novembro, 2023 - Informativo Atitude - Page 4

Arquivos

 

Foto: Reprodução/Instagram

Ana Hickmann, de 42 anos, falou pela primeira vez neste domingo (26) sobre a denúncia de agressão que fez contra Alexandre Correa, de 52. O caso aconteceu no último dia 11 de novembro. A apresentadora chamou o empresário de “covarde”, “canalha” e “agressor” e afirmou que deseja que esse pesadelo acabe logo. Ela também confirmou que pediu o divórcio.

Assim como citado pela cozinheira do casal em depoimento à polícia, a briga começou porque Alexandre não gostou de ouvir Ana falando sobre os problemas financeiros que eles estão enfrentando para o filho, Alezinho, de nove anos. “A gente precisa preparar o Alezinho, porque muita coisa vai mudar”, disse a apresentadora ao então marido na ocasião. O empresário ficou agressivo e, segundo Ana, começou a dizer para o menino que a mãe dele era “louca” e que estava mentindo.

A apresentadora disse ao Domingo Espetacular que o filho presenciou parte da briga. “A hora que ele [Alexandre] fechou a porta no meu braço não, mas antes, sim”, contou. Quando a discussão ficou mais acalorada, o empresário foi para cima de Ana. “Ele veio sim para me dar uma cabeçada. Ele não me acertou porque ele me esquivei”. A artista conseguiu escapar, pegou o celular e disse que ia chamar a polícia. “Gritei muito”, relembrou. “Fiquei com medo dele”.

Ao sair do cômodo em que estava com o celular na mão, Alexandre fechou a porta no braço da apresentadora, que se machucou e ficou com hematomas. Nesse momento, quem a ajudou foi seu cachorro, que ao comando de Ana, avançou no empresário. “Ficou bem inchado [meu braço]. Não conseguia mais ter movimento.”

Quem

 

Foto: Sérgio Lima/Poder360

O presidente Lula (PT) decidiu indicar o ministro da Justiça, Flávio Dino (PSB), para uma cadeira no STF (Supremo Tribunal Federal) e Paulo Gonet para o comando da PGR (Procuradoria Geral da República). O anúncio deve ser feito nesta segunda-feira (27), antes do embarque do petista para Arábia Saudita.

As escolhas foram confirmadas pelo presidente a aliados neste domingo (26). A equipe de Lula calcula que os nomes sejam aprovados no Senado antes do recesso parlamentar, com início em 23 de dezembro.

A decisão foi tomada após uma demora inédita de Lula para indicar os nomes, deixando os cargos vagos por mais de 50 dias.

Dino era considerado favorito ao posto desde outubro, quando Rosa Weber se aposentou do Supremo.

O presidente dizia a aliados que seria interessante indicar alguém da estatura do ministro para fazer um embate político no STF. A avaliação é que, com a bagagem jurídica que tem, Dino é capaz de ser um magistrado influente na corte.

Folha de S. Paulo

 

A realidade fiscal bate à porta

PIORA NO DÉFICIT PRIMÁRIO MOSTRA QUE O GOVERNO TERÁ DE SE ESFORÇAR MUITO MAIS PARA CUMPRIR A META. DESCRENÇA NA POLÍTICA FISCAL AFETA PROJEÇÕES DE CRESCIMENTO E PESA NA AVALIAÇÃO DO GOVERNO

O governo reconheceu que o déficit primário deste ano será pior do que se esperava. Segundo novas projeções do Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas, o rombo orçamentário deve atingir R$ 177,4 bilhões, um valor R$ 35,9 bilhões superior à estimativa anterior, feita há dois meses.

Se confirmado, o saldo negativo equivalerá a 1,7% do Produto Interno Bruto (PIB). Oficialmente, o rombo ainda está dentro do limite de 2% estabelecido na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deste ano, de até R$ 213,6 bilhões, mas é bem pior que a meta de 1% com a qual o ministro Fernando Haddad havia se comprometido no início deste ano.

A brutal piora no resultado se deve a muitos fatores. O governo, como sempre, mencionou eventos extraordinários para justificar o déficit maior. Parte disso se deve a uma estratégia de aproveitar o espaço no Orçamento de 2023 para quitar passivos que possam prejudicar a apuração nos anos seguintes.

Como explicou o economista Marcos Mendes ao jornal Valor, o governo antecipou o pagamento de compensações a Estados e municípios, que seria parcelado ao longo dos próximos anos, e adiou a previsão de entrada de recursos de depósitos judiciais da Caixa. O Executivo também busca autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) para quitar o passivo de precatórios que herdou do governo Bolsonaro de uma só vez.

Mas o próprio relatório indica que esses artifícios não serão suficientes para zerar o déficit no ano que vem. Enquanto a arrecadação de impostos patina há meses, as despesas continuam a aumentar em termos reais, ou seja, acima da inflação. Essa “frustração” na arrecadação, consequência de estimativas irreais quanto à recuperação de receitas, levou o Executivo a bloquear R$ 1,1 bilhão em gastos, elevando o contingenciamento deste ano a R$ 5 bilhões.

Negando a realidade, o governo não apenas se recusa a rever gastos estruturais, como planeja aumentá-los. Promessa de campanha da ministra do Planejamento, Simone Tebet, o programa para incentivar alunos de baixa renda a concluírem o ensino médio deve custar entre R$ 4 bilhões e R$ 7 bilhões, a depender do alcance e do formato a ser adotado.

Tal proposta certamente é meritória, mas viabilizá-la requer cortar despesas na mesma proporção, como manda a lei, e não abrir mais uma exceção para contabilizar os gastos fora dos limites do arcabouço fiscal. A manobra não apenas desmoraliza toda a articulação de Haddad para aprovar o novo regime fiscal na Câmara e no Senado, como enfraquece a âncora que nem começou a vigorar.

Como não poderia deixar de ser, a descrença em relação à política fiscal do governo só cresce. Depois que Lula da Silva desqualificou a importância de zerar o déficit em 2024 e o governo passou a defender limites para o contingenciamento, nada menos que 100% dos profissionais de mercado consultados na última pesquisa Genial/Quaest acreditam que o governo não cumprirá a meta. Para 77% dos entrevistados, a falta de uma política fiscal que funcione é o principal problema a dificultar a melhora da economia.

A divulgação da prévia do PIB pelo Banco Central (BC) confirmou a perda do vigor da atividade na segunda metade do ano. Sem o apoio do agro, indicadores antecedentes do comércio e dos serviços e a confiança dos empresários e consumidores não permitem otimismo. O próprio governo reduziu sua projeção para o crescimento do PIB neste ano de 3,2% para 3% e, entre os analistas, há quem já preveja recessão técnica no segundo semestre.

O pessimismo em relação à economia não vem apenas do mercado. Entre a população, as avaliações negativas sobre o governo Lula já superam as positivas, segundo a mais recente pesquisa Atlas – e isso em pleno primeiro ano de mandato, quando a paciência do eleitor costuma ser maior.

Nesse cenário turvo, é urgente que o governo comece a entregar algo do que prometeu e a cumprir as metas fiscais que ele mesmo propôs. Abrir a torneira dos gastos não resolverá o problema e vai retroalimentar um contexto de crescimento medíocre, baixo investimento e juros elevados com o qual o País convive há anos.

Opinião do Estadão

Foto: reprodução/redes sociais

Dois homens foram presos e um ficou ferido após troca de tiros com a polícia no bairro de Petrópolis, na Zona Leste de Natal, próximo ao Colégio Atheneu, na tarde deste domingo (26).

Segundo informações da Polícia Militar, os criminosos tentavam realizar assaltos na região quando foram surpreendidos pelos policiais que faziam o patrulhamento.

Testemunhas relataram intensa troca de tiros no local. De acordo com a polícia, dois homens foram presos no local e encaminhados para a Delegacia de Plantão. O criminoso que ficou ferido foi socorrido para o Hospital Clóvis Sarinho.

Ponta Negra News

 

Uma notícia de deixou a cidade de Macaíba de luto, Jobson, conhecido carinhosamento por (pingo) e sua filha faleceram em um grave acidente de carro. De acordo com informações ainda não confirmadas um carro fez uma ultrapassagem indo para contramão e se chocando de frente com o carro de Jobson. Ainda de acordo com relatos pai e filha morreram na hora. Ainda não confirmamos se sua esposa e seu filho também estavam no carro. Maiores informações a qualquer momento.

Atualizado.

As duas vítimas fatais do trágico acidente ocorrido na manhã deste domingo (26), na BR-304, entre São Pedro e Santa Maria, foram identificadas. O gastrólogo Joabson Mathias e sua filha, Elisa Fernandes Mathias, de apenas dois anos de idade, estavam no veículo que colidiu frontalmente contra um caminhão. As informações são do perfil @Upanema no Instagram.

Segundo informações da PRF, o acidente foi registrado por volta das 08h15. Além das vítimas fatais, outras três pessoas ficaram feridas e receberam socorro, enquanto o motorista do caminhão sofreu apenas ferimentos leves.

O acidente mobilizou diversas equipes de resgate, com viaturas do SAMU, Corpo de Bombeiros e até o helicóptero da Secretaria de Segurança Pública, todas atuando no local para o socorro das vítimas presas às ferragens. As vítimas foram socorridas para o Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, em Natal.

Joabson que já residiu em Macaíba (e tava morando atualmente em Upanema) era casado com a psicóloga Ione Casuza e também o proprietário do Seu Mathias Bistrô. A cidade local ficou abalada com a trágica notícia.

Fonte: Blog do Ismael no Instagram/adaptado 

Foto: Reuters

O grupo terrorista Hamas soltou, na noite deste sábado (25), o segundo grupo de reféns feitos no dia do ataque de 7 de outubro a Israel. Os 17 reféns, 13 israelenses e quatro tailandeses, cruzaram a fronteira entre a Faixa de Gaza e Rafah, no Egito, em veículos da Cruz Vermelha e estão a caminho de Kerem Shalom, kibutz no sul de Israel.

Também neste sábado, Israel cumpriu o acordo para a troca de reféns e prisioneiros com Hamas e liberou 39 palestinos que estavam presos no país desde antes do início da guerra.

Mais cedo, terroristas da Brigada Izz el-Deen al-Qassam, braço armado do Hamas, haviam afirmado que decidiram atrasar a liberação porque Israel deixou de cumpriu com termos do acordo de trégua.

De acordo com a agência de notícias Reuters, o grupo terrorista adiou a segunda libertação de reféns até que Israel permita a entrada de caminhões com itens de ajuda humanitária no norte de Gaza.

g1

O presidente do Senado Federa, Rodrigo Pacheco, disse nesta sexta-feira (24) que é favorável à PEC que estabelece o mandato fixo e elevação de idade mínima para ministros do Superior Tribunal Federal (STF). A notícia é da CNN Brasil.

Segundo Pacheco, outra mudança possível, e já uma PEC nesse sentido, é a questão de mandato de ministro do Supremo com elevação da idade mínima de ingresso.

“Hoje são 35 anos, poderia se elevar essa idade mínima e fixar um mandato para os ministros do STF. Isso está em uma PEC na CCJ do Senado e eu considero, que assim como outros tantos países do mundo adotam essa sistemática, pode ser uma sistemática muito positiva para o Brasil. Mas, essa é uma manifestação minha, que não vincula o colegiado do Senado, que em momento oportuno vai apreciar essa questão do mandato de ministros do Supremo”, declarou o presidente do Senado.

A declaração foi dada em um evento realizado na Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), pelo Fórum das Américas e pelo Global Council of Sustainability & Marketing, por meio da Economy & Law.

Até 75 anos

Atualmente, os mandatos da Suprema Corte não têm limite de duração, e os ministros só precisam deixar o cargo ao completar 75 anos de idade.

Proposta

Uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) em discussão no Congresso fixa em oito anos o período de um ministro no STF.

 

O preço do gás de cozinha ultrapassou em novembro, em 71 municípios brasileiros, a maior média nacional semanal do século, de R$ 113,66, registrada entre os dias 10 e 16 de abril de 2022.

Na cidade de Tefé, no Amazonas, o botijão chegou a superar em quase 34% o recorde histórico, com o vasilhame de 13 quilos do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) sendo comercializado a R$ 152, o preço mais caro do País, informou o Observatório Social do Petróleo (OSP), com br no Levantamento de Preços de Combustíveis da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

A agência verificou que o valor do botijão de gás em 456 municípios do Brasil, na semana de 12 a 18 de novembro, variaram de R$ 114 a R$ 152. Em 71 cidades os preços estão acima da marca da série histórica – que tem início em julho de 2001, quando o órgão regulador federal começa a divulgar os valores do gás de cozinha.

A análise do Observatório mostra que seis das 10 cidades com preços mais elevados estão na região Norte, que é abastecida parcialmente pela Ream (Refinaria da Amazônia). A unidade de refino, que completa em dezembro próximo um ano de privatização, tem sido a recordista nacional dos combustíveis mais caros, segundo o OSP.

Na lista geral dos 71 municípios acima do recorde do século aparecem três cidades do estado do Rio de Janeiro e três de São Paulo. No Rio, Macaé cobra R$ 123 pelo botijão e é o município com o preço mais caro do Estado. Logo em seguida estão Itaguaí (R$ 121) e Angra dos Reis (R$ 114,84). Em São Paulo, o maior custo do gás de cozinha foi constatado em Marília (R$ 114,44), seguido por Itapeva (R$ 114,16) e Guarujá (R$ 114,09).

Dez mais
A lista das 10 cidades brasileiras com custo mais alto do gás de cozinha inclui três municípios no Amazonas, três em Mato Grosso, dois em Rondônia, um em Roraima e um na Bahia. Tefé (AM) é a cidade com preço mais elevado do Brasil, seguida por Alta Floresta e Sinop, ambos municípios do Mato Grosso, onde o vasilhame é vendido a R$ 145 e R$ 138,63, respectivamente.

“A cidade de Tefé está localizada a apenas 180 km do Polo Urucu, a maior reserva terrestre de gás natural do País, e é o ápice da contradição que justo nessa região a população seja condenada a pagar os preços mais altos”, disse em nota o secretário geral da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), Adaedson Costa.

Segundo ele, essa situação é fruto da privatização. “Por isso defendemos a urgência de a Petrobras voltar a ser uma empresa integrada de petróleo, como são todas as grandes petrolíferas mundiais, reestatizar refinarias, distribuidoras, gasodutos e campos de exploração”, destacou.

O economista Eric Gil Dantas, do OSP e do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (Ibeps), aponta dois fatores que explicam a concentração dos maiores preços no Norte do Brasil.

“O primeiro motivo é que a média ponderada dos preços praticados por produtores e importadores nessa região está 24% acima da média nacional, de acordo com dados da ANP. E grande parte dessa alta se deve à privatização da refinaria. O segundo fator é que a região tem a maior margem de distribuição e revenda, devido aos custos mais elevados de transporte/logística, sendo R$ 9 (18%) superior à média nacional”, afirmou.

Folha de São Paulo

 

Alexandre Correa, 51, entrou com pedido de divórcio de Ana Hickamnn, 42, nesta sexta-feira (24), após a polícia entrar em seu apartamento a procura de uma arma. A informação foi confirmada pelo advogado do empresário a Splash.

O que aconteceu?

Em contato com à reportagem, o advogado Enio Martins Murad informa que Alexandre optou pela separação após Ana Hickmann pedir medida protetiva de urgência o denunciando por porte ilegal de arma de fogo.

Mediante a denúncia, a Polícia atendeu a solicitação da apresentadora e realizou uma diligência de busca e apreensão no apartamento do empresário, na última quinta-feira (23).

“A Ana pediu medida protetiva com os advogados denunciando o Alexandre por uma suposta arma de fogo. Houve uma busca e apreensão dessa suposta arma e invasão de seu apartamento, em que eu e o Alexandre não estavámos presentes para acompanhar. A polícia usou de abuso de poder. O meu cliente está sofrendo um linchamento e resolveu pedir o divórcio após a denúncia da arma. Ele está se sentindo coagido e constrangido”, explicou Enio.

Nos stories do Instagram, Alexandre Correa disse que seu apartamento foi “arrombado” pela Polícia Civil enquanto estava na delegacia de Itu, no interior de São Paulo, para prestar depoimento relacionada à denúncia.

Ontem, quando eu fui à Delegacia de Itu prestar o meu depoimento, eu fui revistado, não acharam arma. Revistaram o meu carro, não acharam arma. E, concomitantemente, eu prestava o meu depoimento na delegacia da mulher de Itu, a Polícia Civil arrombou o meu apartamento aqui em São Paulo à procura de arma e também não achou arma.
Alexandre Correa

O representante de Alexandre Correa ainda reforça que o empresário não agrediu Ana Hickmann. Ele afirma que houve um “acidente” após uma discussão normal de um casal que estava junto há 25 anos.

“Não houve agressão por parte do Alexandre. Foi um acidente com a porta que machucou Ana Hickmann. A Ana foi puxar a porta, ele colocou o pé e o trinco bateu no braço dela. Isso não configura agressão. Ele está sendo tratado como condenado sem direito a defesa”, declara.

Fonte: Uol

 

 

O presidente Luiz Inácio da Silva (PT) sinalizou que deve indicar Flávio Dino, atual ministro da Justiça e Segurança Pública, para uma vaga no Supremo Tribunal Federal. A vaga está aberta após a aposentadoria de Rosa Weber.

Segundo O Antagonista, a sinalização foi uma resposta a reação desproporcional de integrantes do Supremo Tribunal Federal à aprovação, no Senado, da PEC que limita as decisões monocráticas na Corte. Além de Dino, Lula deve escolher Paulo Gonet para a Procuradoria-Geral da República.

A indicação de ambos é vista como uma forma de apaziguar os ânimos com o Supremo em meio à crise gerada pelo Senado. A base do PT rejeita ambos, por entender que isso aumentaria, ainda mais, o poder de atuação do Tribunal.

Lula falou sobre as possíveis indicações de Gonet e Dino durante um jantar com os ministros Gilmar Mendes, Alexandre de Moraes e Alexandre Zanin. A informação foi divulgada por O Globo e confirmada por O Antagonista.

O jantar durou aproximadamente duas horas e ocorreu no Palácio da Alvorada. Na conversa, os ministros, conforme apurou este site, voltaram a reclamar da atuação do líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT) na votação da PEC. Eles externaram a Lula que o voto de seu líder era um sinal de que o próprio Palácio tinha endossado a proposta. Lula, por sua vez, disse que também foi “pego de surpresa” com a atuação do correligionário.

Ao longo da quinta-feira, ministros enviaram recados ao Palácio, alegando estarem sendo “traídos” pelo Poder Executivo, ainda mais depois dos atos de 8 de janeiro. Havia uma insatisfação no Tribunal, baseada no sentimento de que o STF concedeu medidas que favoreceram o governo Lula, mas o Poder Executivo não vinha sendo recíproco.

Além disso, durante as conversas de ontem, os ministros reafirmaram que o governo Lula tem problemas sérios de articulação política. O próprio presidente da Corte, Luís Roberto Barroso, vinha dando sinais de falhas na interlocução do Tribunal com o Planalto.

Durante o jantar, Lula disse aos ministros que Dino e Gonet devem ser indicados em um “futuro próximo”. A data ainda não foi definida.

A indicação de Gonet é a retribuição de Lula a Gilmar pelos “serviços prestados” contra a Lava Jato.