policia Arquivo

Por volta das 20h30min da noite desta terça-feira(19), um morador da comunidade rural de Riacho do Sangue teve o seu veículo Corsa Wind de cor verde, de placas MXH-6671, tomado de assalto por quatro elementos armados. Após o crime, eles teriam fugido no veículo da vítima sentido Centro de Macaíba.

Contudo, eles ainda tentaram roubar um outro veículo que passava na via. A perseguição se estendeu por vários quilômetros, mas o motorista conseguiu se esconder ao chegar em Macaíba.

Quem souber do paradeiro, pode ligar para o 190 ou 181.

Com informações da página Lagoense Notícias

Após dois anos e meio preso na carceragem da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, o empresário Marcelo Odebrecht foi liberado no meio da manhã desta terça-feira (19) para cumprir prisão domiciliar.

Neste momento o empresário está na sede da Justiça Federal, na capital paranaense, para instalação do equipamento de monitoramento eletrônico, segundo informação da assessoria de imprensa.

Ele deve viajar ainda hoje para São Paulo, devendo ficar em sua casa num condomínio de luxo no bairro do Morumbi.

Marcelo Odebrecht foi preso durante a 14ª fase da Operação Lava Jato, em 2015.

EBC

Um crime de homicídio foi registrado na madrugada desta sexta-feira (15) no bairro Parque Industrial, em Parnamirim. Segundo informações, um homem conhecido como “Chivinha”, de 23 anos, foi assassinado a tiros em via pública por um desconhecido que já chegou atirando. O SAMU chegou a ser acionado, mas a vítima não resistiu aos ferimentos. Uma equipe do ITEP esteve no local e removeu o corpo até a sede do órgão em Natal.

Na Ficha da Polícia RN

5,2 milhões de brasileiras foram vítimas dentro de transporte público

“Ele se sentou ao meu lado, não fez nada, mas me senti muito mal, desconfortável, com medo, então me levantei e fui me sentar ao lado de uma senhora”. Esse relato é de uma usuária de transporte coletivo, sobre uma recente situação que ela enfrentou dentro do ônibus no caminho para o trabalho. Ela é apenas uma entre tantas mulheres que não foram vítimas, mas que vivem escoltadas pelo constante medo de “ser a próxima”.

A auxiliar de limpeza Elizabet Vilhalva, de 40 anos, diz que a reação foi provocada pela insegurança de simplesmente não ter a garantia de que a própria dignidade sexual não será violada a qualquer segundo. Ela tem consciência de que aquele homem poderia não tentar nenhum ato de abuso. Mas ela não tinha certeza. “Não tem como identificar”, lamenta. E é disso que gera o medo.

No último dia 12, mais uma mulher foi vítima de abuso sexual dentro do transporte coletivo de Campo Grande. Um homem de 34 anos foi preso após se masturbar ao lado dentro do ônibus. No mês passado, uma jovem relatou no Facebook outra situação de abuso pela qual ela passou, e teve muitas declarações de outras mulheres que também foram vítimas da mesma pessoa.

E assim, a rotina dentro dos ônibus segue. Como também seguem as estatísticas de violência sexual contra as mulheres. Segundo uma pesquisa divulgada no início deste ano pelo Datafolha, 40% das mulheres brasileiras acima de 16 anos já sofreram algum tipo de abuso, sendo que 5,2 milhões foram vítimas de abuso físico em transporte público. Dentro deste quadro, 17% eram jovens e 12% negras.

Os números amedrontam ao mesmo tempo que indignam. “Fico alerta o tempo todo dentro do ônibus. Às vezes, só de alguém esbarrar em mim sem querer já fico tensa, pensando no que pode ser”, desabafa a professora Sirlei Prado, 39 anos, que também precisa utilizar o transporte público todos os dias para ir para o trabalho.

Até quando as mulheres terão que colocar todos homens na mira da desconfiança por simplesmente não saber quando o desrespeito e o machismo a tornarão a próxima vítima? Quando é que o direito de ir e vir, com a integridade sexual preservada, será igual para elas?

Midiamax

Um suspeito de estar realizando diversos assaltos em uma motocicleta foi baleado e morto no bairro de Capim Macio, Zona Sul de Natal, na tarde desta quarta-feira (13/12).

O fato ocorreu na Rua Abaeté. Com o homem, foi encontrada uma pistola .380, que possivelmente estava sendo utilizada em seus atos criminosos na região.

Na Ficha da Polícia RN

Mais dois relatos sobre roubos de veículos na cidade de Macaíba chegaram até a nossa redação. Os crimes foram cometidos nesta terça-feira (12).

A primeira ocorrência aconteceu em pleno centro da cidade, nas proximidades da Clínica dos Borges, quando uma motocicleta de cor preta, modelo Yamaha YBR 125cc, Factor, de placa OVZ-6348, foi roubada.

No outro caso, um carro modelo Fiat Strada Working, de cor prata e placas OKA-9467, foi roubado no distrito de Mangabeira. Qualquer informação sobre o paradeiro desses veículos, disque 181 ou 190. Há ainda o Whats da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social do Estado do RN (98132-6057).

Redação

O Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região, sediado em Porto Alegre, marcou para 24 de janeiro de 2018 o julgamento da apelação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a sentença do juiz federal Sérgio Moro no caso do triplex do Condomínio Solaris, localizado no Guarujá (SP). Em julho deste ano, Lula foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão, por lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

O processo foi incluído na pauta da 8ª Turma do tribunal, responsável pelos recursos da Operação Lava Jato na segunda instância da Justiça Federal. O relator da apelação é o desembargador João Pedro Gebran Neto. O colegiado também é composto pelos desembargadores Leandro Paulsen e Victor Laus.

Em outubro, o Ministério Público Federal (MPF) pediu o aumento da pena do ex-presidente. A acusação sustenta que Lula deve responder separadamente a cada acusação de corrupção que consta na sentença de Moro.

Na sentença proferida em julho, Moro entendeu que as reformas executadas no apartamento pela empresa OAS provam que o imóvel era destinado ao ex-presidente. Além disso, Moro entendeu que os recursos usados pela empreiteira foram desviados da estatal.

Na apelação, a defesa de Lula sustenta que a análise de Moro foi “parcial e facciosa” e “descoberta de qualquer elemento probatório idôneo”. O magistrado teria falhado ao estabelecer a pena com base apenas na “narrativa isolada” do ex-presidente da Construtora OAS José Aldemário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, sobre “um fantasioso caixa geral de propinas” e a suposta aquisição e reforma do imóvel.

Em nota, o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula, diz que “até agora existia uma discussão sobre uma condenação imposta ao ex-presidente Lula em primeira instância sem qualquer prova de sua culpa e desprezando as provas que fizemos da sua inocência. Agora temos que debater o caso também sob a perspectiva de violação da isonomia de tratamento, que é uma garantia fundamental de qualquer cidadão. Esperamos que a explicação para essa tramitação recorde seja a facilidade de constatar a nulidade do processo e a inocência de Lula”.

EBC

O senador Wilder Morais (PP-GO) vai apresentar nesta quarta-feira (13) o resultado do trabalho de avaliação da Política Nacional de Segurança Pública. O relatório deverá ser votado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), em reunião marcada para 10h.

Revogação do Estatuto do Desarmamento,  militarização das fronteiras e mais autonomia para os estados estão entre as sugestões apresentadas pelo estudo de 51 páginas produzido pelo parlamentar.

O senador adiantou que vai apresentar duas propostas de emenda à Constituição decorrentes da análise da política pública pela CCJ. Uma delas para mudar a divisão de competências entre os entes federados em relação à segurança pública. A intenção dele é ampliar a competência legislativa dos estados e do Distrito Federal em matéria penal, processual penal, seguindo um modelo parecido com o dos Estados Unidos.

A outra terá por objetivo tornar clara a competência constitucional das Forças Armadas para exercer as funções de polícia marítima e de fronteiras, de modo conferir segurança jurídica à atuação conjunta dos militares com a Polícia Federal na execução de tais atividades.

— Entendemos que tal alteração poderá desonerar os efetivos da Polícia Federal mobilizados nas fronteiras, permitindo sua realocação no combate a outros ilícitos, como concentrar esforços no combate a crimes de colarinho branco — justificou.

Números alarmantes

Seguindo o Regimento Interno do Senado, todos os anos, as comissões escolhem uma política governamental para avaliar e propor melhorias. A segurança pública foi o tema escolhido pela CCJ para 2017. Segundo o Wilder Morais, os números dão a dimensão do problema.

O parlamentar lembra que o país registrou mais vítimas de assassinatos nos últimos cinco anos do que a guerra da Síria no mesmo período. Naquele país do Oriente Médio, foram 256.124 baixas entre março de 2011 e novembro de 2015; no Brasil foram contabilizadas 279.567 mortes entre janeiro de 2011 e dezembro de 2015:

“Ou seja, vivemos um estado de guerra civil não declarada, responsável por ceifar a vida de aproximadamente 60 mil brasileiros todos os anos. Enquanto isso, estudos apontam que 80% das investigações sobre homicídios são arquivados sem solução e apenas 6% dos acusados do cometimento de crimes contra a vida são processados perante o Judiciário. Importa dizer que 9 em cada 10 assassinos não são, sequer, levados à julgamento no Brasil”, afirma o parlamentar em seu relatório.

Agência Senado

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou o Projeto de Lei (PL) 7560/17, do Executivo, para estabelecer que o militar do Exército, da Marinha e da Aeronáutica terá direito a licença-paternidade de 20 dias consecutivos. Como tramitava em caráter conclusivo, a proposta está aprovada pela Câmara e deve seguir para análise do Senado, a menos que haja recurso para votação no Plenário.

O relator na CCJ, deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), deu parecer favorável à proposta, que visa dar o mesmo tratamento hoje dispensado aos servidores civis federais. “A medida de extrema relevância e justiça para com os servidores militares”, disse.

Atualmente, pelo nascimento de filho, pela adoção ou pela obtenção de guarda judicial para fins de adoção, o militar tem licença-paternidade de cinco dias consecutivos, vedada a prorrogação. O texto aprovado amplia essa licença para 20 dias consecutivos ao alterar a Lei 13.109/15, que dispõe sobre a licença à gestante e à adotante, as medidas de proteção à maternidade para militares grávidas e a licença-paternidade, no âmbito das Forças Armadas.

Agência Câmara Notícias

O ITEP (Instituto Técnico e Científico de Perícia já identificou o homem que veio a óbito após ser vítima de um acidente na manhã desta quinta-feira (07), no trecho da BR 304, em Macaíba conhecido como Reta Tabajara. Jailton de Oliveira Assunção, de 39 anos participaria da micareta Carnatal nos próximos dias na capital. Outros dois colegas da vítima ficaram gravemente feridos e estão sob cuidados médicos.

De acordo com o inspetor Roberto Cabral, da Polícia Rodoviária Federal as razões para o acidente ter ocorrido ainda estão sendo apuradas, mas a alta velocidade e ultrapassagens indevidas são comuns no local. “Vamos esperar os resultados dos laudos para termos uma posição, mas a rodovia meamo em obras é um ponto de muitas infrações”, disse.

Via Na Ficha da Polícia RN

Texto aprovado prevê pena de cinco a oito anos de reclusão. Atualmente, o Código de Trânsito estabelece detenção de dois a quatro anos

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou uma de três emendas do Senado ao Projeto de Lei 5568/13, da deputada Keiko Ota (PSB-SP), para aumentar a pena de homicídio culposo na direção de veículo automotor cometido por condutor sob efeito de álcool ou drogas. A matéria irá à sanção.

No texto da Câmara, aprovado em setembro de 2015, a pena atual de detenção de dois a quatro anos passaria para reclusão de quatro a oito anos. A emenda do Senado aprovada nesta quarta-feira passa a pena para cinco a oito anos de reclusão.

A penalidade administrativa atual de suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor continua valendo.

Embora a pena aumente, poderá ser possível ainda ao juiz determinar a comutação de pena privativa de liberdade (reclusão) por pena restritiva de direitos porque o Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40) permite para o caso de homicídio culposo, ainda que a condenação seja por mais de quatro anos.

Crime de racha
O texto aprovado mantém a referência ao crime de racha apenas no artigo 308 do Código de Trânsito, que trata especificamente do assunto e prevê pena de detenção de seis meses a três anos se da prática não resultar em morte ou lesão grave, cujas penas são maiores.

Além da definição de racha como disputa, corrida ou competição não autorizada, o projeto inclui no conceito a exibição ou demonstração de perícia no veículo automotor sem autorização.

Lesão corporal
Quando o condutor alcoolizado ou sob influência de substâncias que alterem sua capacidade psicomotora causar, com o veículo, lesão corporal grave ou gravíssima, a pena será de reclusão de dois a cinco anos.

O único agravante previsto atualmente no código é de aumento de um terço da pena para casos de homicídio culposo se o agente não possuir permissão ou habilitação; praticar o ato em faixa de pedestres ou na calçada; ou deixar de prestar socorro à vítima do acidente.

As novas regras entrarão em vigor após 120 dias da publicação da futura lei.

Emendas rejeitadas
O parecer do deputado Júlio Delgado (PSB-MG) rejeitou duas emendas do Senado. A principal delas acabava com o limite máximo de álcool a partir do qual o condutor flagrado pode ser condenado a pena de detenção de seis meses a três anos, multa e suspensão da carteira ou proibição de obtê-la.

O código prevê a pena para aquele com concentração igual ou superior a 6 decigramas de álcool por litro de sangue ou igual ou superior a 0,3 miligrama de álcool por litro de ar nos pulmões; ou ainda com sinais que indiquem, em forma disciplinada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), alteração da capacidade psicomotora.

A justificativa do relator é que os órgãos responsáveis pelas operações da Lei Seca manifestaram-se pela ineficácia da medida porque provocaria um aumento expressivo de condução de motoristas à Justiça devido ao provável aumento da recusa de uso do bafômetro, desfalcando a equipe e permitindo a passagem de pessoas que possam estar mais alcoolizadas.

Agência Câmara Notícias

Mais uma ocorrência de roubo de motocicleta foi registrada na zona rural de Macaíba. Informações chegaram até a nossa redação na noite desta quarta-feira (06/12) relatando que uma moto de cor vermelha, modelo Honda CG 150cc, de placa OWD-2806, ano 2014, foi tomada de assalto por dois meliantes portando armas de fogo.

O crime ocorreu por volta das 19 horas nas imediações da comunidade rural de Riacho do Sangue, perto da quadra de esportes, numa região conhecida como Tabuleiro, onde o condutor foi rendido pela dupla. Qualquer informação sobre o seu paradeiro, disque 181 ou 190.

Redação

As armas apreendidas em operações policiais deverão ser destinadas às polícias Federal, Rodoviária e civis e militares dos estados e do Distrito Federal.  É o que determina o projeto de lei do Senado (PLS) 285/2016, do senador Wilder Morais (PP-GO), aprovado em decisão final pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) nesta quarta-feira (6).

O texto prevê que as armas de fogo apreendidas, após a elaboração do laudo pericial, quando não mais interessarem ao processo de investigação, apuração e julgamento, serão encaminhadas ao Exército. No prazo máximo de 48 horas, elas deverão ser repassadas às Forças Armadas e aos órgãos de segurança pública da União, dos estados e do Distrito Federal, sempre passando por laudo para atestar seu perfeito funcionamento.

Do total das armas apreendidas que estejam aptas para uso, 70% serão reservados às polícias civis e militares da unidade da Federação onde foi recolhida. As de valor histórico, obsoletas, inservíveis, sem numeração original ou artesanais, serão doadas para museus das Forças Armadas ou dos órgãos de segurança pública da União, dos estados e do DF. Se não houver interesse na sua conservação, deverão ser destruídas, sob supervisão do Exército, a quem já cabe a tarefa hoje.

A relatora da proposição, senadora Simone Tebet (PMDB-MS), afirma que o texto contribuirá para o aparelhamento das forças de segurança, dando mais eficiência às polícias, que hoje fazem uso de armas de fogo convencionais, enquanto o crime organizado dispõe de armas sofisticadas. Ela apresentou emenda apenas para deixar explícita a possibilidade de doação também para o DF.

Simone esclarece que hoje, em regra, as armas apreendidas permanecem em depósitos judiciais de fóruns criminais até o fim do processo penal. Como as ações levam anos, esses locais ficam abarrotados de armas e são alvo de assaltos ou desvios. O destino final é o Exército, que destruiu mais de 73 mil armas em 2015. As doações a órgãos de segurança pública são a exceção e dependem de autorização expressa do juiz, medida a ser alterada com a proposta, que modifica o Estatuto do Desarmamento.

– O projeto modifica o Estatuto para desburocratizar o uso das armas apreendidas no crime. Dados mostram que hoje apenas 5% das armas são reutilizadas devido à burocracia – justificou a senadora.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) declarou seu voto contrário ao texto por acreditar que haverá uma “anarquia geral na distribuição de armas e calibres”, o que, em sua opinião, poderá dificultar a identificação dos agentes de segurança que cometerem algum crime ou ato ilegal utilizando esses equipamentos.

Agência Senado

As forças de segurança do Rio acabam de prender na favela do Arará, zona portuária do Rio, um dos traficantes de drogas mais procurados da cidade, Rogério Avelino de Souza, o Rogério 157, da favela da Rocinha, na zona sul. Há dois meses, ele provocou uma guerra na comunidade, depois de deixar a quadrilha de Antonio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha. Com essa atitude, Nem deu ordens de dentro de um presídio federal fora do Rio, onde está preso desde 2011, para que integrantes de sua quadrilha invadissem a Rocinha com o apoio de homens de outras comunidades, ligados à mesma facção criminosa, o que resultou em uma verdadeira guerra.

Depois de várias tentativas de ocupar a comunidade, o governador Luiz Fernando Pezão pediu apoio ao presidente Michel Temer que enviou tropas das Forças Armadas. Elas ocuparam a comunidade no dia 22 de setembro.

Rogério 157 foi preso na comunidade do Arará, onde estava escondido. A favela vive uma guerra pelo tráfico de drogas há mais de um mês. Recentemente, bandidos armados tentaram furar um bloqueio em frente ao Arsenal de Guerra do Exército, na zona portuária, e quatro deles acabaram mortos no confronto com os militares. A barricada com mais de 100 homens do Exército foi montada no local para evitar que traficantes tentassem invadir o paiol de armas e munições do Exército. Em outra ação mais recente, homens do Batalhão de Choque da Polícia Militar mataram sete criminosos no Arará e apreenderam 14 fuzis.

Rogério 157 está sendo levado para a Cidade da Polícia, no bairro do Jacaré, onde será apresentado pela Polícia Civil, que vai detalhar como chegou ao traficante.

Agência Brasil

Policiais civis da Delegacia de Furtos e Roubos (Defur) de Natal prenderam, nesta terça-feira (05), Magnos Kelly da Cunha Valentim, 23 anos, Wallace Lima da Silva, 23 anos, e Francisco Fabiano Silva de Melo. Eles são suspeitos de envolvimento em um roubo contra uma empresa de eventos, localizada no bairro Candelária, ocorrido no dia 09 de setembro.

Segundo as investigações, Magnos teria passado informações privilegiadas para a realização do roubo. A investigação revelou também a participação de Francisco Leandro Lopes Da Silva, que teria atuado como motorista dos criminosos durante o roubo e de Felipe Martins De Sousa, que teria fornecido o veículo utilizado no crime.

Francisco Leandro já havia sido preso em flagrante, no dia 29 de setembro, pela Polícia Militar após a realização de um arrastão no bairro de Capim Macio. O outro envolvido, Felipe Martins, está foragido, ele empreendeu fuga após a prisão de Francisco Leandro.

Os presos foram reconhecidos pelas vítimas do roubo sendo encaminhados ao Sistema Prisional onde aguardarão a decisão da Justiça. A Polícia Civil divulga uma imagem do Felipe Martins e solicita apoio da população para obter informações sobre o seu paradeiro de, qualquer informação pode ser repassada através do Disque-Denúncia 181.

PC/ASSECOM

A Polícia Militar do 3° Batalhão, dando continuidade às operações policiais no município de Parnamirim, conseguiu deter três infratores durante patrulhamento tático nesta terça-feira (05) no Bairro de Bela Vista.

O efetivo da VTR 354 observou três indivíduos armados que adentraram numa residência. Os policiais detiveram os bandidos e com eles foram apreendidas três armas de fogo calibre 12, além de uma moto roubada, coletes e um tablete de maconha. Os três meliantes já têm passagem pela polícia e são acusados de diversos assaltos em Parnamirim. Todos foram conduzidos a 1° DP de Polícia Civil local.

*Com informações de Na Ficha da Polícia RN

Um sargento da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, integrante da banda musical da corporação, foi preso no último domingo (3) após discutir com a esposa e balear o enteado na cabeça. O crime ocorreu na Vila Planalto, em Campo Grande.

A briga, e em seguida, os disparos teriam começado durante uma discussão entre o sargento e a esposa. Na confusão, a vítima de 29 anos, foi baleada na cabeça e deu entrada na Santa Casa de Campo Grande com quadro clínico considerado grave.

Nesta terça-feira (5), o paciente se recupera no CTI (Centro de Tratamento Intensivo), fora da entubação, mas com oscilação de consciência.

Informações preliminares apontam que o militar foi preso no domingo, mas solto nesta segunda-feira (4). O Jornal Midiamax entrou em contato com a assessoria da PM, que informou que o sargento permanece preso no Presídio Militar Estadual.

Midiamax

Portaria com as novas datas de atuação da Força Nacional nos dois estados foi publicada no Diário Oficial da União

O Ministério da Justiça e Segurança Pública prorrogou o uso da Força Nacional de Segurança Pública para apoiar os estados do Rio Grande do Norte e do Pará. A decisão foi publicada na edição do Diário Oficial da União da última sexta-feira (1º).

No Rio Grande do Norte, foi prorrogada a ação da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP) até o dia 23 de janeiro (mais 90 dias em relação à data inicial). Até a nova data estipulada, serão exercidas atividades e serviços de guarda, vigilância e custódia de presos na Penitenciária Estadual de Alcaçuz

Já no Pará, houve uma manifestação do Ministério de Minas e Energia informando dificuldade para finalização de obras da Linha de Transmissão Xingu-Estreito. Dessa forma, o trabalho da Força Nacional será mantido por mais 60 dias e fica no estado até janeiro de 2018. Esse prazo pode ser prorrogado novamente.

Segundo a portaria, o número de profissionais que serão disponibilizados pelo Ministério da Justiça obedece ao planejamento definido entre os estados e o Governo do Brasil.

Portal Brasil

Reprodução: InterTV Grande Minas

O ataque à creche Gente Inocente em Janaúba, no Norte de Minas, fez mais uma vítima na tarde desta segunda-feira (4). A professora auxiliar Jéssica Morgana Silva Santos, de 23 anos, morreu na cidade de Montes Claros, no Norte de Minas. Ela estava internada no hospital Santa Casa desde o ataque à creche, no dia 5 de outubro. Somado às 11 vítimas do ataque e ao responsável pelo ataque, o vigia Damião Soares Santos, esta é 13ª vítima da tragédia.

Segundo a Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), três pessoas ainda permanecem internadas em Belo Horizonte. Uma mulher em estado grave e uma criança em estado grave e outra criança já estável.

Indenização

Defensoria Pública do Estado deu início a uma Ação Civil Pública (ACP) em defesa de Janaúba e das vítimas do atentado que vitimou duas professoras e nove alunos de uma escola na cidade. No dia 5 de outubro, um vigia da escola provocou um incêndio na creche Gente Inocente, em Janaúba. A ação pede para que o município indenize os danos sofridos pelos familiares e vítimas do incêndio na creche.

No documento, a Defensoria sustenta a responsabilidade objetiva do município, já que o autor do incêndio, um vigia da creche, era servidor público municipal. Em razão disto, ele tinha amplo acesso à escola. Tanto que, no dia do ataque, ele foi ao local com o argumento de que iria entregar atestado médico à coordenação.

Via Portal BHAZ

SESED/ASSECOM – Os números de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) apresentaram redução no Rio Grande do Norte nos dois últimos meses. Foi o que constatou os dados da Coordenadoria de Informações Estatísticas e Análises Criminais (Coine) da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed).

Em novembro, foram 159 CVLIs, contra 170 em outubro, uma redução de 6,5%. Levando em consideração setembro, mês de maior quantidade de casos no ano, com 221, a baixa é de 28,1%.

Novembro de 2017 ainda teve uma menor quantidade de CVLIs do que o mesmo período dos anos de 2016 e 2015, quando foram registradas 162 e 176 ocorrências, respectivamente.

Municípios potiguares também apresentaram reduções, como Ceará-Mirim, que vem tendo queda desde julho, quando foram registrados 20 CVLIs, passando para 12 em agosto, 11 em setembro, sete em outubro e quatro em novembro.

Natal e Macaíba também reduziram os índices. A capital potiguar passou de 61 em setembro, para 41 em outubro e 36 em novembro. Já a cidade da região metropolitana caiu de 14 em setembro, para 11 em outubro e quatro em novembro.

A queda no número de CVLIs vem exatamente depois de uma série de ações desencadeadas pela Sesed. Desde agosto, por exemplo, operações integradas, com participação da Polícia Militar, Polícia Civil e Força Nacional, estão acontecendo em vários bairros de Natal, levando em consideração as localidades apontadas pela mancha criminal.

“O trabalho conjunto entre as polícias Militar e Civil com a parceria da Força Nacional está apresentando uma queda significativa nos homicídios. Nós temos atuando também na desarticulação do crime organizado, que é o principal responsável pela maior parte dessas mortes. Vamos continuar atuando fortemente nas ruas para coibir a criminalidade”, apontou a secretária de Segurança e Defesa Social, Sheila Freitas.