Saúde Arquivo

Profissionais de saúde de vários municípios participaram do evento

O município de Macaíba sediou uma oficina sobre o atendimento na linha de cuidado dos pacientes com sobrepeso e obesidade promovida pela Secretaria Estadual de Saúde, na manhã desta quarta-feira (06), no centro de convivência Pax Club.

O público-alvo do evento foram os profissionais da atenção básica de saúde de Macaíba e dos municípios das 3ª, 5ª e 7ª regiões de saúde do estado. Macaíba faz parte da 3ª região que é composta também por Natal, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante e Extremoz.

O prefeito Fernando Cunha prestigiou a iniciativa que discutiu o aprimoramento das ações diárias e as experiências realizadas em cada município no tratamento do sobrepeso e da obesidade. Na oportunidade também esteve presente a coordenadora da Atenção Básica de Macaíba, Irlia de Paula.

Assecom-PMM

O Ministério da Saúde anunciou hoje (6) o fim do surto de febre amarela no país. Desde junho, quando foi confirmado o último caso no Espírito Santo, o Brasil não tem registros da doença. Segundo a pasta, a prevalência da doença é nos meses de calor, entre dezembro e abril, e, com o fim dessa sazonalidade, a expectativa é que o número de casos diminua.

De acordo com o último boletim epidemiológico, desde o início do surto, em 1º de dezembro do ano passado, até 1º de agosto deste ano, foram confirmados 777 casos e 261 óbitos por febre amarela. Outros 2.270 casos foram descartados e 213 permanecem em investigação. Além disso, 304 casos foram considerados inconclusivos.

A Região Sudeste concentrou a maioria dos casos, com 764 confirmações, seguida da Região Norte (10) e Centro-Oeste (3). As regiões Sul e Nordeste não tiveram confirmações.

Vacinação

Mesmo com a interrupção da transmissão da febre amarela, o Ministério da Saúde ressalta a importância de manter as ações de prevenção e de ampliar a cobertura da imunização contra a febre amarela para prevenir novos casos da doença no próximo verão. O Brasil adota o esquema de apenas uma dose da vacina durante toda a vida, de acordo com recomendações da Organização Mundial da Saúde.

Segundo o Ministério da Saúde, a vacinação é a medida mais importante para prevenção e controle da doença, com eficácia de 95% a 99%. A vacinação para febre amarela é ofertada no esquema de vacinas de rotina em 20 estados: Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Bahia, Maranhão, Piauí, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Além dessas áreas com recomendação, neste momento, também está sendo vacinada a população do Espírito Santo.

O Ministério da Saúde enviou aos estados 36,7 milhões de doses da vacina ao longo deste ano, tanto para rotina quanto para reforço nos estados afetados pelo surto.

Somente para Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo e Bahia foram distribuídas 27,8 milhões de doses extras. A vacinação foi intensificada em 1.121 municípios desses cinco estados. Atualmente, a cobertura vacinal nessas localidades está em 60,3%. Apenas 205 cidades estão com a cobertura vacinal ideal, igual ou superior a 95%.

Para o ministro da Saúde, Ricardo Barros, a situação está sob controle, mas é preciso aumentar a cobertura vacinal nas áreas de recomendação. “É preciso que as equipes façam a busca ativa, especialmente das pessoas que estão na zona rural, que são as mais suscetíveis a pegar febre amarela. E também façam o esforço, se o município é grande, tem que fazer campanha de vacinação na mídia, se o município é menor, fazer um esforça de ir de casa em casa para poder alcançar a cobertura”, explicou.

Ler mais…

A taxa de doadores de órgãos no Brasil subiu de 14,6 pessoas por milhão de habitantes para 16,2 no primeiro semestre deste ano, de acordo com pesquisa da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). A expansão atingiu 11,8%, o que leva o país a ficar bem próximo da meta prevista para este ano de 16,5 doadores efetivos por milhão de habitantes.

“A taxa mostra que o número de doadores efetivos voltou a crescer de forma significativa, o que não estava acontecendo nos últimos semestres”, disse à Agência Brasil o cirurgião cardiovascular José Lima Oliveira Júnior, integrante da Comissão de Remoção de Órgãos da ABTO.

O médico afirmou que o principal entrave ao aumento do número de doadores no país é a recusa das famílias quando abordadas após a constatação da morte encefálica de algum parente. Atualmente, no Brasil, de cada 100 famílias, 43 recusam fazer a doação. “Esse é o principal entrave hoje”. Essa taxa de recusa familiar varia de estado para estado. Na Região Norte, em alguns estados, a recusa alcança 90%. “De cada dez famílias abordadas, nove recusam a doação”.

A situação é melhor na Região Sul, onde os estados do Paraná e de Santa Catarina apresentam taxas de recusa entre 22% e 23%, próximas da média de países desenvolvidos como os Estados Unidos, a Austrália, Espanha e o Canadá, cuja taxa oscila em torno de 20%.

O estudo mostra baixo aproveitamento de órgãos dos potenciais doadores notificados. No acumulado janeiro-junho de 2017, 31% dos 5.309 potenciais doadores notificados foram aproveitados. O índice é bastante inferior ao de países desenvolvidos, que varia entre 60% e 70%, segundo a entidade.

Por outro lado, a pesquisa da ABTO indica que a taxa de notificação de potenciais doadores aumentou 4,5% no primeiro semestre deste ano, enquanto a taxa de efetivação da doação de órgãos cresceu 7,2%. Foi registrado no período crescimento no número de transplantes de rim (5,8%), fígado (7,4%) e córneas (7,6%). Em contrapartida, ocorreu redução nos transplantes de coração (-3,6%), pulmão (-6,5%) e pâncreas (-6%). Oliveira Júnior esclareceu que pulmão e coração são órgãos mais difíceis de serem transplantados porque há recusa técnica, devido à viabilidade do órgão. “São órgãos mais sensíveis”.

De acordo com o cirurgião, quase 35 mil brasileiros estão na fila à espera de um órgão. “A fila só aumenta ou diminui em função das pessoas que entram na fila e morrem, aguardando por um órgão, ou das pessoas que são transplantadas e não continuam na fila”. A maioria das pessoas na fila aguarda doação de rim (20.523 pacientes).

Campanha

Este mês de setembro, a ABTO promove em todo o país a campanha Setembro Verde. Criado em 2012 por José Lima Oliveira Júnior, o projeto visa estimular a doação de órgãos, além da busca de direitos para os pacientes em fila de espera e para os transplantados.

“Esses pacientes não conseguem trabalhar no dia a dia, têm uma expectativa de vida extremamente reduzida, muitas vezes eles têm que migrar do seu estado natal e ir para fila de espera em outro estado, já que as filas no Sul e Sudeste acabam andando mais rápido porque se fazem mais transplantes. É uma realidade que a gente procura amenizar”, disse Oliveira Júnior.

Vários monumentos e pontos turísticos no país estarão iluminados de verde durante todo o mês de setembro, com o objetivo de chamar a atenção da população sobre a importância da doação de órgãos. Um deles é o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. A campanha tem como lema “Doe órgãos, a vida continua!” e destacará também o Dia Nacional da Doação de Órgãos, no dia 27 deste mês.

A campanha, que está na quarta edição, contará com diversas ações de conscientização em 22 estados que já aprovaram o projeto de lei que institui o Setembro Verde. Distribuição de folhetos, colocação de totens eletrônicos, além de eventos em agradecimento aos doadores estão agendados, entre outras iniciativas.

Na cidade de São Paulo, abrigos de ônibus e alguns pontos turísticos também ficarão coloridos de verde. No dia 30, haverá celebração ecumênica na Catedral da Sé, além de distribuição de material explicativo sobre a doação de órgãos.

Para Oliveira Júnior, a campanha mostra balanço positivo. Quando criou o projeto, ele não imaginava que fosse crescer de forma tão rápida, comentou. “Nós temos hoje vários estados que têm a campanha no seu calendário oficial e mais de 200 municípios no Brasil todo. Tudo isso chama a atenção das pessoas para esse problema. O movimento está crescendo”. Acrescentou que o objetivo da campanha é levar a doação de órgãos como pauta para a discussão da sociedade no dia a dia.

Agência Brasil

No decorrer desta semana, os funcionários da Unidade de Pronto Atendimento de Macaíba – UPA receberam uma importante capacitação referente ao atendimento de primeiros socorros. Diversas simulações foram realizadas com manequins e pessoas representando pacientes em situações que requerem ações de urgência e emergência.

 

Com mudanças aprovadas no plano, pacientes podem buscar qualquer unidade de saúde para exames

Agentes comunitários de saúde passarão a aferir pressão e glicemia da população e fazer curativos. A medida foi viabilizada pela aprovação da nova Política Nacional de Atenção Básica (Pnab), do Ministério da Saúde.

Com o Pnab, a ideia é melhorar os atendimentos de visitas em domicílio. O número de equipes aumentará, já que os agentes passarão por cursos de qualificação, como prevê o plano.

Para garantir a qualidade do atendimento, a nova legislação mantém o mínimo de profissionais – médico, técnico de enfermagem, odontólogo. Porém, torna mais flexível o número de agentes comunitários de saúde. O mínimo agora é um agente nas equipes de Saúde da Família nas regiões e quatro nas regiões de vulnerabilidade social.

Ações essenciais

As prefeituras que mantinham equipes de atenção básica menores, ou que não cumpriam o padrão estabelecido, passam agora a receber recursos federais. A carga horária também ficou flexível. Em vez de ser cumprida por um só profissional, três agentes farão as 40h exigidas por lei.

Todas as unidades básicas de saúde vão oferecer um conjunto de serviços essenciais para a saúde da população. Hoje, nem todas as unidades têm serviços como pré-natal, acompanhamento de hipertensos e diabéticos, procedimentos cirúrgicos de pequena complexidade e aplicação de vacinas.

Localização

Outra ação é facilitar o atendimento ao cidadão em todas as unidades de saúde. Atualmente, o acompanhamento do usuário é vinculado ao endereço da sua residência. A mudança permitirá o tratamento do usuário em qualquer unidade básica de sua escolha. Com a implantação do prontuário eletrônico em todas as UBS, a população poderá ser atendida em qualquer unidade de saúde.

Os investimentos na atenção básica subiram 10,4% neste ano, na comparação com o ano passado, e registraram R$ 19,1 bilhões. O novo plano beneficia 1.787 municípios e representa cobertura de mais 22 milhões de pessoas. Atualmente, existem 41.025 equipes de saúde da família credenciadas em 5.451 municípios brasileiros que atendem a 65% da população.

Portal Brasil

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recolheu lotes de medicamentos que têm como príncipio ativo o paracetamol e a amoxilina. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (30) no Diário Oficial da União.

Segundo a agência, estão suspensos em todo o Brasil a distribuição e a comercialização do medicamento genérico “Paracetamol solução oral 200mg/mL”, lote 0130/16, com validade em março de 2018. O medicamento é fabricado pela Hipolabor Farmacêutica.

A Hipolabor informa que o lote foi retirado do mercado por alteração no aspecto do medicamento. “Vamos apurar se a mudança foi ocasionada por armazenamento em condições inadequadas”, informa a empresa.

Segundo a empresa, o lote já foi recolhido e não está disponível nas drogarias para venda.

Também estão suspensos em todo o território nacional o medicamento Amoxil BD, da empresa Glaxosmithkline, nas concentrações 200 mg/5 ml e 400 mg/5 ml.

Comum, o paracetamol é utilizado para a redução da dor e da febre em gripes, por exemplo. Já a amoxilina, é um antibiótico recomendado usualmente para infecções das vias respiratórias.

G1

Três das doenças mais comuns já não respondem aos antibióticos destinados a seus tratamentos

É sabido que vivemos um crescimento descontrolado de novos casos de HIV. O problema é que DSTs comuns estão se tornando imunes aos remédios comumente utilizados para o tratamento delas.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, gonorreia, síflis e clamídia são três delas, consideradas bacterianas, as classificadas resistente aos remédios. E a culpa é nossa, graças ao mau uso dos antibióticos.

Por conta do surto de casos – as três doenças somam 200 milhões de pessoas infectadas por ano –, o tratamento se banalizou, e mal administrado, pessoas acabaram ingerindo dosagens maiores do que as necessárias, fazendo com que as bactérias se acostumassem a elas.

Ainda segundo a OMS, já foi encontrada uma evolução da bactéria causadora da gonorreia que não responde a nenhum tipo de medicamento existente. Agora, o órgão tem aconselhado mudanças para o tratamento das doenças, e que os governos acompanhem de perto a resistência das bactérias.

E, claro e sempre: use camisinha. As DSTs ainda podem causar danos gravíssimos à saúde e esta ainda é a melhor forma de ficar livre delas.

Super Pride

A Prefeitura de Macaíba, por meio da Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social, informa às famílias devidamente cadastradas no programa de fraldas geriátricas que a entrega começou a ser feita a partir de hoje, 24 de agosto, na sede da referida secretaria, ao lado da Prefeitura, no horário das 8h às 17h. Para receber as fraldas, o familiar do beneficiário deverá comparecer portando a sua carteira de cadastro. O programa atende a mais de 300 famílias no município.

A Secretaria de Saúde de Macaíba deu início a mais um ciclo de cirurgia de catarata. Nesta terça-feira (22), mais 10 pacientes foram encaminhados para o procedimento. A entrega aconteceu na sede da secretaria. O prefeito Fernando Cunha, a secretária interina de Saúde, Gsleyne Karla e Lorena de Gois, coordenadora da Central de Marcação de Consultas participaram da entrega.

Desde o mês de abril deste ano a Prefeitura vem realizando mensalmente as cirurgias, representando, até o momento, um total de 90 feitas com sucesso. Na entrega, o prefeito Fernando Cunha destacou a importância do serviço para a população.

“Fazer a cirurgia significa, acima de tudo, o resgate da autoestima e mais qualidade de vida para os pacientes. Temos dado total prioridade à área oftalmológica do município”.  Além dos procedimentos cirúrgicos, neste ano a Prefeitura já realizou três mutirões que atenderam cerca de 2,5 mil pacientes. A secretaria de Saúde planeja novas ações na área oftalmológica. Pacientes agradecem ao prefeito Fernando pelo trabalho realizado na área oftalmológica

A Pantys lançou quatro modelos de calcinhas – tanga, biquíni, clássica e “hot pant – com preços que variam de R$ 75 a R$ 95 no site da marca

A calcinha absorvente se tornou mais conhecida no Brasil em novembro de 2016, quando a chef Bela Gil contou que as usava no lugar de absorventes comuns e coletores menstruais. Na época, ela contou que comprava a roupa íntima no exterior.

Agora, foi lançada a primeira marca brasileira especializada no produto, a Pantys, que produz calcinhas com tecido antimicrobiano com bloqueador de odores. Ela possui apenas 1/3 da espessura de um absorvente padrão, absorve o equivalente a dois absorventes externos, é reutilizável, pode ser lavada na máquina e dura até dois anos. A recomendação é de usá-la de 6 a 10 horas, nos dias de fluxo intenso, e o dia todo nos dias de fluxo leve.

Uma das bandeiras que a marca levanta é a da sustentabilidade. É estimado que, durante a vida, as mulheres tenham cerca de 450 ciclos menstruais, descartando 150 quilos de absorventes. Com as calcinhas, o lixo gerado é reduzido drasticamente.

A Pantys lançou quatro modelos de calcinhas – tanga, biquíni, clássica e “hot pant – com preços que variam de R$ 75 a R$ 95 no site da marca.

O Tempo

Imagine a seguinte cena: você está acompanhando sua esposa grávida no hospital e acaba saindo de lá operado de hemorroidas por engano. Parece filme. Mas aconteceu na vida real.

Uma confusão no hospital de Shenyang Hunnan Xinqu, na China, fez com que um homem passasse por uma cirurgia de hemorroidas por engano enquanto esperava a mulher dele dar à luz. Identificado apenas como Wang, o rapaz foi confundido com outro paciente que estava aguardando pelo procedimento.

O hospital justificou ao jornal Peoples Daily Online, dizendo que só tem duas salas de operação e que Wang foi encaminhado para aquela que serviria para realizar o parto da esposa. A mulher, no entanto, ainda estava em preparação em outra sala. Neste momento, um médico chega e pede para que ele tire as calças e deite na mesa de operação.

“Foi estranho. Eu perguntei o motivo disso e ele apenas disse: ‘Faça o que eu estou mandando’, disse Wang ao jornal. O médico aplicou a anestesia e realizou o procedimento para remover as hemorroidas. “Quando estava na mesa de operações, ouvi um bebê chorando e fiquei muito feliz”, contou.

O hospital percebeu o erro e ofereceu a Wang a quantia de cerca de R$ 2,5 mil como compensação, mas eles ainda estão em negociação.

O Projeto Barriguda, desenvolvido na comunidade quilombola Capoeiras (RN) pelo Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi (CEPS/ISD), foi premiado neste domingo, 20/08/2017, em Brasília (DF), durante a 2a Conferência Nacional de Saúde das Mulheres (2ª CNSMu)!

O projeto integrou seleção de outras cinco iniciativas brasileiras inovadoras na área de saúde das mulheres, que receberam homenagem da Organização Panamericana de Saúde (OPAS OMS Brasil – PAHO WHO Brazil) e do Conselho Nacional de Saúde (CNS).
O diretor de ensino e pesquisa do Instituto Santos Dumont (ISD), Reginaldo Freitas Jr, e a representante da comunidade Capoeiras, Liliane Moura Barbosa, estiveram na cerimônia de premiação. O Projeto Capoeiras integra as ações do Programa Institucional de Educação para a Ação Social e Comunitária (PISD5).

Instituto Santos Dumont

A Prefeitura de Macaíba tem realizado uma série de reformas nas unidades de saúde nos quatro cantos do município, tanto na zona urbana quanto na zona rural. Um bom exemplo disso pode ser constatado no distrito de Cajazeiras, nas adjacências da Reta Tabajara.

O posto de saúde local está praticamente novo após os serviços realizados por intermédio da Secretaria Municipal de Infraestrutura – SMIN, que variam desde a troca das instalações elétricas e hidráulicas, pintura, acabamento, até a otimização dos ambientes.

Outra melhoria significativa nessa unidade de saúde é a chegada recente de um novo consultório odontológico, acompanhado por diversos equipamentos que irão aprimorar o atendimento dos pacientes da região.

Assecom-PMM

Enquanto o governo faz e refaz contas do orçamento, o setor público segue produzindo exemplos de desperdício de dinheiro.

Da varanda de casa, dá para ver o prédio pronto há quase cinco anos, mas, até hoje, a dona Maria não viu nenhum paciente.

“Eu fico revoltada e triste também. O dinheiro da gente foi ali”, disse a dona de casa Maria Ferreira de Souza.

A Unidade de Pronto Atendimento 24 horas em Votorantim, no interior de São Paulo, custou quase R$ 3 milhões e nunca funcionou. São dez consultórios, salas para enfermagem, vacina, pediatria e até uma UTI. Por mês, mais de 30 mil pessoas poderiam ser atendidas lá.

“Estão destruindo nosso dinheiro, jogou no ralo. A gente precisa do médico e não tem”, contou a dona de casa Maria de Lourdes França Ferreira.

Uma outra UPA também está pronta há quatro anos, mas nada de funcionar. Dona Maria da Luz tem que andar mais de três quilômetros com o pai na cadeira de rodas para conseguir atendimento.

“Dá uma revolta, uma tristeza, ver meu pai assim e ter que correr com ele se arrastando por aí”, disse ela.

A construção das UPAs é uma parceria entre o governo federal e os municípios. O Ministério da Saúde libera o dinheiro para obra e a prefeitura tem que equipar e contratar os funcionários. Em Votorantim, a prefeitura diz que precisaria de R$ 24 milhões por ano para manter as duas UPAs. E já avisou ao ministério que vai usar os prédios apenas como postos de saúde.

“Nós não temos dinheiro hoje, a projeção para 2018 também não nos permite fazer isso. Isso acarreta equipamento, manutenção, custeio em geral e, principalmente, folha de pagamento”, disse o secretário de Planejamento de Votorantim, Carlos Laíno.

Esses casos não são exceção. O Ministério da Saúde confirmou que, no Brasil, 163 unidades de pronto atendimento novinhas não funcionam. Outras 340 estão em obras e sem previsão de quando vão começar a atender a população. Em Jundiaí, também em São Paulo, três UPAs que custaram R$ 17 milhões ainda não estão prontas. As obras estão paradas por problemas estruturais.

“Os projetos estão errados, colocam em risco a vida das pessoas. Assim que nós fizermos a correção desses projetos nós vamos dar sequência à construção dessas UPAs”, disse o prefeito de Jundiaí, Luiz Fernando Machado.

Mas não são só as unidades de pronto atendimento, que deveriam funcionar 24 noras, que estão fechadas. Em todo o país, quase mil unidades básicas de saúde também estão sem atender ninguém; 95 delas só no estado de São Paulo.

Uma delas foi construída pela prefeitura de Araçoiaba da Serra. O prédio está prontinho. Uma das salas da enfermagem tinha duas pias, mas como não tem nenhuma segurança, os vândalos já entraram e levaram. O prédio está abandonado.

Quase R$ 2 milhões do Ministério da Saúde foram gastos com a obra entregue há dois anos. A prefeitura vai ter que fazer uma baita reforma. O teto está cheio de mofo, as portas e vidros quebrados e as instalações elétricas destruídas.

“Queremos ver se num curto espaço de tempo, no máximo até o ano que vem, nós possamos recuperar todo o prédio para ele ser utilizado e atender à população da região”, disse o prefeito de Araçoiaba da Serra, Dirlei Salas.

“Fica triste porque poderiam ter inaugurado, estar funcionando. Tanta gente de idade que precisa e desse jeito aí, tudo quebrado, não inaugura nada”, contou a dona de casa Lázara Carmelina Antunes.

O Ministério da Saúde declarou que notificou todos os estados com obras paradas, e que os governos estaduais e municipais precisam apresentar um programa para pôr as unidades em funcionamento. Segundo o ministério, os administradores que não usarem o prédio vão ter que devolver o dinheiro.

Vídeo da matéria aqui: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2017/08/mais-de-160-upas-no-pais-estao-prontas-sem-funcionamento.html

Ainda temos o alarmante número de 37 milhões de pessoas vivendo com HIV no mundo e 2 milhões de novas infecções a cada ano, de acordo com a IAS, sigla em inglês para Sociedade Internacional de AIDS. E a doença que vem sendo estudada há mais de 30 anos não para de surpreender.

Estudos recentes sugerem que algumas bactérias na vagina podem aumentar o risco de HIV e agora há evidências de que a composição do microbioma do pênis também é importante, segundo estudo publicado no periódico científico mBio.

Os dados são resultados de um estudo maior com duração de dois anos sobre circuncisão. No experimento uma equipe de pesquisadores analisou as bactérias presentes no prepúcio de pacientes na Uganda.

O teste realizado entre 2004 e 2006 incluía 182 pacientes não circuncidados. Entre eles, 46 se infectaram com HIV e 136 não se infectaram. Todos tinham aproximadamente a mesma quantidade de bactérias em seus pênis, mas aqueles que acabaram contraindo o vírus tinham numeros muito maiores de tipos de bactérias que não precisam de oxigênio para sobreviver, organismos anaeróbios.

Os pesquisadores acreditam que embora o sexo seguro seja a melhor forma de prevenção, pode ser que no futuro seja possível controlar bactérias específicas no pênis com um antimicrobiano para dessa forma ajudar a reduzir ainda mais os riscos de infecção por HIV.

Foco no tratamento

A doença que já foi considerada uma sentença de morte hoje traz novas perspectivas de tratamentos, como foi possível observar na nona edição da Conferência de Investigação sobre o HIV, organizada pela Sociedade Internacional contra a Aids, que trouxe novos olhares e expectativas. Entre os destaques está um estudo que pode mudar a forma de tratamentos dos infectados: uma injeção mensal para substituir os comprimidos diários. As doses poderão ser administradas a cada quatro semanas ou a cada oito.

Atualmente o tratamento é feito com um comprimido por dia. Embora ainda não seja possível eliminar o vírus por completo, os antirretrovirais controlam a doença para que os pacientes possam viver mais e melhor, além de diminuir consideravelmente os riscos de transmissão.

Segundo informações divulgadas pelo último relatório da Unaids, Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, mais da metade dos 36,7 milhões de soropositivos estavam recebendo medicamentos contra o vírus em 2016. O equivalente a 53% do pacientes estavam tomando antirretrovirais com melhores expectativas de vida.

O documento também mostra que entre os anos de 2000 e 2016 o número de mortes relacionadas à doença foi reduzido em 12% na América Latina. A nível global a queda foi de 48% entre os anos de 2005 e 2016, passando de 1,9 milhão para 1 milhão. “Estamos no ritmo para se alcançar a meta de ter 30 milhões de pessoas em tratamento em 2020, para a partir daí chegarmos a 2030 com essa epidemia sob controle”, disse em depoimento o vice-diretor executivo do Unaids, Luiz Loures.

Yahoo

Visando oferecer melhor atendimento e otimizar os espaços de suas unidades de saúde, a Prefeitura de Macaíba está realizando uma série de obras de reestruturação. Os primeiros postos a serem contemplados são os localizados nas Campinas, Vilar, Canabrava e Loteamento Esperança.

Os serviços incluem pintura, instalação de novas instalações elétricas e hidráulicas e climatização de ambientes. Em breve, outras unidades serão atendidas, tanto em áreas urbanas quanto rurais.

Além dessas obras que estão sendo realizadas pela Secretaria Municipal de Infraestrutura, vários postos também estão recebendo novos equipamentos como consultórios odontológicos, autoclaves, aparelhos de ar-condicionado, aparelhos de raios X odontológicos, compressores, refrigeradores e televisores.

Assecom-PMM

Créditos: iStock/ilbusca

Sistema Único de Saúde (SUS) incluiu em sua lista de medicamentos o trastuzumabe, usado para tratar um tipo de câncer de mama agressivo, do subtipo HER2+.

O remédio passará a ser fornecido a pacientes em 180 dias, conforme publicado no Diário Oficial da União na última quinta-feira, 3, como informa matéria do G1.

O trastuzumabe chega a dobrar a sobrevida de pessoas em metástase (quando o câncer se espalha para outros órgãos e áreas do corpo). Cada dose chega a custar R$ 10 mil no mercado. Leia matéria completa.

O HER-2 é um gene que pode ser encontrado em todas as células do corpo, sua função é ajudar a célula nos processos de divisão celular, como explica o ginecologista e mastologista Roberto Hegg, ao Minha Vida, parceiro do Catraca Livre.

Via Catraca Livre

O genoma do vírus Zika, coletado no organismo de mosquitos do gênero Culex, foi sequenciado por cientistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Pernambuco. Com o sequenciamento, foi descoberto que o vírus consegue alcançar a glândula salivar do animal, o que indicaria, segundo a instituição, que o pernilongo pode ser um dos transmissores do vírus Zika.

Os resultados foram publicados hoje (9) na revista Emerging microbes & infections, do grupo Nature. O artigo é intitulado “Zika virus replication in the mosquito Culex quinquefasciatus in Brazil” e pode ser encontrado na íntegra na internet.

Os mosquitos do gênero Culex foram colhidos na Região Metropolitana do Recife, já infectados. A equipe do Departamento de Entomologia da instituição conseguiu, então, comprovar em laboratório que o vírus consegue se replicar dentro do mosquito e chegar até a glândula salivar. Foi fotografado por microscopia eletrônica, também pela primeira vez, a formação de partículas virais do Zika na glândula do inseto.

Também foi comprovada a presença de partículas do vírus na saliva expelida do Culex, coletadas pelos cientistas. De acordo com a Fiocruz, o artigo “demonstra” a possibilidade de transmissão do vírus Zika por meio do pernilongo na cidade. Será analisado agora “o conjunto de suas características fisiológicas e comportamentais, no ambiente natural, para entender o papel e a importância dessa espécie na transmissão do vírus Zika”, como informou a instituição em seu comunicado.

O genoma do zika já havia sido sequenciado em 2016 pelo Departamento de Virologia e Terapia Experimental da Fiocruz Pernambuco, em parceria com pesquisadores da Universidade de Glasgow, mas na ocasião foi usada uma amostra humana. Esse sequenciamento é uma espécie de mapa de cada gene que forma o DNA do vírus. Agora, pela primeira vez no mundo, o mapeamento é feito a partir do mosquito.

Agência Brasil

A Secretaria de Saúde de Macaíba começou um novo ciclo de cirurgia de catarata. Nesta segunda-feira (07/08), mais 10 pacientes foram encaminhados para o procedimento.

Desde o mês de abril deste ano a Prefeitura vem realizando mensalmente as cirurgias, representando, até o momento, um total de 80 feitas com sucesso.

O prefeito Fernando Cunha esteve presente na entrega e destacou a importância do serviço para a população. “Fazer a cirurgia significa, acima de tudo, o resgate da autoestima e mais qualidade de vida para os pacientes”.

Via Assecom-PMM

O Ministério da Saúde lançou, nesta sexta-feira (4), um documento voltado a orientar pais e empresas sobre os benefícios da licença-paternidade estendida. Os pais, com a Lei 13.257/2016 (Marco Legal da Primeira Infância), podem prorrogar de 5 para mais 15 dias o período desde que seja comprovado o seu envolvimento no desenvolvimento do bebê.

A maior ligação do homem com a criação do filho e sua aproximação com a mulher é o foco da campanha nacional de amamentação deste ano.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, explica que busca-se apoiar os pais que são motivados a estar mais próximos das crianças, “para que possam cada vez mais auxiliar as mães, criando um ambiente de conforto e condições adequadas para esta prática tão importante, que é a amamentação”, ressaltou. A amamentação é capaz de reduzir em 13% a mortalidade por causas preveníveis em crianças menores de 5 anos.

Para ter direito à licença-paternidade estendida, os pais precisam entregar os seguintes comprovantes: declaração do profissional de saúde informando a participação do pai no pré-natal, nas atividades educativas durante a gestação ou sua visita à maternidade.

Portal Brasil