Foto: Getty Images

A Grécia suspendeu a quarentena para viajantes vacinados e com teste negativado de Covid-19. Embora os visitantes que preencham estes requisitos tenham autorização para fazer check-in em hotéis e aproveitar as praias gregas, eles estarão sujeitos às mesmas restrições dos habitantes locais. Isso significa que não poderão frequentar restaurantes e bares, exceto para delivery.

A medida faz com que a Grécia se torne um dos primeiros grandes destinos europeus a reabrir para os turistas antes da temporada de verão – o que pode fazer com que o país “roube” uma parte significativa dos turistas que pretendem frequentar hotspots europeus.

De acordo com as novas regras, está autorizada a entrada de turistas vindos da União Europeia, Reino Unido, Estados Unidos, Israel, Sérvia e Emirados Árabes Unidos que já tenham sido vacinados ou testaram negativo no PCR em até 72 horas antes da chegada.

As autoridades disseram que verificações rápidas serão realizadas nos pontos de entrada. Hotéis também estão prontos para acomodar aqueles que apresentarem resultados positivos durante o processo. Protocolos de segurança, incluindo o uso de máscaras e o distanciamento social, permanecem em vigor.

O ministro do Turismo da Grécia, Harry Theoharis, disse à CNN que o país “está dando os primeiros passos de um processo de abertura gradual que levará a uma abertura total do turismo na Grécia no dia 14 de maio. Durante as próximas semanas faremos ajustes”.

Início lento. Além de Atenas e da cidade de Thessaloniki, na costa leste, estão permitidos voos internacionais diretos para alguns dos destinos de férias mais populares da Grécia como Creta, Rodes, Kos, Mykonos, Santorini e Corfu. O setor do turismo é responsável por mais de 20% do PIB do país e cerca de 25% da força de trabalho grega -o que representa mais de um milhão de empregos.

Com uma economia tão dependente do setor, Atenas tem feito uma campanha vigorosa para a introdução de passaportes de vacina para encorajar viagens em toda a UE. O país também está em negociações com países não pertencentes à UE para tentar estabelecer “corredores de viagens”. Visitantes israelenses com teste negativo ou com certificados de vacinação, por exemplo, estão isentos da quarentena de uma semana desde o início de abril.

O anúncio da abertura feito na segunda-feira (19) foi bem-vindo entre os gregos na festa popular da ilha de Mykonos. O prefeito Konstantinos Koukas disse que as receitas da temporada de férias em 2020 atingiram apenas 30% do que foi arrecadado no ano anterior, em 2019.

Iraklis Zissimopoulos, CEO do Semeli Hospitality Group (grupo que inclui hotéis, bares e restaurantes na ilha), descreveu a flexibilização da abertura também tem contornos simbólicos. “Isso envia uma mensagem de que a Grécia está cumprindo sua promessa de abertura total em maio. Sabemos que vai ser um começo lento, mas é muito bem-vinda”, disse.

Escudo protetor. Mesmo com o programa de vacinação da Grécia progredindo em ritmo modesto – atualmente menos de 10% da população recebeu a primeira dose – mais restrições devem ser suspensas nas semanas que antecedem 14 de maio. A partir do próximo mês, uma vez que os grupos mais vulneráveis ​​tenham sido vacinados, os trabalhadores do setor de turismo devem ser os próximos.

Dezenas de ilhas menores da Grécia, com menos de mil habitantes, já foram vacinadas com as duas doses. O programa de vacinação agora está se expandindo para ilhas maiores. A proteção nas ilhas permite que a Grécia ofereça zonas livres de Covid específicas. “Se todos os moradores forem vacinados em Mykonos, uma ilha com cerca de 10 mil habitantes, teremos uma espécie de ‘escudo protetor’”, diz Zissimopoulos, que também é cardiologista.

O governo está certo que existe um “apetite” para viagens. No início deste mês, um experimento elaborado por especialistas da indústria de viagens propôs que quase 200 participantes holandeses voassem para a ilha de Rodes para trocar o isolamento em casa por uma semana de confinamento voluntário num resort de praia.

Eles não foram autorizados a deixar o resort durante a estada e concordaram em ficar em quarentena por até 10 dias ao voltar para casa. O teste de “férias seguras” deu tão certo que atraiu mais de 25 mil inscrições em menos de 24 horas, de acordo com Martine Langerak, porta-voz da operadora de turismo Sunweb, que organizou a viagem sob a supervisão do governo holandês.

Momento especiais. “Ficamos surpresos com a demanda. Isso mostra o quanto as pessoas querem passar as férias aqui”, disse Langerak à CNN. Apesar da decisão da Grécia em abrir suas fronteiras, alguns países como o Reino Unido ainda mantiveram as restrições impedindo viagens internacionais. O recente aumento no número de infecções no país significa que o governo britânico pode exigir aplicar quarentena na volta para casa.

Especialistas da indústria de viagens concordam que será um começo lento. A expectativa é que as reservas comecem a aumentar apenas em julho. Isso significa que milhares de gregos que atuam no setor do turismo e das indústrias relacionadas terão que esperar para saber se e quando terão um emprego neste verão.

Roxane Seewoester, planejadora de casamentos de 25 anos da Golden Apple Weddings em Rodes (destino que normalmente recebe mais de dois milhões de turistas anualmente), diz que a maioria dos casamentos de turistas foi cancelada no ano passado. E neste verão, eles estão novamente sendo empurrados para trás.

“Trabalhamos muito com gente dos Estados Unidos e da Austrália”, diz ela. “É um longo caminho a percorrer. As pessoas precisam de meses para se planejar. Esperamos que possam vir comemorar seu momento especial com seus entes queridos e que todos possamos seguir em frente com nossas vidas.”

Fonte: Blog do BG – CNN Brasil via Viagem & Gastronomia

Dubladora de 45 anos foi vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e estava internada

Ana Lúcia Menezes – Foto: Reprodução

A atriz e dubladora Ana Lúcia Menezes, de 45 anos, morreu nesta terça-feira (20) vítima de danos de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) ocorrido na semana passada. Ela chegou a ser submetida a cirurgias e estava internada desde o ocorrido, mas não resistiu.

A filha da dubladora, Bia Menezes, publicou uma mensagem nas redes sociais confirmando a morte. A informação sobre o óbito veio a público acompanhado de uma homenagem à mãe.

“Esse texto estava preparado desde sexta, eu já sabia. Você não voltou pra mim. Mas voltou para sua casa. Seu lar. Sua morada ao lado do nosso Pai. E estou grata a Deus por isso, grata a Deus por te levar para os braços Dele, grata a Deus por FAZER, não foi do nosso jeito, mas foi da maneira mais perfeita possível, como tudo que Ele faz (sic) “, diz o texto.

“Você escreveu uma história aqui, e eu terei uma obrigação de continuá-la porque sei que seria exatamente como você gostaria que eu fizesse. Você lutou até o último minuto, agora é hora de descansar e usufruir do que Deus preparou para Ti. Eu. te amo e sempre te amarei, até a eternidade (sic) “, finaliza.

Dentre os personagens interpretados por Ana estão Sam Pucket, da série da Nickelodeon ” iCarly “; Lupita, do seriado mexicano” Rebelde “e a ovelha Suzy, de Peppa Pig.

Fonte: Agora RN

 

Com as medidas de distanciamento social, a média móvel de óbitos por Covid-19 na última semana começou a cair

Foto: Ney Douglas

O pico da média móvel de mortes por Covid-19 nos últimos sete dias ficou para trás em 15 das 27 Unidades da Federação (UFs), inclusive no Rio Grande do Norte. Com o colapso do sistema de saúde em diversos lugares e o subsequente aperto das medidas restritivas, a quantidade de óbitos começou a reduzir em alguns locais.

O grupo é composto por Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e Tocantins. O cálculo da média móvel foi feito pelo (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles, em cima das informações recolhidas pelo Brasil com cada secretaria estadual. Uma queda no número de óbitos a partir do segundo terço de abril é perceptível nos entes federativos mencionados.

No Amazonas, que teve o colapso de seu sistema de saúde antes dos demais, a queda começou ainda em fevereiro, a partir de medidas de distanciamento social. No gráfico referente ao estado nortista, é possível ver o efeito positivo das estratégias instituídas para reduzir a quantidade de óbitos.

O caso de Roraima também chama a atenção. O estado apresentou redução na média de mortes antes das demais UFs – a partir de março – e agora observa aumento, o que poderia significar uma terceira onda da Covid-19 no local.

O risco de que a quantidade de óbitos volte a crescer, mesmo depois de superada a segunda onda, é mais um alerta para a necessidade de se manter medidas de distanciamento social, aponta o médico infectologista Julival Ribeiro, que também é consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

“As medidas restritivas, bem como a vacinação em massa, são as mais importantes para a gente diminuir a transmissão do coronavírus na comunidade”, apontou.

De acordo com o especialista, diversas variantes já circulam no Brasil, sendo que a de Manaus, conhecida como P1, é altamente transmissível. “Com esse cenário, as medidas restritivas e a vacinação em massa têm impacto na transmissão. Quanto menor o número de pessoas com Covid-19 menos indivíduos vão necessitar de hospitalização e, portanto, teremos queda dos registros de mortes”, resumiu.

Ribeiro lembra que, mesmo com todas as políticas públicas acima, é preciso continuar higienizando as mãos, usando a máscara e, sobretudo, evitando aglomerações.

Fonte: Agora RN

 

A atriz está na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo

© Divulgação

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Eva Wilma, 87, está internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. A internação da atriz ocorreu na última quinta-feira (15), mas só foi divulgada nesta segunda (19).

Ela está sendo tratada de problemas cardíacos e renais. De acordo com o boletim médico, assinado pelo cardiologista Cláudio Cirenza e pelo diretor médico e de serviços hospitalares Miguel Cendoroglo, ela está em consciência e respirando espontaneamente. O estado de saúde da atriz é considerado estável.

Esta é a segunda vez que Eva Wilma é internada neste ano. No dia 7 de janeiro, ela foi hospitalizada no Hospital Vila Nova Star, da Rede D’Or, também em São Paulo, por causa de uma pneumonia. Ela chegou a passar 9 dias na UTI.

Na ocasião, ela fez exames que descartaram que ela tivesse sido contaminada pelo coronavírus. “Não há relação com a Covid-19. Ela está consciente, mantendo estabilidade hemodinâmica e boa evolução clínica”, dizia o boletim médico divulgado na época.

No ano passado, a atriz participou de uma série de entrevistas feitas por Pedro Bial para homenagear os 70 anos da televisão brasileira, completados em 18 de setembro. Uma das histórias que chamou mais a atenção foi a da quase escalação para um filme do cineasta Alfred Hitchcock.

Wilma relembrou que estava com o marido almoçando nos estúdios da Universal Pictures, em 1969, quando um agente se aproximou dela. “Ele veio me perguntar se poderia me fotografar, pois Hitchcock estava procurando uma atriz latino-americana para fazer o papel de uma cubana em um filme muito importante.”

Ela disse que se deixou fotografar e retornou ao Brasil. Passados alguns meses, uma pessoa entrou em contato para convidá-la para participar do teste: “Fui para Hollywood no dia seguinte”. Wilma recorda que Hitchcock tinha uma casa só para ele nos estúdios e que “parecia mais uma casa de filme de terror mesmo”.

Depois de três meses, a atriz diz que foi escolhida uma alemã [Karin Dor] para o papel da cubana. “O meu consolo, também, digo para me conformar, é que ‘Topázio’ [1969] não foi um dos bons filmes de Hitchcock. Eu assisti e falei: ‘Esse papel não era para mim’. Mas era para me conformar, porque eu queria ter feito.”

Fonte: Notícias ao Minuto

Nesta quarta-feira, 21 de abril, o comércio da capital potiguar funcionará em horário diferenciado por causa do feriado nacional de Tiradentes. De acordo com a Câmara de Dirigentes Lojistas de Natal (CDL Natal), bancos não abrem e supermercados funcionam das 7h às 22h.

Confira o funcionamento dos principais pontos comerciais da cidade.

Comércio de Rua

Alecrim: Fechado

Centro da Cidade: Fechado

Shopping Midway Mall

Funcionamento apenas dos serviços essenciais das 10h às 20h.

Supermercado Extra das 7h às 21h

Demais operações somente venda online e com delivery.

Natal Shopping

Lojas e quiosques fechados, apenas as operações de alimentação funcionam com vendas online e entrega por delivery.

Praia Shopping

Lojas e quiosques – fechados

Permitido funcionamento apenas de serviços essenciais, estabelecidos em decreto, no horário das 12h às 19h.

Praça de alimentação – apenas delivery/drive thru

Shopping Cidade Jardim

Loja fechadas em virtude do decreto.

A alimentação funcionará apenas por meio de delivery.

Shopping Via Direta

Fechado

Partage Norte Shopping

Funcionamento apenas dos serviços essenciais das 10h às 20h

Carrefour das 7h às 21h

Demais operações somente venda online e com delivery.

Shopping 10

Fechado

Supermercados

07 às 22h

Bancos

Fechados

Acesso móvel é o nome dado para os chips de celular, que podem ser usados para serviços de voz ou de conexão à Internet

© Shutterstock – imagem ilustrativa

O Brasil fechou o ano de 2020 com 234 milhões de acessos móveis, segundo relatório da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O total representou um aumento de 7,39 milhões em relação a 2019, o equivalente a 3,26%. Acesso móvel é o nome dado para os chips de celular, que podem ser usados para serviços de voz ou de conexão à Internet.

Com isso, houve uma inversão da tendência de queda que vinha marcando esse tipo de serviço desde 2015, quando o Brasil bateu os 284,17 milhões de acessos. O número, acima da população nacional, ocorre pelo fato de parte das pessoas ter mais de um acesso, ou seja, mais de um chip ou uma conta de telefone celular.

Na avaliação da Anatel, esse acréscimo teve relação com a pandemia do novo coronavírus. “Com a transferência forçada de atividades para a modalidade online, em especial as aulas de crianças e de adolescentes, houve um aumento na compra de dispositivos para permitir a realização dessas atividades. O celular é o dispositivo mais barato de acesso à internet, e muitos desses aparelhos já são vendidos atrelados à contratação de um novo plano”, diz o relatório.

Quando analisados os números de acessos por 100 habitantes, índice denominado “densidade” pelo relatório, as regiões mais atendidas são o Sudeste (105,71), Centro-Oeste (102,2) e Sul (96,9). As densidades são menores no Nordeste (86,58) e Norte (85,37).

Os estados com mais acessos por 100 habitantes são Distrito Federal (116,37), São Paulo (110,22), Rio de Janeiro (103,86), Minas Gerais (98,96) e Rio Grande do Sul (98,96). Já os com os menores índices são Maranhão (74,94), Alagoas (81,49), Pará (82,06), Paraíba (85,24) e Roraima (85,95).

Pelo primeiro ano, os acessos pós-pagos superaram os pré-pagos, com pouco mais de 50%. Os pós-pagos são mais presentes na Vivo (57,14%) e os pré-pagos são mais frequentes na Oi (62,67%).

Atualmente, a operadora com mais acessos móveis é a Vivo (78,53 milhões). Em seguida vêm Claro (60,20 milhões), TIM (51,43 milhões) e Oi (36,65 milhões). No caso da OI, a parte de telefonia móvel da companhia está sendo negociada com as outras três operadoras. A Vivo lidera em 2.400 municípios, a Claro em 1.286, a TIM em 1.056 e a Oi em 777 cidades.

Na avaliação da integrante do Conselho de Defesa dos Usuários de Serviços de Telecomunicações (CDUST) Marina Pita, os dados podem levar ao engano uma vez que o relatório não deixa claro que se trata de chips, e não de conexões móveis.

“Os dados são simplesmente de chips ativos habilitados à conexão. Se a pessoa proprietária do chip fez uso de pacote de dados móvel, isso é algo que a Anatel não sabe porque não há obrigações de as operadoras informarem neste sentido. A Anatel não está contabilizando planos ativos e sim chips. Se a pessoa usou o chip apenas para receber ligações, a Anatel desconhece”, avalia Pita.

Em nota à reportagem da Agência Brasil, a assessoria da Anatel confirmou se tratar de chip habilitado, não incluindo que tipo de atividade é realizada pelo usuário.

Fonte: Notícias ao Minuto

No anúncio desta segunda, o Facebook também diz que criadores de conteúdo serão capazes de transformar uma conversa ao vivo em um podcast

© Reuters

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Facebook anunciou nesta segunda (19) uma nova gama de produtos relacionados a áudio: salas de conversa ao vivo, recursos para a criação de áudios curtos e a opção de ouvir podcasts pelo aplicativo.

O lançamento ocorre logo após o aplicativo de áudios Clubhouse receber uma nova rodada de investimentos para escalar a empresa. A startup atingiu uma avaliação próxima de US$ 4 bilhões (R$ 22,2 bilhões). Segundo a eMarketer, que monitora o mercado digital, o app cresceu 321% em fevereiro.

O aumento do uso de áudio nas plataformas do Facebook -como Instagram e WhatsApp-, foi significativo durante a pandemia, segundo a companhia. “O áudio serviu como uma maneira conveniente de se sentir próximo dos outros sem a pressão de ligar o vídeo”, diz Fidji Simo, chefe do aplicativo do Facebook, em comunicado.

A empresa vai oferecer uma ferramenta de criação de áudio dentro do aplicativo Facebook. Ela foi trabalhada para criar o que Simo chama de “estúdio de som portátil”, que permitiria uma qualidade próxima de meios profissionais.

Por meio desse recurso, o usuário poderá mixar faixas de áudio, utilizar efeitos sonoros, de voz e filtros. Entre os lançamentos, os chamados “soundbites” serão áudios curtos e “clipes de áudios criativos para capturar pequenas histórias”.

A ferramenta entra em teste nos próximos meses com um grupo selecionado de pessoas públicas antes de ser disponibilizado a toda base de usuários.

As “salas de áudio ao vivo” serão a concorrência direta ao Clubhouse, aplicativo lançado no ano passado que permite o encontro de anônimos e celebridades em salas de bate-papo de áudio. O Facebook vai disponibilizar o produto à base de 1,8 bilhão de pessoas que usam os grupos da rede social e também as comunidades.

Segundo a empresa, as salas funcionarão para que figuras públicas possam conversar entre elas, com especialistas e fãs, no mesmo molde do Clubhouse. Elas poderão ganhar dinheiro com um sistema próprio do Facebook ou cobrando acesso por meio de uma única compra ou assinatura.

Lançado no ano passado, em São Francisco, na Califórnia, o Clubhouse tenta se estabelecer como o estandarte em áudio digital e inspira imitações. A ação do Facebook é “uma resposta natural a uma ameaça competitiva”, diz o analista de tecnologia Rob Enderle, do Enderle Group.

“Se você não fizer nada, poderá se tornar o MySpace”, acrescentou, referindo-se à rede social pioneira que caiu no esquecimento após a chegada do Facebook. O padrão do Facebook tem sido comprar startups que representam potenciais ameaças ou copiar recursos que estão atraindo usuários, observou o analista.

O Brasil se tornou um mercado importante para o Clubhouse logo que foi lançado -é o quarto país, com mais de 600 mil downloads (segundo dados da eMarketer, de março), mas algumas barreiras podem limitar a expansão da rede. Um dos principais motivos é a demora para lançar uma versão para aparelhos com sistema operacional Android -a opção é restrita a usuários de iPhone.

Além disso, a rede funciona com outro mecanismo de exclusividade, circulando apenas por convites.

“A interface ainda não está aperfeiçoada. Ao conseguir seu prêmio de estar na plataforma, o aplicativo não se mostra superintuitivo, a navegação não é muito boa, a recomendação de conteúdo depende muito da base de amigos, e isso limita a qualidade do conteúdo a ser recebido”, diz Caio Vieira Machado, diretor do Instituto Vero e pesquisador da Universidade de Oxford.

Nesse ponto, o Facebook pode se beneficiar da imensa base de usuários e da facilidade de adoção do público pode um produto já integrado à sua plataforma. “O Facebook, ao lançar seu próprio Clubhouse, surfa na própria rede, é um recurso com valor agregado extremamente alto”, diz Machado.

No anúncio desta segunda, o Facebook também diz que criadores de conteúdo serão capazes de transformar uma conversa ao vivo em um podcast. Segundo a empresa, mais de 170 milhões de pessoas já se conectam a centenas de milhares de páginas de podcasts.

Nos próximos meses, usuários da rede social também poderão ouvir episódios enquanto usam o aplicativo ou estejam com ele em segundo plano.

A gigante de tecnologia aposta na integração a marcas de podcast diante da alta popularidade desse nicho. “Criadores de podcast serão capazes de alcançar e se conectar com novos ouvintes -tudo diretamente no aplicativo do Facebook.”

Fonte: Notícias ao Minuto

Quando a miséria prevalece e o filho chora de fome, certos constrangimentos se dissolvem. Em São Paulo, tem mulher se deitando com desconhecido por R$ 50.

A engrenagem da desgraça começa com comércio fechado pela pandemia, perda do emprego, dívidas e geladeira vazia. Aconteceu com uma vendedora de 21 anos que trabalhava numa loja do Brás, em que não vigorava a CLT. A moça sem direitos trabalhistas tinha um bebê com bronquite. O que ela não tinha era fralda e leite.

A vendedora resistiu o quanto pôde, mas choro de filho dispara um alarme. Fazer programa não era indigno. Errado seria deixar o menino de seis meses passar necessidade. Foi com esse raciocínio que, em abril de 2020, “nasceu” Pâmela Cristina, nome de guerra escolhido pela prostituta de shorts jeans e camiseta branca que bate ponto na esquina da estação da Luz a partir das 10 horas da manhã.

Pâmela entrou no submundo por meio de uma amiga de infância que cresceu com ela num bairro da zona leste de São Paulo. Com o apadrinhamento, garantiu um lugar na calçada sem hostilidades das demais garotas que trabalham na região.

Na data combinada, Pâmela se apresentou maquiada, vestindo calça jeans e a blusa cropped mais curta que tinha no guarda-roupa. Ainda no caminho para a esquina, aconteceu o que ela temia — um homem perguntou se fazia programa. Respondeu que não, mas a amiga entrou na conversa. “Faz, sim.”Pâmela pediu R$ 70, valor acima do preço tabelado de R$ 50. O cliente pagou.

“Fomos para um desses hoteizinhos que tem na Luz. No caminho, eu pensava em desistir e que precisava da grana. Ele entrou no quarto e tirou a roupa. Fiquei chocada. Meio que tirei parte da roupa e falei: ‘Só chupo de camisinha’. Transamos, tomei banho e fui embora me sentindo suja, mas feliz com o dinheiro.”

As imediações da estação da Luz estão dentro da área da cracolândia. Nas suas calçadas dá para conseguir drogas e prostitutas, mas a maioria das mulheres tem idade avançada. Pâmela era novidade e muito mais jovem. Bastante requisitada, logo estava fazendo R$ 500 por dia. O valor endireitou as contas domésticas.

Ainda na gravidez, a garota se separou de um ajudante de pedreiro. Sem serviço no começo da pandemia, ele conseguia enviar coisa como R$ 50 para o bebê por semana. Depois que Pâmela decidiu se prostituir, o combinado foi a mãe sustentar a criança e o pai cuidar do filho.

Hoje, os rendimentos não repetem o sucesso das primeiras semanas, mas são suficientes para bancar o filho. A garota não entrega dinheiro ao ex. Leva compras, roupas, calçados e brinquedos.

Escândalo na família

Assim que perdeu o emprego no Brás, Pâmela tentou vaga nas lojas do centro de São Paulo. Quando começou a se prostituir, combinou as duas atividades. Pela manhã, entregava currículos; à tarde, fazia programas. Ela também foi levada a boates, mas não gostou da experiência.

“Lá, você trabalha cafetinada e fica só com parte do dinheiro. Na rua, tudo que eu ganho é meu.”

Pâmela se fixou na Luz e a decisão causou sequelas familiares. A mãe não falou nada, mas usou o WhatsApp para agir, causando um barraco digno de programa de fofoca vespertino.

“Ela veio até aqui [Luz], tirou fotos de mim fazendo ponto e mandou para o meu pai. Ele me mandou uma mensagem dizendo: ‘Você tá se prostituindo? Me conta isso direito para eu não te matar’. A gente ficou dois meses sem se falar.”

Quando o pai aceitou conversar, ouviu o relato da penúria que a filha e o neto estavam vivendo. O assunto foi colocado embaixo do tapete. Pâmela tem uma família que prefere se enganar e não toca no assunto.

A garota também tem seus dramas com que lidar. Criada na Congregação Cristã do Brasil até os 12 anos, ela tocava órgão nos cultos e ajudava na limpeza da igreja. O passado religioso gerou um choque de valores. Mas a repetição das idas aos quartos dos hotéis amenizou a crise moral.

Hoje, Pâmela conta que não sente vergonha. Mas admite que recorre a válvulas de escape. Junto com a amiga de infância, queima até 20 gramas de maconha por dia.

A realidade é dura, mas poderia ser pior. Quando estava sem leite e fralda para o filho, ela avaliou as possibilidades que estavam à disposição: prostituição, roubar ou traficar. A garota explica que, na quebrada onde nasceu, sabe de pessoas que poderiam providenciar meios para as duas atividades criminosas.

“Eu pensei que dava dinheiro, mas não dava futuro. Eu ia ser presa e acabaria longe do meu filho.”

A pandemia impôs a Pâmela uma realidade em que a prostituição era a alternativa com menos efeitos colaterais. Ela só espera que não esteja contaminada pelo submundo a ponto de não querer voltar a ser vendedora. A preocupação existe, porque os rendimentos são bons e o asco ao ser tocada por estranhos desapareceu.

Com informações de UOL