad 12,7.

A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-00214/2018. O nível de confiança é de 95%. Com informações da Folhapress.

NOTÍCIAS AO MINUTO

Pesquisa Datafolha mostra que a maioria dos eleitores de Ciro Gomes (PDT) votarão em Fernando Haddad (PT) no segundo turno, enquanto mais da metade dos que votaram em Geraldo Alckmin (PSDB) migram para Jair Bolsonaro (PSL).

O levantamento foi feito nesta quarta-feira (10), com 3.235 entrevistas presenciais em 227 municípios. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

O recorte, que leva em consideração apenas os votos válidos, mostra que 75% dos eleitores de Ciro preferem Haddad no segundo turno, contra 25% que optam por Bolsonaro.

Entre os eleitores de Alckmin, 58% votarão em Bolsonaro e 42%, em Haddad.

No caso de João Amoêdo (NOVO), a maioria (73%) prefere Bolsonaro, contra 27% que opta pelo petista no segundo turno. Já os eleitores de Marina Silva (REDE) são majoritariamente favoráveis a Haddad -67% escolhem o petista e 33%, o militar.

A pesquisa mostra que, no quadro geral, Bolsonaro tem 16 pontos percentuais de vantagem sobre Haddad. O militar tem 58% das preferências de voto, contra 42% de Haddad.

No primeiro turno, Bolsonaro teve 46,03% dos votos e Haddad, 29,28%. Isso mostra que ambos tiveram subidas parecidas –o militar 12 pontos percentuais e Haddad 12,7.

A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-00214/2018. O nível de confiança é de 95%. Com informações da Folhapress.

NOTÍCIAS AO MINUTO

G1 RN – Policiais civis e militares realizaram na manhã desta quarta-feira (10) na cidade de Macaíba, na Grande Natal, uma operação para prender um homem suspeito de ter matado um cabo da PM – crime ocorrido no dia 8 de maio deste ano na Zona Norte da capital potiguar. Durante o cumprimento do mandado, houve troca de tiros. Resultado: o suspeito acabou morto, outro ficou ferido e cinco adultos foram presos e dois adolescentes apreendidos.

Segundo o delegado Normando Feitosa, titular da DP de Macaíba, o objetivo da missão era prender Eduardo Ferreira da Silva, de 26 anos, mais conhecido como Dudu. Ele foi apontado como participante da morte do cabo Waldembergue Cruz de Lima, de 45 anos. O PM se preparava para sair de um salão de barbearia no conjunto Nova Natal, na Zona Norte da capital, quando foi assassinado.

“Armado com uma espingarda, ele reagiu e atirou em nossa equipe. No revide, ele e outro comparsa foram baleados. Ambos foram socorridos, mas o Dudu não resistiu ao ferimento. O outro segue no hospital”, disse Normando.

Ainda de acordo com o delegado, outros quatro homens, uma mulher e mais dois adolescentes, todo envolvidos com uma facção criminosa, foram detidos e levados para a delegacia. O grupo estava em uma residência vizinha à casa de Dudu. Os imóveis ficam no bairro Morada da Fé. Em alusão à localidade, a operação foi batizada de ‘Santuário’.

Também foram apreendidos duas espingardas, um revólver e munições.

Além dos policiais da Delegacia de Macaíba, também participaram da operação agentes da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e policiais militares do 11º BPM.

Um homem morreu após ser esfaqueado, na tarde desta quarta-feira (10), em Mossoró, na região Oeste do Rio Grande do Norte. A vítima foi identificada como Paulo Marcelo Dias Fernandes, 41 anos.

De acordo com a Polícia Militar, a vítima foi atingida com duas cutiladas de faca no Alto do Sumaré, nas proximidades do posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Ele foi socorrido por populares para o hospital.

Segundo a corporação, a vítima levada para o Hospital Tarcísio Maia pelos populares, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade. A polícia informou que a vítima estava bebendo com umas pessoas e houve uma discussão, ele ainda teria tentado correr do desafeto, porém foi alcançado e golpeado com duas facadas nas costas.

O corpo de Paulo Marcelo Dias foi encaminhado do necrotério do HRTM para o ITEP onde será necropsiado e depois liberado para sepultamento. A Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) vai investigar o caso.

O PDT confirmou o “apoio crítico” a Fernando Haddad no segundo turno da corrida presidencial, seja lá o que isso represente.

Carlos Lupi, presidente da legenda, explicou que Ciro Gomes não vai subir no palanque com Haddad e que “integrantes do partido estão proibidos de apoiar Bolsonaro”.

Ele afirmou também que o PDT não quer participação em eventual governo do PT.

O Antagonista

Candidatos à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).

Na primeira pesquisa do Datafolha sobre o segundo turno das eleições presidenciais, Jair Bolsonaro (PSL) tem ampla vantagem sobre Fernando Haddad (PT). O deputado tem 58% dos votos válidos, enquanto o ex-prefeito paulistano conta com o apoio de 42% dos ouvidos.

A contagem, que exclui os brancos, nulos e indecisos como a Justiça Eleitoral faz no dia da eleição, confirma a onda conservadora que quase deu a vitória em primeiro turno ao presidenciável do PSL.

No primeiro turno, Bolsonaro teve 46% dos votos válidos e Haddad, 29%.

O Datafolha ouviu 3.235 pessoas em 227 municípios nesta quarta (10). A margem de erro do levantamento, contratado pela Folha e pela TV Globo, é de dois pontos para mais ou para menos.

Quando se leva em conta a intenção de voto total, os dois candidatos absorveram de forma uniforme o eleitorado deixado pelos outros postulantes que já decidiu quem apoiar. O deputado fluminense tem 49% dos votos totais, e havia conquistado 42% no primeiro turno. Já o petista registra 36% -no domingo passado, angariou 27%.

Brancos e nulos somam, segundo o Datafolha, 8%. Apenas 6% se declaram indecisos.

O voto de Bolsonaro está bastante distribuído pelo país. Como no primeiro turno, ele só perde regionalmente para Haddad no Nordeste, onde o petista tem 52% dos votos totais, contra 32% do capitão reformado do Exército.

Isso explica os acenos recentes de Bolsonaro para o eleitorado daquela região, que tem a maioria dos assistidos por programas de distribuição de renda. Nesta quarta, ele prometeu criar um 13º salário do Bolsa Família, e ele declarou em pronunciamento que o PT faz “terrorismo” contra nordestinos, dizendo que eles seriam segregados em um governo seu.

O deputado vence com folga na região mais populosa, o Sudeste: 55% a 32% dos votos totais. Seu melhor desempenho é no Sul, 60% a 26%, seguido pelo Centro-Oeste (59% a 27%). No Norte, vence por 51% a 40%.

Confirmando a tendência registrada ao longo da campanha, as mulheres dão menos apoio a Bolsonaro, 42% dos votos totais. Entre homens, ele atinge 57%. A equação é invertida na intenção de voto para Haddad: o petista tem 39% entre mulheres, empatando na margem com o deputado, e 33% do eleitorado masculino.

Pretendem votar no capitão reformado pessoas mais ricas (62% nos segmentos entre 5 e 10 salários mínimos e acima de 10) e escolarizadas (58% de quem tem ensino superior).

Haddad vai melhor no outro extremo, apoio de 44% de quem tem só o ensino fundamental e o mesmo índice entre os mais pobres (renda familiar média mensal até 2 salários mínimos).

O Datafolha comprova o apoio maciço a Bolsonaro entre os evangélicos, grupo privilegiado em suas manifestações e intenções programáticas. O deputado tem 60%, contra 26%, entre eles. Já entre os católicos, a disputa está em 46% a 40% para o capitão.

Também foi perguntado ao eleitor quando ele decidiu seu voto no primeiro turno. No dia do pleito, foram 12%, contra 9% em 2014. Na véspera, 6%, número igual ao da eleição presidencial passada. Já a decisão um mês antes de ir às urnas ocorreu para 63% -72% entre os bolsonaristas. Em 2014, o índice era de 67%.

Foram entrevistadas 3.235 pessoas em 227 municípios. A pesquisa foi registrada no TSE sob o número BR-00214/2018.

Na primeira pesquisa eleitoral do segundo turno, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) lidera a corrida pelo Palácio do Planalto com 54% das intenções de votos válidos. O petista Fernando Haddad tem 46%. O levantamento foi feito pela consultoria de pesquisa Ideia Big Data em parceria com VEJA.

A pesquisa ouviu presencialmente 2.036 eleitores das cinco regiões do país entre a última segunda e esta quarta-feira. A margem de erro é de 2,67% pontos percentuais para mais ou para menos. O número de registro no TSE é BR-09687/2018.

Bolsonaro chegou ao segundo turno com a preferência de 46,03% do eleitorado (ou 49,2 milhões de votos). Haddad teve 29,28% dos votos válidos (31,3 milhões de votos).

Ao considerar as respostas totais dos entrevistados, Bolsonaro tem 48% das intenções dos eleitores, enquanto Haddad, 41%. Votos brancos e nulos somam 7%, enquanto indecisos ou que não responderam atingiram 4%.

“Esse segundo turno é pautado por duas candidaturas extremamente opostas. Será muito dificil conseguir votos dos adversários. Portanto, a busca será pelos poucos indecisos e a conversao do branco/nulo. O que torna mais difícil o caminho do candidato do PT”, avalia Mauricio Moura, sócio da Ideia Big Data.

Veja

O jornal de negócios norte-americano Wall Street Journal, um dos mais influentes do mundo, publicou um artigo nessa terça-feira (9) para defender as ideias liberais de Jair Bolsonaro, candidato à presidência pelo PSL. “Bolsonaro é melhor compreendido como um populista conservador que promete tornar o Brasil admirável pela primeira vez”, afirma o texto.

De acordo com a publicação, os progressistas tiveram um “ataque de ansiedade” com a quase vitória de Bolsonaro no primeiro turno do pleito e destaca que, aparentemente, os quase 50 milhões de brasileiros que votaram nele “sabem exatamente do que o Brasil precisa”.

“Talvez eles [eleitores brasileiros] saibam mais do que os críticos ao redor do mundo”, escreveu o jornal em relação aos ataques recebidos pelo presidenciável.

O jornal ainda ressalta que Bolsonaro “atraiu o apoio da classe média” ao se comprometer em reduzir a corrupção no Brasil, bater de frente com a criminalidade e libertar os empresários brasileiros das mãos do governo.

Ao comentar sobre Paulo Guedes, o guru econômico de Bolsonaro, a publicação menciona o compromisso da chapa em vender algumas subsidiárias da Petrobras, mesmo sem se comprometer em privatizar totalmente a estatal. O artigo ainda menciona o interesse da equipe do candidato em conter o rombo das contas públicas do governo.

Criminalidade

O texto do jornal de negócios ainda cita o compromisso de Bolsonaro em reduzir a criminalidade no Brasil. “No crime, ele promete restaurar a presença policial em áreas urbanas e rurais”, afirma.

“Os oponentes de Bolsonaro alegam que ele elogiou as forças armadas e a ditadura de 1964-1985, sugere que ele é uma ameaça à democracia. Mas ele não propõe mudar a Constituição”, avalia o artigo como crítica à proposta apresentada pelo plano de governo de Fernando Haddad, adversário de Bolsonaro no segundo turno.

“Haddad quer reescrever a constituição para incluir uma assembleia constituinte ao longo das linhas do modelo venezuelano. Ele [Haddad] também quer mudar a forma como as promoções militares são feitas, dando o poder ao presidente. Isto é do manual de Hugo Chávez”, critica o Wall Street Journal.

O artigo ainda relata que o petista foi o nome “escolhido a dedo” pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso condenado a 12 anos de prisão. “Ele e sua sucessora geriram mal a economia”, afirma.

“Depois de tanto tumulto político e corrupção, não é de surpreender que os brasileiros estejam com um candidato que prometa algo melhor”, finaliza o texto.

R7

Divulgação

O comitê eleitoral de Fernando Haddad reduziu a aparição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o vermelho, marca petista, do novo material de campanha para segundo turno.

Nas novas peças de campanha, até a bandeira mudou de cor.

Agora há dois modelos de bandeira: azul e branca.

Também nas fotos oficias e adesivos, o vermelho foi substituído por azul, branco e as cores da bandeira do Brasil.

O vermelho limita-se a um detalhe em que o número 13 aparece em cor amarela.

Na foto oficial, Haddad e sua vice, Manuela D’Ávila (PC do B), usam blazer. Ele, azul. Ela, bordô.

Em azul, está a inscrição “Todos pelo Brasil”. Figura central no primeiro turno, Lula não aparece mais.

COMO ERA NO PRIMEIRO TURNO

Foi publicada na tarde desta quarta (10) a primeira pesquisa sobre a corrida presidencial das Eleições 2018, segundo turno. A pesquisa foi conduzida pelo Instituto Big Data, sendo registrada no TSE sob o nº BR-09687/2018. De acordo com o levantamento, Bolsonaro (PSL) tem 54% dos votos válidos e Haddad (PT) tem 46%. As informações são da Revista Veja.

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

A população de renda muito baixa foi a menos atingida pela inflação em setembro, de acordo com análise do Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda, elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

O cálculo é feito com base nas variações de preços de bens e serviços pesquisados pelo Sistema Nacional de Índice de Preços ao Consumidor (Snipc), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para o Ipea, o indicador, divulgado hoje (10), revela uma forte alta no grupo transportes, especialmente, em combustíveis (4,2%) e em passagens aéreas (16,8%). Esses grupos pressionaram a inflação de todas as faixas com o maior impacto para as famílias de maior poder aquisitivo.

Diferenças

As famílias de maior poder aquisitivo, segundo o indicador, sofreram impactos também do grupo despesas pessoais, influenciado pelas altas dos serviços pessoais (0,42%) e de despesas com recreação (0,30%).

Pelo estudo, as famílias mais pobres foram as mais prejudicadas com a alta dos grupos alimentos e bebidas e habitação. Com peso maior nos gastos da população dessa faixa de renda, os gastos com reajustes do aluguel (0,24%), energia elétrica (0,46%), cereais (1,7%) e panificados (0,9%) pressionaram a inflação dos segmentos de menor renda.

Índices

Segundo o Ipea, no acumulado do ano, a inflação para as famílias mais pobres ficou em 2,99%, sendo de 3,63% para as de renda mais elevada. Se a avaliação observa o período de 12 meses, os preços dos bens e serviços consumidos pela população de maior renda apresentam elevação de 4,85%, mas para o segmento de renda muito baixa a taxa é de 3,90%.

A avaliação do Ipea mostra ainda que todas as faixas apresentaram aceleração nas suas taxas de inflação neste período, um reflexo dos índices de setembro de 2018 que foram superiores aos anotados no mesmo mês em 2017.

Na renda muito baixa, a variação da inflação passou de 0,01% em 2017 para 0,34% este ano. Nas famílias de renda alta era 0,23% e este ano subiu para 0,53%.

Informações e foto da Agência Brasil